“Um dos momentos mais felizes da vida é quando você encontra a coragem para abandonar aquilo que não pode mudar”.

Iara Fonseca

Um dos piores defeitos que possuímos, e muitos não sabem que esse, é o motivo das suas piores dores, é o apego por situações e por pessoas que não irão e nem poderão mudar.

E um dos melhores momentos da vida é quando encontramos coragem para abandonar o que não podemos mudar, o que não mais voltará, o que não depende de nós e o que não nos faz bem!

Somos pessoas apegadas a tudo. Nos apegamos muito facilmente, e sofremos por isso.

Mas quando aprendemos a deixar de lado aquilo e aqueles que não acrescentam, apenas acumulam em nós sentimentos nocivos, começamos a nos sentir mais feliz e a nos mover em direção àquilo e junto daqueles que nos faz bem.

Quando aprendemos a não reter nada, não nos prendemos mais a convenções, normas, achismos, ou a qualquer besteira que não nos levará a nada.

Muitos confundem amor com apego, e cobram do outro uma presença ativa. Se pudessem, teriam um controle remoto para poderem fazer o que bem entender com o outro, assim como fazem com os objetos que compram e acumulam.

É fácil identificar uma pessoa apegada demais.

É só dar uma olhada no guarda roupa dela, ou fazer uma visita à sua casa, você verá bibelôs de 1900, objetos carregados de muitas lembranças de todos os lugares por onde passou e de todas as pessoas que ela se apegou.

Abrindo o seu guarda roupa poderemos ver dúzias e mais dúzias de sapatos, não só porque ela diz amar sapatos, mas porque, na verdade, ela não consegue se desapegar de nenhum deles.

LEIA MAIS: “Entenda…Dessa vida você só leva uma muda de roupa e nem é você que escolhe”.

Esses exemplos soam como bobagens, mas são muito comuns em pessoas extremamente apegadas a matéria.

Muitos de nós se apegam as coisas como se quisessem guardar os momentos que não voltam mais, mas não se atentam ao fato que, guardar coisas, lembranças e sentimentos demais poderá atrapalhar as suas vidas, já que é preciso seguir em frente.

Não há espaço externo, nem interno, suficientes, para guardar tantas, quanto gostaríamos, e o pior de tudo, para quem costuma guardar demais, é que costumam não aguardar apenas coisas boas.

Quem acumula lembranças boas também possui o hábito de guardar as ruins.

Rancor, mágoa, raiva, ódio, vitimização, são alguns dos sentimentos nefastos que guardam, e muitos adoecem sem entender o motivo que os levaram a tal condição.

Difícil é aprender, nesses instantes de vida, que abandonar o que não se pode mudar, ou o que não mais voltará, é o melhor remédio para as dores da alma.

Quando entendemos que devemos abandonar histórias, coisas, pessoas, situações, que infelizmente, não podemos mudar, acabamos por viver de maneira mais simples, e a beber na simplicidade, os seus momentos mais felizes.

Ter o mínimo possível e ser o máximo que puder exige coragem!

E os corajosos são almas incríveis, capazes de abandonar tudo que faz sofrer e de compartilhar tudo que faz feliz!

Mude de emprego, de casa, de profissão, de cidade, de país, de amigos, de rota… Busque novas oportunidades, se encha de coragem e vá! Não leve pesos na bagagem e nem se apegue a nada e a ninguém pelo caminho, simplesmente ame o fato de estar vivo porque apego não é amor!

Tenha coragem de amar sem se apegar, e isso não quer dizer que você é indiferente ou frio, quer dizer que você aprendeu a amar de verdade, e a se entregar de corpo e alma a tudo que seja eterno enquanto dure! E se for assim, dessa forma, é possível que essa felicidade, que te importa, dure por todos os anos em que estiver vivo!

Essa é verdadeira benção concedida aos corajosos!

Viva os corajosos de plantão! Que estão nessa vida para compartilhar e não para reter para si as coisas e pessoas que lhe são caras!

Frase título: @hramuche

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS







COMENTÁRIOS




Iara Fonseca
Jornalista, poeta, educadora social, fundadora e editora de conteúdo do Rede de Ideias: PRODUÇÃO DE CONTEÚDO. Seu interior é intenso, sempre foi, transforma suas angustias em textos que ajudam muito mais a ela própria do que a quem lê. As vezes se pega relendo seus textos para tentar colocar em prática aquilo que, ela mesma, sabe que é difícil. Acredita que viemos aqui para aprender a ser, a cada dia, um pouco melhor, para si mesmo, e para o outro!