Geralmente, “se achar” FODA”, é vaidade. Quem é foda de verdade é humilde.

A vaidade tem sim uma função importante, ela te faz olhar para o que existe de bom e belo em você, mas ela não te torna uma pessoa melhor do que as outras, ela te torna pior, caso você comece a se sentir superior e passe a agir com prepotência.

O que te eleva e te torna FODA são as suas ações e atitudes.

Quem é afetado pela vaidade “se acha” foda, porém, muitas vezes, não é assim que os outros o enxergam. Ele é visto como realmente é, vaidoso, extremamente egoísta, sem compaixão e empatia.

Para mim, realmente foda, é quem age sempre com amor, é quem sente alegria de viver, quem vive com entusiasmo e sabe apreciar as coisas mais simples da vida.

Uma pessoa foda, para mim, é aquela que, mesmo com a correria, com tantas urgências e obrigações, sempre encontra um tempo para uma palavra acolhedora, para um ato de encorajamento, e não se deixa abater quando as coisas não saem exatamente como ela queria. Isso significa que ela não se contamina com o orgulho e com a arrogância.

Uma pessoa foda não se envaidece com elogios, e nem esmorece com as críticas, ela sabe quem ela é, reconhece seus talentos, suas capacidades e suas habilidades, por isso, segue trabalhando com humildade, realizando suas atividades com amor e disciplina.

Ela valoriza mais a alegria do que a vaidade, porque sabe que vaidade é diferente de autoestima e que a autoestima genuína – por favor, entenda isso – não é competitiva ou comparativa.

Ela exerce o poder do amor-próprio sem freios e sem remorso, do respeito próprio e da auto-admiração com maestria e, para isso, não precisa menosprezar ninguém. Pelo contrário, ela sente prazer em ver o sucesso dos outros, em ajudar, em compartilhar o que aprendeu – porque quanto mais ela ajuda a acender a luz dos outros, mais iluminada ela fica.

Ela abafa a vaidade e ostenta a humildade para não se tornar tão obcecada consigo mesmo a ponto de não pensar em mais ninguém. Ela é foda porque venceu a ignorância que faz das pessoas egoístas e cruéis, sem compaixão e empatia… Ela está disposta a fazer o bem para si mesma e para os outros, e para isso, ela bebe, todos os dias, da sabedoria que vida oferece.

*DA REDAÇÃO RH. Texto de Robson Hamuche, idealizador do Resiliência Humana, terapeuta transpessoal e Constelador Familiar. Foto de Mathilda Khoo no Unsplash.

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

RECOMENDAMOS









Robson Hamuche é Terapeuta transpessoal com especialização em constelação familiar, compõe a equipe de terapeutas do Instituto Tadashi Kadomoto (ITK). É também idealizador e sócio-proprietário do Resiliência Humana, grupo de mídia dedicado ao desenvolvimento humano, que reúne informação de qualidade acerca de todo o universo do desenvolvimento pessoal, usando uma linguagem leve e acessível.