Tenha orgulho das cicatrizes que você adquiriu ao longo da sua jornada, elas mostram que você lutou e venceu, e demonstram o quanto você é forte!

Quando a gente se quebra, diante dos acontecimentos desafiadores da vida, cabe a nós escolher juntar nossos cacos interiores e os adornar com tudo aquilo que para nós é mais valioso.

Devemos tomar a decisão de nos adornar com ouro, com a substância de Deus, que existe em nós, e que nos traz de volta a força e nos torna ainda mais bonitos.

A gente permanece quebrado, quando a gente não honra as nossas cicatrizes. Quando a gente não faz o reparo necessário na nossa vida. Quando a gente não se movimenta no sentido de aprender a lição que as elas querem nos ensinar.

A resiliência te pede para se levantar e se tornar uma pessoa melhor diante da luta que você travou.

Você precisa olhar para as suas cicatrizes, como se dissesse a si mesmo: ‘eu me orgulho de tudo o que já enfrentei nessa vida’.

Quando você aprende a honrar às suas cicatrizes, você entende que pode enfrentar qualquer coisa daqui pra frente.

Ninguém teve uma vida perfeita e ninguém jamais terá. Não tenha vergonha do que aconteceu com você. Tudo o que aconteceu, aconteceu por uma razão. Mas se você escolher reclamar, ou negar o que aconteceu, então as suas cicatrizes se tornarão inúteis, e te levarão a um estado de completo sofrimento e ingratidão.

Mas se a sua escolha for aceitar a realidade assim como ela se apresenta, a luta que você travou e que gerou essas cicatrizes, te transformará em uma pessoa mais forte.

Você passará a transformar algo que poderia ser feio em algo bonito e inspirador. E quando o que você passou se torna inspiração para outras pessoas, então tudo valeu a pena.

Não fique preso em como as coisas costumavam ser, olhe para tudo o que você passou e perceba a força e a coragem que essas cicatrizes te trouxeram.

No Japão, quando algo se quebra, existe uma tradição de colar todas as partes, preenchendo as rachaduras com ouro. Este processo é conhecido como “Kintsukuroi”.

Sean Buranahiran, autor e poeta, escreveu sobre essa técnica: “Isso é para enfatizar a beleza do que já foi quebrado. Eles acreditam que quando algo sofreu danos e tem uma história, isso o torna mais bonito. E o mesmo vale para os seres humanos.”

Você tem uma escolha. Você pode deixar sua tigela quebrada no chão ou consertá-la adornando suas lutas com ouro e transformando sua vida, a partir dessas cicatrizes, em uma vida mais bonita, com tudo aquilo que, pra você, é valioso.

Independente da forma como tudo se deu, a sua vida pode ser consertada, porque você tem o poder de transformá-la.

Nesse momento, você vai perceber que, tudo o que aconteceu com você, serviu para moldá-lo na pessoa que você é hoje. E se você olha para isso tudo e não gosta de quem você se tornou, é um claro sinal de que você não honra a sua história e não aprendeu com as suas cicatrizes.

Entenda que cada situação da sua vida, cada momento em que você se quebrou, serviu para que surgisse um novo você. E muitas vezes, você precisa se quebrar, para que uma nonva versão de você, possa surgir.

Se você precisa de ajuda para ressurgir ainda melhor, depois de tantas lutas, me chame no direct @rhamuche, eu posso te ajudar a adornar o seu vaso interior com o ouro que existe em você.

Assista esse vídeo de Sean Buranahiran (em inglês):

*DA REDAÇÃO RH. Texto de Robson Hamuche, idealizador do Resiliência Humana, terapeuta transpessoal e Constelador Familiar. *Foto: Reprodução/Youtube

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

RECOMENDAMOS









Robson Hamuche é Terapeuta transpessoal com especialização em constelação familiar, compõe a equipe de terapeutas do Instituto Tadashi Kadomoto (ITK). É também idealizador e sócio-proprietário do Resiliência Humana, grupo de mídia dedicado ao desenvolvimento humano, que reúne informação de qualidade acerca de todo o universo do desenvolvimento pessoal, usando uma linguagem leve e acessível.