Se te machuca, não é amor, é abuso!

Um relacionamento abusivo, geralmente, vem maquiado de preocupação e cuidado. É preciso aprender a encarar as relações de cara limpa, caso contrário, a verdade, não é percebida.

Quando você entra em um relacionamento procurando uma outra metade, você já começa errado, porque o que te falta não está no outro, mas sim, em tudo o que você desaprova e não aceita em si mesmo.

É preciso se sentir inteiro antes de querer se relacionar com quem quer que seja.

Alguém pela metade sempre vai cobrar dos outros, atitudes, que ele mesmo ainda não consegue ter, vai se vitimizar e negar a responsabilidade diante das suas próprias escolhas – vai culpar e julgar, cobrar e exigir, comportamentos, que nem ele consegue ter.

Chico Xaver disse certa vez que, “ninguém entra na nossa vida por acaso, e nós não entramos na vida de ninguém sem nenhuma razão”. Porque, a vida é uma escola, e cada situação ou pessoa, nos traz alguma lição.

“Não exijas do outro, qualidades que ainda não possuis” Chico Xavier

Não adianta cobrar nada dos outros, muito menos, apontar os seus erros, o que realmente nos salva das pessoas abusivas é nos responsabilizar pelas nossas escolhas. Não é sobre cobrar que o outro pare com os abusos, é escolher abandonar situações que te machucam e, melhor, é passar a escolher companhia melhores.

Se escolhemos nos relacionar com alguém que não sabe amar, devemos assumir que fomos nós, com as nossas ilusões que, criamos uma amor que só existia no mundo das ideias.

Não é fácil reconhecer que as pessoas só fazem o que permitimos que façam. Muitas vezes, sentimos que nos falta sorte, acreditamos que relacionamento é sofrimento, e acabamos ficando presos em um ciclo, aparentemente, sem fim, de relacionamentos abusivos.

Esse ciclo só se encerra quando você entende que, se te machuca, não é amor, é abuso. É essa consciência que muda tudo.

Quando você se conscientiza do abuso, você passa a fazer escolhas diferentes.

É aquela máxima da loucura: “Não dá para querer resultados diferentes, fazendo tudo igual”.

Não é sobre sorte ou azar no amor, é sobre assumir a responsabilidade diante das próprias escolhas.

Se nesse exato momento, você está sofrendo “por amor”, me chame no direct @rhamuche e agende uma consulta individual. Decida se libertar desse abuso.

*DA REDAÇÃO RH. Texto de Robson Hamuche, idealizador do Resiliência Humana, terapeuta transpessoal e Constelador Familiar. Foto de Ben Tofan no Unsplash

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

RECOMENDAMOS









Robson Hamuche é Terapeuta transpessoal com especialização em constelação familiar, compõe a equipe de terapeutas do Instituto Tadashi Kadomoto (ITK). É também idealizador e sócio-proprietário do Resiliência Humana, grupo de mídia dedicado ao desenvolvimento humano, que reúne informação de qualidade acerca de todo o universo do desenvolvimento pessoal, usando uma linguagem leve e acessível.