Quando quem a gente ama é tóxico: como se afastar sem sentir culpa?

Quando a gente tenta viver a nossa verdade e alguém que a gente ama não aceita, ele se torna tóxico. Mas quando a gente aceita a interferência desse alguém e não colocamos um limite saudável nessa relação, o tóxico é a gente.

Uma coisa que temos que aprender com urgência é que ao tentar se afastar de uma pessoa tóxica, as coisas podem piorar antes de melhorar – mas sempre melhorarão. Sempre.

Um relacionamento tóxico tem o pode de nos tornar inseguros diante da nossa verdade. Começamos a duvidar das nossas capacidades e talentos quando aquele que a gente ama, não nos apoia, ou pior, nos desvaloriza.

Essa relação com movimentos típicos de manipulação e controle, envolve mentiras, críticas em um constante “morde e assopra”. Sabe como é? O tal tapa com luva de pelica. Não chega a ser uma violência física, mas dói como se tivessem te batido de verdade.

A pessoa tóxica não quer que as tiremos de nossas vidas, se o fizermos, ela perderá a pessoa, onde ela pode descarregar as suas frustrações.

Se você é alguém, naturalmente aberto e generoso, quando as coisas não parecem certas em um relacionamento, provavelmente dará mais de si mesmo, oferecerá mais apoio, será mais amoroso para colocar as coisas nos trilhos. Mas a pessoa tóxica sempre exigirá ainda mais de você porque ela não se satisfaz com nada. Ela sempre encontrará algo para reclamar, sempre vai apontar um defeito para te desanimar.

Romper um relacionamento tóxico pode ser como arrancar um arame farpado com as mãos. Quanto mais você tenta retirar, mais dói, então você prefere parar de tentar e se resignar.

Acontece que, a resignação te deixa frustrado, você se torna uma pessoa infeliz sempre esperando que as coisas melhorem, que a pessoa mude, que ela enxergue o mal que ela causa em você. Mas isso é uma grande ilusão, você se ilude para conseguir sobreviver aos dias cinzas. E quando o sol nasce, um dia ou outro, bem tímido, quando a pessoa resolve ser legal com você em um parte do dia, você se reabastece e se enche de esperanças que as coisas entre vocês vão melhorar.

Porém, logo depois, a tempestade cai e as emoções te afundam em lágrimas mais tristes ainda.

Enquanto você não perceber que não é o romper que dói, mas sim, o arame farpado – essa relação não vai parar de cortar você ao meio.

Em um relacionamento tóxico não há espaço para você crescer, existem limites claros de até que ponto você pode ir. Esses limites que são impostos pelo outro, são aceitos por você quando você decide permanecer ao lado dele.

Não é fácil se afastar de alguém que você ama muito, principalmente se for sua mãe, sua esposa, seu marido, seu pai, um amigo… um filho… retirar uma ou mais pessoas da sua vida se torna algo “praticamente” impossível, na sua concepção. Você pensa que precisa suportar. Com isso, você vai se anulando e perdendo o gosto de viver.

É normal que alguém tóxico tente fazer você se sentir culpado, tente inverter a situação e jogar a responsabilidade de tudo em suas mãos

Às vezes, por um sentimento de amor e lealdade terrivelmente mal interpretado, pessoas presas em um relacionamento tóxico sacrificam o próprio crescimento para viver em um espaço estreito que a pessoa tóxica as manipula.

Mas eles fazem isso porque me amam.

Às vezes, as pessoas tóxicas se escondem atrás da defesa de que estão fazendo o que fazem porque amam você, ou que o que fazem “não é nada” e que é você quem está causando o problema porque é muito sensível ou muito bobo, ou muito fraco, estúpido, inútil, carente, inseguro, ciumento… Repare que todos esses adjetivos são usados para te diminuir e enfraquecer ainda mais.

A única verdade que você precisa saber é esta: se dói, dói, não é invenção da sua cabeça e ponto final.

O amor nunca impede que as pessoas cresçam. Não diminui e não contamina. Se alguém te ama, você logo saberá porque você se sentirá em paz ao lado daquela pessoa.

Se não te traz paz não é amor, é controle, apego… cilada!

Não existe relacionamento perfeito, mas um relacionamento saudável é tolerante, amoroso, receptivo e responsivo.

A única verdade que importa.

Quando você se fortalece e percebe que não merece aquele tipo de tratamento que a pessoa te oferece, você passa a estabelecer limites com gentileza e amor e deixa que a pessoa tóxica decida de que lado desse limite ela quer ficar.

Impor limites não tem a ver com egoísmo e manipulação “Só vou ficar com você se for assim, como eu quero”. Não se trata disso. Limites são colocados listando as suas necessidades, o que você quer, o que você precisa, o que você sente, o que você deseja sentir, o que você aceita e não aceita. É sobre isso.

Não necessariamente os limites terminarão o relacionamento, dependerá muito da postura do outro em relação a esses limites. Mas se ele não quiser aceitar, o único jeito será se afastar, e seguir a sua vida sem se culpar porque você não pode se ferir para agradar quem quer que seja.

Eles são algo atraídos pela força e coragem para permitir que as pessoas vejam com grande clareza onde está a porta para você. Se o relacionamento tiver que terminar, não será por sua culpa, por falta de amor ou lealdade, mas porque a pessoa tóxica optou por não tratá-lo da maneira que você merece. Questão de escolha. Ela fez a dela e você a sua!

Você pode amar uma pessoa e, mesmo assim, deixá-la, não é sua culpa ter que se afastar de quem te faz mal. Sua culpa será se você deixar que te machuquem só porque eles dizem que te amam.

Seja maior, mais forte, mais corajoso do que qualquer coisa que o diminua.

Seja autêntico e real e dê a si mesmo tudo o que você precisa para não permitir que isso aconteça.

E se você sente que não está conseguindo sair de uma relação tóxica e precisa de ajuda, me chame no direct @rhamuche, eu posso te ajudar!

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

RECOMENDAMOS









Robson Hamuche é Terapeuta transpessoal com especialização em constelação familiar, compõe a equipe de terapeutas do Instituto Tadashi Kadomoto (ITK). É também idealizador e sócio-proprietário do Resiliência Humana, grupo de mídia dedicado ao desenvolvimento humano, que reúne informação de qualidade acerca de todo o universo do desenvolvimento pessoal, usando uma linguagem leve e acessível.