Ciúmes não é amor! É apenas um claro sinal de insegurança!

ciumes-nao-e-amor-e-apenas-um-claro-sinal-de-inseguranca

Ciúmes não é amor! É apenas um claro sinal de insegurança!

Milhares de relacionamentos terminam de forma agressiva e até violenta por conta do ciúmes. Mas muitas pessoas insistem em dizer que uma pitada de ciúmes é ingrediente importante que apimenta a relação e, mantém acesa a chama da paixão.

Talvez você acredite que sentir ciúmes é uma demonstração do quanto você ama e se preocupa com o outro, mas isso tudo é uma grande mentira que você conta para si mesmo que só corrompe o amor e destrói as suas relações.

O ciúmes que te consome dia e noite, apenas prova que você se sente inseguro em relação a si mesmo, e demonstra que você não se dá valor o suficiente para acreditar que alguém possa desejar exclusivamente você.

A necessidade de posse, a raiva que você sente ao perceber que estão olhando para o seu parceiro ou parceira, a roupa que você pede para trocar, a desconfiança que ela(e) possa estar interessado em outro (a) é um claro sinal de falta de amor-próprio.

Deixa eu te contar uma coisa: Ciúmes é a forma que o seu subconsciente tem de gritar bem alto que você se sente desprotegido ou em desvantagem.⠀

Mas, o que você precisa aprender de uma vez por todas é que existem muitas formas de demonstrar o amor, e ciúmes não é uma delas.

Ciúmes não é prova de amor. É falta de conhecimento sobre o que de fato é o amor e, basicamente, é prova cabal da falta de segurança em si mesmo.

Quer provar o seu amor? Prove que você ama o outro com carinho, com presentes, oferecendo um tempo de qualidade, o tocando suavemente, com beijos e abraços intensos, com palavras gentis de incentivo e compaixão, mas definitivamente, não coloque o ciúmes como uma das formas de amar, ou como a sua forma de amar.

Se você já foi engando, ou enganou, se o seu relacionamento com os seus pais é, ou foi, de desonra, desamor e desvalorização, ou apenas com um deles, se você carrega crenças negativas em relação ao sexo oposto, ou em relação a formação de uma família, ou distorce o conceito de casamento você constantemente vai sofrer a dor do amor mal vivido.

Se você desconhece as suas necessidades e não as atende você sempre precisará que alguém te ofereça aquilo que você não se dá: amor.

Se você não trabalha o autoconhecimento nem desenvolve a inteligência emocional, você cria problemas onde não existem, ou se ilude esperando a mudança do outro, cria expectativas irreais, e se sente inseguro quando elas não são atendidas.

E se você não fizer um caminho diferente você é um forte candidato a sofrer muitas marcas dentro de uma relação. Muitas pessoas viveram relações abusivas onde o ciúmes descontrolado causou danos irreversíveis, como exemplo Maria da Penha, que deu nome a lei de proteção as mulheres.

O ciúmes é prova da falta de amor por si mesmo, e quando a gente não se ama, a gente não se percebe, e só tem olhos para o outro, nós entregamos a nossa vida nas mãos do outro, e queremos que ele faça o mesmo, por isso você sente que o ciúmes te cega e adoece.

Quando estamos doente de ciúmes nós acabamos adoecendo o outro, ou, nos casos mais graves, chegamos a violação da vida.

Você pode achar que não conseguirá vencer o ciúmes sozinha, e você pode estar certa nessa ideia, os passos que você precisará dar são desafiadores, mas eu sei que posso te ajudar a trilhar esse caminho se você se comprometer a colocar em prática esses 5 passos:

1 – Admitir o que sente:

O primeiro passo para deixar de ser controlado pelo ciúmes é admitir para si mesmo que você sente ciúmes, e que sentir ciúmes não é normal, nem natural entre os casais.

Você precisa entender que ciúmes é, na verdade, insegurança e falta de amor-próprio, uma completa distorção da verdade do amor.

Ao admitir para si mesmo que você sente algo que te prejudica e fere a individualidade e liberdade do outro, você dá um passo importante para iniciar uma mudança efetiva.

2 – Identificar e querer mudar crenças negativas:

O segundo passo é querer profundamente transformar essa sua forma de sentir o amor.

Você precisará desvendar a sua história até encontrar as raízes dessas crenças negativas que você construiu e vem alimentando ao longo da sua vida a respeito do amor, das relações, do que significa o matrimônio, ou até de como uma mulher ou um homem deve se tratado.

Para isso, você precisará identificar quais são essas crenças e responder porque você se sente assim.

Preste atenção nas frases que você usa para descrever o amor, se você diz coisas do tipo: “tenho o dedo podre”, “nenhum homem ou mulher presta”, “a sina de amar é sofrer”, “casamento é sinônimo de sofrimento e prisão”, “nem vou casar, pra separar depois”, “todo homem trai”, toda mulher é manipuladora”, “não tenho sorte no amor”, e tantas outras, você precisa despertar para a necessidade de criar novas crenças, positivas, e mudar esse diálogo interno.

Não vou te enganar, não é simples, você precisa querer muito, impor uma forte intenção e dar um comando a si mesmo todas às vezes que você se pegar repetindo padrões.

Dizer para si mesmo: “Eu vou criar novas crenças!”, e passar a repeti-las todos os dias te ajudará a se abrir para novas percepções de amor.

Porque se você quer realmente conhecer o amor verdadeiro, você vai precisar se libertar do ciúmes, e para isso, você tem que aceitar o desafio, e se esforçar nesse sentido.

3 – Autoconhecimento: O terceiro passo (que já começou no passo anterior) é buscar o autoconhecimento.

Quando você não se conhece, você passa a acreditar nas próprias mentiras, a se vitimizar, a justificar suas atitudes e comportamentos, e a fugir da responsabilidade dizendo que tudo é culpa do outro. Você simplesmente acredita que ele precisa adivinhar o que você quer, que ele tem a obrigação de atender as suas necessidades, e assim, você passa a fazer uma infinidade de cobranças e exigências ao outro, e mesmo que ele faça tudo, o que é impossível, quase nunca você se sentirá satisfeito.

Você precisa aprender a identificar as suas próprias necessidades e as atender sem precisar exigir que o outro as adivinhe e faça tudo por você!

Durante o processo de autoconhecimento você vai entender que não precisa agradar os outros o tempo todo, nem dizer sim a tudo, se humilhar ou se submeter para receber migalhas de afeto.

Vai entender também que o outro não é a razão da sua vida e nem a sua propriedade, muito menos você tem que ser a razão da vida de ninguém.

Você aprende a acender a sua luz própria e a amar essa luz. Uma vez nessa busca, nunca mais, ninguém, conseguirá apagar. E dessa forma, seguro de si, você não sentirá mais a necessidade de controlar os passos do outro, desconfiar ou temer perder.

Simplesmente porque você perceberá que é possível mudar o foco, e dar novo sentido a sua vida.

Com o autoconhecimento você aprende a dominar os pensamentos sabotadores que, de tempos em tempos, te visitam. E é exatamente quando se aprende a ter domínio sobre eles que adquirimos autoconfiança e fortalecimento pessoal.

4- Despertar para o verdadeiro amor.

Para viver um grande amor você precisará aprender a perdoar o seu passado e honrar a sua história. Seja o que for que tenha acontecido, precisa ser honrado por você.

Você vai precisar aprender a encerrar ciclos e a amar a sua própria companhia.

A medida que você for conseguindo ressignificar essas lembranças de dor com amorosidade, vai retirando a lição, absorva a experiência, e deixe ir aqueles que não mais desejam estar, você verá que esse movimento te fará mais forte.

Para viver o verdadeiro amor você precisa perceber que você não perdeu quando as pessoas saíram da sua vida, não deu certo ou errado, simplesmente, elas fizeram coisas boas e ruins, e aprender a agradecer as boas, e perdoar as ruins do fundo do seu coração é o caminho para encontrar o amor verdadeiro.

Quanto mais você fizer isso, mais forte você vai se sentir. E aos poucos, você vai perceber o amor nascer de dentro para fora, você vai se sentir pronta e inteira para viver uma nova história, vai se sentir completa e vai ver que pode compartilhar a sua felicidade com o outro, mas principalmente, nunca mais vai transferir a responsabilidade para o outro em te fazer feliz.

5 – Procurar ajuda profissional: Esse processo é realmente desafiador, mas com a ajuda de um profissional é completamente possível vencer o ciúmes.

Eu sei o tanto que é difícil desejar um amor seguro, mas sucessivamente sofrer nas mãos de amores vazios. Eu passei por isso, e superei o meu medo de me relacionar praticando esses 5 passos com disciplina e autorresponsabilidade.

Por isso, sei que posso te ajudar a vencer esse sentimento que acaba com o amor e com a harmonia das suas relações.

Vencer as limitações que nos levam a uma vida de sofrimento deve ser a nossa meta de vida.

Quando vencemos a nós mesmos nos tornamos livres e libertamos o outro do nosso amor cativo e distorcido.

O propósito do amor é amar e ser amado, mas sobretudo, se amar e amar o outro como ele gostaria de ser amado, e não como nós gostaríamos de amar.

Se o seu ciúmes não é bem vindo pelo outro, se ele não gosta, se sente invadido e agredido, você precisa buscar ajuda.

Não perca mais tempo vivendo um amor que te faz sofrer e machuca o outro, agende uma consulta por direct no @rhamuche, eu vou te ensinar a se amar e a viver uma amor de verdade.

*DA REDAÇÃO RH. Texto de Robson Hamuche. Foto de Brian Lundquist no Unsplash

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Robson Hamuche é Terapeuta transpessoal com especialização em constelação familiar, compõe a equipe de terapeutas do Instituto Tadashi Kadomoto (ITK). É também idealizador e sócio-proprietário do Resiliência Humana, grupo de mídia dedicado ao desenvolvimento humano, que reúne informação de qualidade acerca de todo o universo do desenvolvimento pessoal, usando uma linguagem leve e acessível.