A vida sempre vai te tratar da mesma forma como você trata a sua mãe!

Existe um provérbio que diz que a vida nos trata como nós tratamos a nossa mãe. Parece balela pensar que o tratamento que damos a nossa mãe retornará a nós na mesma medida, mas não é. É um fato experienciado por todos nós e, eu posso provar, não só com a minha experiência de vida, mas com todos os estudos de caso que já presenciei enquanto terapeuta transpessoal e Constelador Familiar.

Vivi dias ingratos até o instante em que me deparei com esse fato e aceitei a lógica das coisas. Oras, se a minha vida só foi possível por conta da minha mãe, para mim, pareceu óbvio, que tudo estava desandando justamente porque eu não conseguia valorizar a fonte de amor que me proporcionou estar nessa vida.

A partir do momento que, me coloquei como pequeno diante da minha mãe, a honrei e tomei seus talentos em meu coração, tudo na minha vida mudou para melhor.

Bastou esse movimento de honra para que as portas da realização pessoal se abrissem para mim.

Foi como se um portal aparecesse bem diante dos meus olhos, eu pude enxergar a beleza do caminho que eu poderia trilhar se valorizasse a minha mãe exatamente do jeito que ela é.

O primeiro passo para a minha libertação foi parar de julgar a minha mãe.

Eu tirei o foco do que eu “julgava” errado, da forma como eu desejava ser amado e cuidado e, passei a focar em suas qualidades, em seus talentos, dons e habilidades.

No momento em que eu acolhi a sua força, eu me senti forte.

No momento em que eu tomei para mim os seus talentos, eu me coloquei a serviço com amor e pude colher os frutos dessa ação em poucos meses.

Muitos olham para a minha vida e pensam: “Ah, mas ele teve sorte”. E eu costumo dizer que a minha sorte é o resultado de anos de trabalho duro.

Esse trabalho “duro”, ficou mais “mole”, no dia em que eu parei de criticar o amor que a minha mãe conseguiu me oferecer. No dia que eu olhei para ela e a reverenciei, a aceitei como ela é. No dia que eu parei de culpá-la por tudo e entendi que “os pais são os culpados que não tem culpa”, porque eles fizeram o que podiam, com as ferramentas e os conhecimentos que tinham na época e, do jeito como também foram criados.

Liberei as cobranças, alcancei uma compreenssão mais profunda dos fatos, assumi o meu lugar na hierarquia e na ordem, passei a olhar para ela como a mulher grande que ela é, não da maneira que eu gostaria que ela fosse e, disse a mim mesmo: “Essa é a sua fortaleza, receba com amor!”.

E foi exatamente isso que eu fiz.

Minha relação com a minha mãe sempre foi muito difícil e a mesma dificuldade eu sentia em todas as áreas da minha vida, isso só mudou quando eu virei a “chavinha” do julgamento dentro de mim e passei a tratar a minha mãe com respeito, amor e admiração.

Você pode pensar: “Mas a minha mãe fez coisas horríveis para mim, não posso aceitar as situações que vivi ao lado dela”. Eu entendo você! Existem dores difíceis de serem superadas, principalmente, quando quem as cometeu, foi a pessoa que nos gerou e nos colocou no mundo.

O fato é que, se você fizer uma lista com todos os defeitos da sua mãe e na frente desse lista você colocar a palavra vida e, eu te der apenas uma opção de escolha, o que você escolheria?

Foi isso que eu fiz, eu escolhi a vida. Escolhi honrar a vida que ela me deu, da melhor forma que eu conseguisse. E por isso, por conta dessa escolha, eu cheguei onde estou hoje.

LEIA MAIS: A solidão só é desesperadora para quem não a enxerga como liberdade!

Então, tente liberar a dor e vivenciar o amor que existe na sua concepção de vida. Esse amor que te colocou nesse mundo é o amor que você precisa honrar dentro do seu coração.

Deixe de lado as críticas, os julgamentos e a forma como vocÊ gostaria que as coisas fossem. Apenas libere espaço para que você consiga enxergar que, até a pior pessoa desse mundo possui qualidades, até a pessoa mais ignorante detém algum conhecimento, fique com eles, tome todos eles para você, porque são essas qualidades e esses conhecimentos da sua mãe que vão revelar o seu poder interior nessa vida.

A mãe, segundo as Constelações Familiares, se relaciona diretamente com o trabalho, portanto, se você não está feliz com a sua profissão, se trabalha muito e ganha pouco, se não reconhecida, se sofre humilhações no ambiente profissional, tudo isso, revela que você precisa acolher a sua mãe em seu coração.

Assim que você fizer isso, muitas portas vão se abrir, a coragem vai te visitar para que você faça as mudanças necessárias e que são urgentes, a vida vai te sorrir e, depois, muitos vão olhar pra você e dizer: “Ah, mas ela teve sorte!”. Mas só você vai saber que não foi sorte, foi você quem decidiu despertar para o amor, sem o peso dos julgamentos, sem as vontades do ego, sem as distorções que mente cria, sem as carências da sua criança ferida.

Se você sente que precisa de ajuda para superar algum trauma de infância, me chame no direct @rhamuche, eu posso te ajudar!

*DA REDAÇÃO RH. Texto de Robson Hamuche, idealizador do Resiliência Humana, terapeuta transpessoal e Constelador Familiar. Foto de Caroline Hernandez no Unsplash.

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

RECOMENDAMOS









Robson Hamuche é Terapeuta transpessoal com especialização em constelação familiar, compõe a equipe de terapeutas do Instituto Tadashi Kadomoto (ITK). É também idealizador e sócio-proprietário do Resiliência Humana, grupo de mídia dedicado ao desenvolvimento humano, que reúne informação de qualidade acerca de todo o universo do desenvolvimento pessoal, usando uma linguagem leve e acessível.