A calma não sobrevive a escuridão, precisa de luz para se tornar plenitude!

Iara Fonseca
a-calma-nao-sobrevive-a-escuridao-precisa-de-luz-para-se-tornar-plenitude

É preciso calma para seguir vivendo! Um dia de cada vez!

Calma é artigo de luxo na atualidade!

Respirar nunca foi tão essencial quanto agora! Mesmo que pareça redundância! E é! Mas sabe aquele ditado: “O pior cego é aquele que não quer ver!”.

Nós ainda não conseguimos ser gratos para entender o óbvio! O que é e sempre foi essencial para a vida na Terra: o ar!

Mas o ar em seu estado puro depende exclusivamente da natureza para se manter integro!

Mas a natureza depende exclusivamente do homem para se manter viva!

E o homem, hoje, parece que ainda precisa entender que depende exclusivamente dela para definitivamente tudo!

Os carros lotando as ruas, pessoas brotando aos montes, trânsito, correria, barulho, estresse, e a preocupação com tudo que não é essencial fez do homem um ser destrutivo! Que destrói aquilo que é essencial para o manter vivo!

A natureza tão agredida cansou de ter calma com a agitação autodestrutiva dos homens, e à força, nos fez olhar para o que realmente importa!

Será que quando tudo isso passar vamos continuar negligenciando o ar e a calma tão essenciais para a nossa saúde física, mental e espiritual?

Quando cultivo a calma em meu jardim interior me vejo florescendo!

Quando respiro bebo a calma que preciso para seguir vivendo!

Agonizar pela falta de ar é realmente uma experiência destrutiva! Não desejo isso a ninguém!

Quando criança tive crises de falta de ar aguda, o médico dizia que era faringite, mas não tenho certeza. Lembro de poucas coisas da minha infância, mas nunca esqueci da sensação dilacerante de não poder respirar!

Achei que depois dessa experiência passaria a dar mais valor e atenção a esse ato que fazemos assim tão displicentemente no automático!

O fato é que com o tempo a gente vai esquecendo a lição preciosa que recebemos na dor e vamos nos deixando levar pela loucura do “ter que”, que nos afasta de nós mesmos, do que em verdade somos.

Com o tempo nos perdemos de nós mesmos e agora estamos começando a entender que para nos encontrar devemos cultivar a calma em nós!

Calma não se encontra na correria, nem na loucura dos desejos humanos!

A calma só nasce em corações resilientes! Em almas que já deram significado a vida! Que já encontraram a fé verdadeira, aquela que revela o poder da criação e aceita o seu propósito!

A calma não sobrevive a escuridão, precisa de luz para se tornar plenitude!

Ilumine sua casa interior, seu templo sagrado, seu coração!

Ore, medite, respire!

A vida nos brinda com presentes diários, mas a escuridão que as nossas sombras causam em nós, nos impede de sentir e perceber a luz que existe em nós! Quando finalmente conseguimos avistar essa luz, a calma surge e nos faz sentir inteiros, integrados a paz que existe em tudo!

Tente! Se acalme! Você consegue!

Doses diárias de bons pensamentos poderão nutrir em você a esperança que tanto necessitamos para nos manter calmos!

Texto de Iara Fonseca, exclusivo para o RH. É proibida a reprodução desse mesmo com os créditos.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Iara Fonseca
Jornalista, escritora, editora chefe e criadora de conteúdo dos portais RESILIÊNCIA HUMANA e SEU AMIGO GURU. Neurocoaching e Mestr em Tarot. Para contratação de criação de conteúdo, agendamento de consultas e atendimentos online entrem em contato por direct no Instagram.