Uma mente agradecida é uma mente descansada

Uma mente que é capaz de agradecer por tudo que viveu, sentiu e cada coisa que aconteceu ao longo de seu ciclo vital é uma mente que, por sua vez, se permite estar em equilíbrio e relaxada.

Cada um de nós conta com uma história exclusiva e muito particular. Porém, há momentos em que nos deixamos levar por uma espécie de caos pessoal, onde deixamos de lado nossas prioridades até esquecer essa tão necessária paz interior.

Ser grato é uma habilidade por meio da qual aceitamos a nós mesmos e todo o caminho percorrido até o momento.

Quem não possui uma mente grata lamenta suas carências, cada erro cometido, cada fracasso experimentado.

Somos tudo o que já vivemos, um livro maravilhoso e complexo que devemos ler com gratidão, para continuar escrevendo capítulos melhores graças à sabedoria obtida.

A seguir explicamos melhor como fazer isso.

A mente que sabe agradecer e calar o ruído interior

Entendemos o ruído mental como esses mecanismos psicológicos que nos fazem ficar obcecados pelo passado, que alimentam essas atitudes limitantes que repetem uma e outra vez “eu não posso”, “devia ter feito isso”, “devia ter dito aquilo”, ou “eu não vou ser capaz de…”.


De algum modo, todos esses processos internos são aspectos que cada um de nós já vivemos em algum momento.

O estresse ou a ansiedade que são mantidos durante várias semanas ou meses dentro de nós geram esse ruído mental que, pouco a pouco, faz com que nossa capacidade de sermos felizes se apague.

Diante de uma situação de estresse nosso cérebro muda

Uma estrutura relacionada diretamente com nosso mundo emocional é a amígdala cerebral. É uma estrutura pequena, mas muito poderosa.
•Ela está relacionada ao instinto de sobrevivência, como é o caso do medo, e a certos neurotransmissores de grande impacto em nosso organismo e nossa conduta, como são a dopamina, a adrenalina, os glicocorticoides ou a noradrenalina.
•Em situações de maior estresse, a amígdala está mais ativa e libera altas quantidades desses neurotransmissores que vão gerar em nós a impossibilidade de descansar, a vontade de fugir, uma maior preocupação e maior cansaço físico, que chega quase ao esgotamento.
•Um fator que devemos considerar é que uma mente dominada pelos efeitos destes neurotransmissores implica uma impossibilidade de nos conectarmos com nós mesmos.
•Isso se deve ao fato de que a amígdala está vinculada ao córtex pré-frontal, a área onde acontecem nossas decisões, nossa capacidade de reflexão e de análise.

Quanto mais estresse, menor a capacidade de inferir dados para analisar com calma nossas necessidades e estabelecer prioridades.

É algo muito sutil e muito complexo.

Aprender a agradecer para encontrar a calma mental e a felicidade

Como conseguir agradecer pelo que sou e pelo que tenho, se o que sinto agora é tristeza, medo ou desespero? Esse é o principal problema que costumamos ter antes de poder dar o passo em direção à calma interior.

Por isso, é necessário começar a proporcionar pequenas, porém poderosas, mudanças.

Muitos gostarão de saber que nossa mente e, em consequência, nosso cérebro, tem uma capacidade excepcional que às vezes deixamos passar despercebida: a neuroplasticidade.

Basta mudar condutas, começar novos hábitos de vida e aprender a pensar de outra maneira para que nosso cérebro estabeleça novas conexões, se fortaleça, acumule reserva cognitiva e nos permita nos conectar com nossa essência, nosso ser.

Veja como fazê-lo.

•Elimine de seu pensamento o “tempo condicional”, ou seja, a partir de agora ficam proibidas frases como “se eu soubesse disso”, “se eu tivesse aquilo”, “se essa pessoa fizesse ou dissesse aquilo outro”.
•Aprenda a falar com você mesmo no presente: “O que está acontecendo?”, “do que preciso?, “posso fazer isso”, “eu quero”, “eu desejo”, “eu vejo”, “eu sinto”.
•Agora, encha sua mente de pensamentos positivos. Não tenha medo de fazer isso e nem acredite que por fomentar o positivismo você é menos responsável ou objetivo.

Ver a vida de forma positiva nos permite colocar os óculos da felicidade e tratar a miopia do medo, da insegurança.
•Agora, agradeça por cada coisa que tem, que o envolve, que o define. Aprenda a valorizar o que faz parte de você ao invés de lamentar o que não tem, o que passou ou o que ainda não aconteceu.

Quem é capaz de agradecer respira em paz e em tranquilidade.

Tente colocar isso em prática, fomente essa calma interior com a qual unir as partes quebradas e lembrar o quão belo e valioso você é.

FONTEmelhor com saúde
COMPARTILHAR
Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia



COMENTÁRIOS