Que me desculpem os frios, mas compaixão e empatia são fundamentais!

Fabiana Dainese Mauch

Eu gosto de gente que se importa, que sente, que vive, que sofre, que dedica, que chora, que doa!

Em nosso caminho diário, geralmente temos duas opções, podemos seguir adiante sem nos distrair com os problemas alheios ou podemos nos deixar envolver, mesmo que sutilmente e fazer a diferença na existência de alguém, através de gestos simples, singelos, que causarão efeito positivo em ambos, em quem oferece e em quem recebe.

Quando optamos por não nos distrair com os problemas alheios, geralmente é porque estamos focados em nossos próprios dilemas , às vezes tornando-os muito maiores do que realmente são. Perdemos a oportunidade de desprender-nos dos próprios problemas, doando um pouco do nosso tempo, doando um olhar, um sorriso, um bate-papo, etc…

Doar um pouco de si, de diferentes formas, é uma demonstração de altruísmo, exercida nobremente pelos que sentem compaixão a ponto de se desprenderem do egoísmo, medo, preconceito, etc… Há quem consiga sentir apenas profundo desprezo e nenhuma compaixão. As pessoas são diferentes, agem de forma diferente, cada um oferece o que tem, há quem tenha somente desprezo ou indiferença a oferecer. Mas também há quem ofereça muito de si…

Para contextualizar o que vos relato, compartilharei alguns fatos que foram especiais e marcantes, dentre alguns que tive o privilégio de vivenciar.

Era um dia feliz, estávamos no carro, indo celebrar a vida, parados no farol um vendedor de balas se aproxima, olhei em seus olhos e abri o vidro, ele ofereceu as balas, eu recusei, ele insistiu e eu recusei mais uma vez, no ímpeto de seu desespero, ele me disse que lhe faltava uma quantia para pagar seu aluguel, notei o desespero no olhar daquele homem, olhar sincero e triste, não hesitei , comprei-lhe muitas balas, que seriam convertidas em uma pequena parte do que lhe faltava para completar o valor do aluguel, mas que para ele fez muita diferença! Ele, feliz chorava e agradecia.

O farol abriu, o carro saindo devagar, enquanto ele jogava as muitas balas dentro do carro, atirando-as aos punhados, uma cena incrível. Difícil expressar em palavras, tamanho contentamento causado por aqueles poucos segundos! Seguimos nosso caminho, recontando a história a nós mesmos, felizes e gratos. No final do dia em casa, foi uma festa, tínhamos a missão de recuperar as balas, espalhadas pelo carro, uma atividade bem divertida, enquanto relembrávamos o ocorrido….Aquela imagem nunca sairá de nossas mentes e corações!

Eu costumo andar com algumas frutas no carro, se vejo alguém com fome, pedindo nos semáforos , eu abro o vidro e ofereço, já entreguei muitas frutas, até hoje nunca ninguém recusou. É sempre um contentamento fazer algo por alguém, mesmo que pequeno. Já vi pessoas abrirem os seus vidros e oferecerem um alimento ou fruta, após me verem fazendo o mesmo!

O intuito aqui é apenas inspirar e compartilhar algo que faz bem, talvez muitos saibam disto, mas há quem não saiba. Se tocou seu coração, ajude! Se não tocou, não faça nada, mas também não critique!

Esses momentos , são aqueles que acontecem quando você está aberto, deixando-se envolver, não está centrado em si mesmo… e depois que passa, você vai para casa pensando, pois um impacto positivo foi gerado em ambos, foi gerado no ambiente, no universo, e não tenho dúvidas que se propagará infinitamente como um eco na existência dos envolvidos!

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS





Fabiana Dainese Mauch
Apesar de apaixonada por filosofia, psicologia e relações humanas, estudou e trabalha na área de exatas, encontrando na escrita uma forma de se aproximar de suas paixões. Ama pensar sobre a vida e o que podemos fazer para melhorar o mundo e a nós mesmos.

COMENTÁRIOS