Porque pessoas sensitivas não conseguem se relacionar com pessoas falsas

Iara Fonseca

As pessoas sensitivas costumam ser vulneráveis à presença de espíritos ou energias, principalmente, se elas ainda não sabem controlar esse dom. É bastante normal terem fortes pressentimentos e intuições, fator que leva a capacidade de perceber, e também ser afetado, pela energia de outras pessoas.

Na maioria das vezes conseguem sentir o estado de espírito do outro logo quando e aproximam, e ão capazes de captar mensagens que não são normalmente percebidas pelas outras pessoas.

Alguns chamam de Empata, outros de Sensitivo e há ainda aqueles que chamam de Médium Esponja. Mas, na verdade a nomenclatura não é o mais importante. O que realmente importa é identificar as características ou sintomas e aprender a lidar com tal condição da melhor maneira possível.


Eles detectam uma mentira quando contada, essa característica é muito comum entre as pessoas sensitivas. Se uma pessoa lhe diz uma coisa quando na verdade está sentindo ou pensando de outra forma, o empata sempre irá saber. E é melhor confiar nele!

Mas não é só isso, na psicologia e nas neurociências contemporâneas a empatia é uma “espécie de inteligência emocional” e pode ser dividida em dois tipos: a cognitiva – relacionada com a capacidade de compreender a perspectiva psicológica das outras pessoas; e a afetiva – relacionada com a habilidade de experimentar reações emocionais por meio da observação da experiência alheia.

Quando pessoas falsas se aproximam de um empata

As pessoas sensitivas ou empatas se sentem desconfortáveis ao lado de uma pessoa falsa, eles logo começam a sentir tonturas, ânsia, literalmente suas energias são drenadas, e após algum tempo, precisa se retirar porque as enxaquecas, vômitos e desmaios acontecerão fatalmente.
Isso acontece porque a pessoa falsa carrega com ela uma energia muito pesada que é facilmente perceptível por pessoas mais sensíveis.

Comportamentos daqueles que possuem empatia afetiva

◾Ficam com medo exagerado ao assistir um filme de terror,
◾Começam a chorar durante uma situação ou cena triste,
◾Preferem não visitar alguém que esteja triste,
◾Não gostam de multidão,
◾Alguns desenvolvem síndromes como a do pânico,
◾Recebem mensagens que não sabem de onde vieram, mas são certeiras,
◾Amam animais e crianças e ambos se sentem conectados,
◾Durante o sono conseguem fazer viagens astrais impressionantes,
◾Conseguem arranca verdades de pessoas que nem mesmo os conhecem,


Comportamento daqueles que possuem empatia cognitiva

◾São mais racionais, como por exemplo, um terapeuta ou psicólogo clínico ao aconselhar um de seus pacientes,
◾Acabam se aprofundando em estudos científicos e religiosos,
◾Buscam meios de controlar e utilizar o dom de melhores formas, afim de contribuir com outras pessoas e também se ajudar,
◾Trabalham a empatia espiritualmente e, muitas vezes, a leva para o campo profissional,
◾Não são vulneráveis e conseguem controlar suas emoções e sentimentos
◾Não se deixam abater pelas emoções alheias, sabem separar as coisas,
◾Percebem situações e pessoas mal intencionadas, mas não são afetados emocionalmente,

Como aprender a se tornar um empata cognitivo sendo um afetivo

Busque conhecimento! Isso mesmo, não fique tentando abafar esse dom, porque ele surge mais forte e acaba te deixando doente se você não estiver preparado para lidar com ele. Pessoas falsas existe aos montes e você não pode ficar vomitando ou tendo dores de cabeça todo vez que se encontra com uma, ou muito menos, deve se manter afastado da vida social por conta disso. Existem meios de controlar e você precisa aprender, procure formas de trabalhar essa sua capacidade e ajudar outras pessoas com esse dom, trabalhando e estudando você conseguirá, aos poucos, se tornar mais racional e perder esse medo todo.

Muitas pessoas reclamam: Mas por que comigo? Eu não quero ser um sensitivo… Eu tenho medo… Eu não escolhi isso… E assim por diante…

Eu sei que você não escolheu ser um empata

Ninguém escolhe depois que está aqui, escolhe antes… Mas como essa vida é uma escola, e todo empata deve entender isso rapidamente, esse dom ou carma ou lição, como você queira ver, é também uma forma de aprendizado bem modelada, feita perfeitamente para o seu caso e para o que você deve aprender nessa vida.

Muitas pessoas deixam o ego tomar conta e se sentem melhores que os meros mortais porque são sensitivos… Isso acontece quando eles já aprenderam a controlar e já sabem várias verdades do universo… Esse é um grande risco que os empatas sofrem, ao invés de aprenderem o que vieram aprender, acabam adquirindo novas falhas… Mas tudo é um teste da vida, a gente passa, ou reprova e tem que fazer aquela matéria novamente… Simples.

O que o sensitivo veio aprender?

Partindo do pressuposto espírita de mediunidade, faculdade mediúnica não é um dom e nem é uma punição. A mediunidade é uma faculdade orgânica, sendo certo que a pessoa que a possui jamais terá a condição de retirá-la de si. Pode ocorrer, em alguns casos, que essa faculdade fique, por um período, adormecida, mas, quem é médium jamais deixará de ser. E por quê?

Um médium, empata ou sensitivo que não zela pela capacidade que recebeu funciona como uma vela acesa numa sala escura, atraindo insetos à sua volta. Atrai tudo o que se afiniza com seus pensamentos, palavras e ações. Conquista companhias das quais é difícil se livrar.
O conhecimento é única forma de libertação!

Quem tem essa capacidade veio aqui para aprender a trabalhar em favor dos outros, a ser caridoso, e finalmente aprender a importância de se doar com amor ao próximo. Se formos levar em conta a análise espírita, o empata que reencarna com essa tarefa implorou para isso, pediu insistentemente para receber essa chance de trabalhar em benefício do próximo. Chegando aqui, se perde em meio aos prazeres, distrações e preconceitos, e não presta atenção aos apelos que a vida faz para que ele se dê conta das suas características, a fim de que cumpra com o que foi combinado. Não faltam avisos. Durante a vida, muitos avisos, diretos ou indiretos, muitas sugestões e “coincidências” ocorrem para ajudá-lo a lembrar do seu dever… Mas cabe a ele buscar conhecimento e realizar aquilo que precisa ser feito, sem dar vazão ao ego destruidor.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Iara Fonseca
Jornalista, poeta, educadora social, fundadora e editora de conteúdo do Rede de Ideias: PRODUÇÃO DE CONTEÚDO. Seu interior é intenso, sempre foi, transforma suas angustias em textos que ajudam muito mais a ela própria do que a quem lê. As vezes se pega relendo seus textos para tentar colocar em prática aquilo que, ela mesma, sabe que é difícil. Acredita que viemos aqui para aprender a ser, a cada dia, um pouco melhor, para si mesmo, e para o outro!

COMENTÁRIOS