OS SAPOS QUE NÃO ENGOLIREMOS MAIS

Muitas vezes, nos sentamos no restaurante da vida e recebemos na mão um imponente cardápio. Nele milhares de pratos se figuram, contudo para nossa infelicidade, em muitos, um ingrediente parece se destacar: o sapo.

Sapo ensopado, sapo assado, sapo grelhado, sapo enlatado. O sapo pode nos vir de muitas formas e é tanto sapo para ser engolido nos dias de hoje que tem gente tomando sapo como algo usual, e se por um instante esquecemos quem somos e nos rendemos ao impulso de ser o que os outros esperam que sejamos, de fazer o que esperam que façamos, o sapo nos desce raspando garganta abaixo.

Em diversos momentos, para tornar a situação ainda mais inapropriada, não basta saborear o exótico, precisamos dar um sorriso forçado de satisfação, num falso agradecimento que faz gritar a nossa verdadeira essência.

Daí, voltamos para nossa casa com uma dor de cabeça horrível e com uma sensação de que algo não nos caiu bem.

É importante frisar que ao falarmos de sapos estamos, também, falando de algo muito sutil, contudo, de extremo impacto em nosso âmago. Apontamos o dedo para o que podemos chamar de abuso emocional, uma condição que, inevitavelmente, acompanha todo sapo.

O termo “engolir sapos” nasceu, provavelmente, de uma passagem bíblica na qual o sapo (rã) é descrito como uma das pragas do Egito. Nessa passagem, aos milhares, eles aparecem em todos os lugares: quartos, salas, cozinhas e até nos pratos dos habitantes. Dessa forma a expressão “engolir sapo” passou a significar suportar uma situação desagradável sem expressar reação, como se impossibilitado de lutar contra ela.

O mal estar causado pela ingestão de um ou mais sapos, pode se arrastar por horas, quiçá dias.

Vale lembrar que esse desconforto geralmente indica que, em determinado momento, demos passos no sentido de nos afastar de nossas verdadeiras aspirações, que fomos subjugados emocionalmente.

Dessa forma, para que possamos identificar aqueles que adoram servir sapos todas as vezes em que nos encontram, elaborei uma lista de potenciais especialistas nessa modalidade culinária bastante indigesta:

1 – O cobrador e seus sapos culposos – Toda vez que o encontramos, ele nos cobra. Nos cobra por tudo e por todos. Cobra explicações por não o termos visitado antes, por não termos ligado, por não termos atendido a sua ligação e se por um instante ponderarmos sobre suas cobranças estaremos engolindo um sapo. O cobrador sempre nos coloca em uma posição de devedores e, inevitavelmente, faz com que nos sintamos mal. Para lidar com essa pessoa, o mais indicado é responder-lhe com a mesma pergunta e se esquivar de suas chantagens.

2- O crítico e seus sapos desdenhosos – O crítico está sempre acostumado a criticar (de forma negativa) tudo e todos. Nenhuma pessoa é boa, nenhuma situação é aceitável. O crítico sempre parece estar sobre um pedestal de onde aponta seu dedo e julga o mundo. O importante é que não concordemos com ele, dessa forma quebraremos sua linha de pensamento sombria e assim, quem sabe, até mesmo possamos trazer para essa pessoa uma nova visão de mundo.

3- O puxa-sapo, opa, quero dizer puxa-saco bajulador – Para ele tudo que importa é exaltar o quanto somos maravilhosos em tudo que fazemos. O puxa-“sapo” é alguém que inevitavelmente vai querer algo em troca de todo seu préstimo. E esse em troca pode ser uma situação que o beneficie ou até mesmo nos ver em apuros, algo que poderia fazê-lo se sentir extremamente necessário. O puxa-saco nos incuti a falsa idéia que temos uma dívida com ele por sua servidão desmedida. Nesse caso é importante que questionemos suas razões para tanto apreço, ele certamente não vai ter muitas respostas, contudo saberá que podemos ver além. Isso provavelmente o fará mudar de postura ou simplesmente ir embora.

4- O opositor que adora sapos descontentes – O opositor é aquele que se opõem a tudo. Ele á a pedra no caminho de muitos de nós. O novo é quase sempre repudiado como algo profano. O fazer diferente é engavetado na hora. Para ele devemos caminhar por trilhas tortuosas até encontrarmos algum conforto e felicidade. Se o caminho está fácil para nós, ele vai providenciar muitos aborrecimentos. Dessa forma é importante que olhemos para o opositor com atenção, não para mudá-lo, mas para que possamos saber de onde virá a próxima armadilha. Não é sensato seguir seus conselhos ou acatar suas ordens.

5- O perguntador mal intencionado e seus sapos oportunistas – O perguntador é aquele que mal nos encontra e já dispara um milhão de perguntas sobre aquele assunto delicado, no qual não queremos falar. O perguntador também adora destruir projetos promissores, perguntando até que haja alguma hesitação de nossa parte, algo que o deixaria exultante, como se nos tivesse provado que nossos planos não são válidos. O perguntador quase sempre assume uma postura de superioridade. Não devemos aceitar a posição a qual ele se deu ao nos confrontar. É importante que retribuamos seus questionamentos com outros questionamentos e que não lhe ofertemos respostas como se lhe devêssemos alguma explicação.

6- O choroso que adora sapos melodramáticos – O choroso é aquele que nos encontra e não nos dá chance de interagir com ele. Ele não se importa em também ouvir nossas razões ou ponderar sobre elas. O choroso adora fazer monólogos longos acerca de suas decepções. Ele está sempre para baixo e a vida é muito injusta com ele. Ele adora se vitimizar e quer toda nossa atenção e piedade. É bom não se deixar envolver por suas lamúrias, nessas horas o melhor é usar de sinceridade e dizer realmente o que pensamos sobre tudo aquilo e dessa forma abreviar toda essa lamentação.

7- O Encrenqueiro e seus sapos raivosos – O encrenqueiro certamente tentará incutir em nós o sentimento de ódio e o desejo de vingança. Ele contará uma história na qual tentará nos obrigar a comprar suas brigas. Não devemos cair em suas artimanhas. Cada pessoa é uma pessoa e existem situações as quais não nos dizem respeito. O ideal é que mantenhamos a calma e deixemos claro que não nos envolveremos em questão alguma.

8- O que deprecia e os sapos lacrimosos – Essa pessoa adora nos colocar para baixo. Tudo que fazemos não é o suficiente para ela. Sempre que pisamos em falso ela está lá para dizer quão incompetentes somos. Não devemos nunca acreditar nela. Ela adora ter a supremacia de tudo e quer ressaltar nossos defeitos para nos enfraquecer. É muito importante que saibamos de nosso valor para lidarmos com situações que envolvam depreciadores.

9- O manipulador e os sapos oprimidos – O manipulador sempre tenta fazer com que tomemos as decisões que ele julga serem as mais corretas para nós. Muitas vezes tem a hábil capacidade de nos fazer crer que fomos nós que tivemos determinada ideia. A manipulação é um sapo bastante indigesto, ela nos oprime, nos traz culpas e faz com que lutemos contra nossa própria essência. Rebatamos as manipulações e deixemos claro que a ladainha contada não nos convenceu. A princípio o manipulador nos odiará, contudo com o tempo pensará duas vezes antes de decidir sobre nossa vida. É importante sempre delimitar o espaço que cabe ao manipulador e deixá-lo restrito a esse perímetro.

10- O falso interessado e seus sapos de duas faces – O falso interessado é aquele que se aproxima para colher informações. Quanto mais partilharmos de nossa vida, pior será, pois ele usará tudo que sabe sobre nós contra nos mesmos. Fujamos desses sorridentes amigos da onça, eles certamente trarão muitas dores de cabeça.

11- O mártir e seus sapos inflados – O mártir é aquele que sempre enumera todos seus pseudo-sacrifícios em prol da “nossa” felicidade. Ele sempre cita todas suas façanhas e exige que seja tratado como rei. Tudo o que ele faz é o máximo e quando o que ele acreditou ser o melhor é o pior para nós, ao saber de nosso descontentamento e tristeza, ele se põe a chorar, lastimar e ofender. Fala de nossa ingratidão e apresenta ataques de fúria. Não caiamos em seu jogo, não sintamos remorso pelas decisões que nunca foram nossas. Para cortar esse ciclo o ideal é que não aceitemos seus favores, seus tão grandes sacrifícios, para que não sejamos cobrados injustamente por eles no futuro.

12- O falso frágil e seus sapos doentes – O que se diz frágil é aquela pessoa que usa de suas limitações para impor suas vontades. Ela teve uma dor no peito e desde então não pode ser contrariada. Ela tem pressão alta e não pode se aborrecer sendo confrontada por alguma verdade. Contudo insiste que devemos fazer tudo da forma como acha melhor. Ela não quer que saiamos, então ensaia um quadro de fragilidade física, para que sintamos remorso por deixá-la em casa. O falso frágil usa muito da manipulação para impedir que possamos lhe dizer algo que o contrarie. Geralmente sua aspiração é que não tenhamos vínculos para viver em função dele. O ideal é que não deixemos de tocar nossa vida por conta de suas chantagens emocionais.

Citei doze tipos de pessoas que nos colocam em situações difíceis, contudo, para nossa tristeza, existem mais tipos que são indigestas no mundo e, muitas vezes, elas são uma mescla de um ou mais tipos.

Antes de mais nada é importante que nos conheçamos profundamente. Que saibamos quem somos, quais nossos ideais, e o que realmente importa em nossa vida, para lidarmos com os sapos e seus abusos emocionais.

Só assim saberemos tratar as situações delicadas, vulgo saias justas, as quais a vida nos impõe. É importante que saibamos que a ideia que nada pode ser mudado é também um ingrediente que acompanha o sapo. Acreditem, por mais difícil que pareça as coisas podem mudar para melhor se acreditarmos que temos força para enfrentar a situação.

Quase todos os tipos de pessoas que nos colocam em situações desagradáveis visam nos tirar de nosso caminho e desejam que deleguemos a eles as rédeas de nossa vida.

A vida nossa apenas a nós cabe e as decisões por ela devem ser tomadas por nós em comunhão com aqueles que nos amam de verdade, os quais também amamos e em quem confiamos.

Não é indicado que sopremos aos quatro ventos as coordenadas do nosso eu mais profundo, para que não sejamos alvejados por aqueles que ainda não descobriram o real sentido de querer bem, do real apreço, do desejo sincero de felicidade plena.

Os ofertadores de sapos quase sempre se julgam bons, muitas vezes sabem que não são, mas em muitos casos se alimentam de seu próprio autoengano. Não nos deixemos alimentar também por eles.

Engolir sapos exige que sejamos passivos frente a uma situação tortuosa, dessa forma agir de forma reflexiva e sensata é o primeiro passo para que o nosso cardápio da vida seja recheado de muitas gostosuras e de surpresas agradáveis, com novos ingrediente e sabores que podem nos levar sempre à frente!

Acompanhe a autora no Facebook em Vanelli Doratioto – Alcova Moderna.

COMPARTILHAR
Vanelli Doratioto
“Palavras são mágicas, são como encantamentos sublimes que nos levam para onde quisermos, seja esse onde um lugar, um conceito ou uma pessoa”. (Vanelli Doratioto) Minha Página no Facebook: (www.facebook.com/vanellidoratioto) Meu instagram: (https://www.instagram.com/vanellidoratioto)



COMENTÁRIOS