8 aprendizados que tive sobre as tempestades que enfrentei

Gabi Barboza

Chamo de “tempestades” os grandes problemas que enfrentei. Isso não inclui problemas de saúde. Falo dos desafios do nosso cotidiano. Das situações que a vida nos impõe ou nós criamos. Ao enxergar os piores desafios como ciclos de crescimento e aprendizado, consegui enxergar a saída.

Ao ver esses problemas como o que são, ciclos, fica mais leve passar por eles. Cada desafio que você enfrenta hoje, é uma oportunidade de aprendizado. E se for algo que está se repetindo em sua jornada, o motivo é simples: você ainda não aprendeu com essa situação.

Reclamar não adianta. Fazer mandinga menos ainda. Fingir que não é nada, só piora as coisas. Os desafios não têm que ser ignorados e sim, encarados de frente. Com coragem e ousadia.

Passei por muitas tempestades na vida e separei 8 aprendizados que tive durante ou depois cada uma. Foram situações pesadas, que julguei não conseguir vencer. Que pensei que fosse o fim da linha. Como dividi com alguns amigos e foi útil, decidi escrever sobre eles.

Vou compartilhar com vocês os 8 aprendizados:

1. Chorar alivia

Há quem diga que “quem chora é franco”. Outros defendem que “só os fortes choram”. Não entro nessa discussão. Chorar diante de um problema é uma forma de aliviar a tensão e de desabafar. Está liberado chorar.

2. Vai passar

Durante a minha adolescência, quando passava por algo complicado, meu Avô sempre me falava isso “vai passar, minha filha, tu vai ver, isso vai passar”. Naquele tempo era coisas simples como uma nota ruim em uma prova na escola. Mas sempre me lembrava disso durante as tempestades de verdade da vida adulta. E olha, fez muita diferença.

Temos a péssima mania de achar que os problemas que vem sobre a nossa vida ou que criamos, chegaram pra ficar. A menos que seja uma doença terminal, sem tratamento ou alguma opção de saída; não é algo permanente. Vai passar, acredite.

3. Você só enfrenta o que pode suportar

Se você teve que trancar a faculdade por estar desempregado (a). Está com contas atrasadas, boletos vencidos. Lembre-se: você só enfrenta o que pode suportar. Você pediu demissão em uma péssima hora e não sabe se fez o certo. Está deprimido (a) e pensativo (a) sobre a situação que criou. Nunca se esqueça: você só enfrenta o que pode suportar.

4. A tristeza é melhor conselheira que a alegria

Quando estamos eufóricos, temos atitudes que não são as melhores. Avaliamos pouco os riscos e o resultado pode ser horrível. Isso é provado quando jovens bebem, batem o carro e morrem. A tristeza é melhor conselheira. E durante uma situação de desafio, ela nos visita com muita frequência. Permita-se sentir essa tristeza e tome decisões tendo ela como parceira.

5. Alguns “amigos” somem mesmo

Aquela pessoa amiga que era tão presente, pode sumir. Nem perca tempo indo atrás. É que essa pessoa nunca foi amiga, de fato. Era aquela coisa de “parceria só pra festas”, sabe? Nem compensa ficar se martirizando com isso.
Aliás, ainda que você tenha criado essa tempestade, não se martirize. A vida e as pessoas já nos julgam mal o suficiente. Não precisa fazer isso com você.

6. É gostoso vencer uma tempestade

Não sou masoquista, muito menos gosto de sofrer. Mas que é uma delícia olhar pra trás e pensar “eu venci isso também”, é. Só quem venceu situações que julgou não ter capacidade, sabe como é esse gosto.

7. Saímos mais fortes dessas tempestades

Por achar que não vamos vencer, por encontrar formas de sair disso, por vermos a força que achávamos que não tínhamos. Sim, saímos mais fortes. Mais experientes. Mais confiantes. Mais maduros.

8. Claro: depois da dificuldade vem a bonança

É verdade, ela vem mesmo! Só não ache que depois da bonança vem a dificuldade, senão você enlouquece. Depois desse ciclo de crescimento gerado por um problema, você vai relaxar com um período de paz.

Você terá aprendido o que aquele ciclo de vida te trouxe.

Está enfrentando uma situação complicada? Continue respirando. Não jogue a toalha e internalize esses aprendizados. Tente colocá-los em prática. Faça uma estratégia para sair disso.

Situações complicadas que a gente se pergunta “o que eu fiz pra merecer isso?”. Que nos fazem pensar “eu não vou conseguir”. As tempestades são belas oportunidades de aprendizado e crescimento. Vença a sua!

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Gabi Barboza
É graduanda em Psicologia, tem 32 anos. Como o que faz o mundo dela girar, são as pessoas, trabalha com Recursos Humanos. É mineira, bem casada com um Gaúcho lindo. Mora em Porto Alegre desde 2012. Está sempre lendo e ama escrever. Se sente rica, por ter vários livros em uma estante que é o seu tesouro. Ama se engajar em causas sociais, crê que a única coisa que levamos desse mundo, é o que plantamos. E que as boas obras, são fundamentais.

COMENTÁRIOS