Você se apaixonou por uma pessoa ou por uma ilusão?

Resiliência Humana

Já aconteceu de, depois de alguns anos, diferentes comportamentos e hábitos do seu parceiro começarem a incomodá-lo? Ficar com os pés em cima da mesa, ser tão irônico… Mas se olharmos para trás, já conhecemos essa pessoa sendo assim, o que acontece é que tudo isso passava despercebido. A razão é que nos apaixonamos por uma ilusão.

A fase da paixão pode causar estragos reais. Ela nos torna cegos e tira nossa razão ao ponto de sonharmos que somos capazes de fazer qualquer loucura pela outra pessoa. Alguém a quem vemos como perfeito. Mas o que não estamos percebendo é que isso não é real. Essa perfeição só existe em nossos pensamentos. A realidade está sendo adulterada por nossas emoções, expectativas e ilusões. Não é como estamos vendo.

Quando acreditamos que uma pessoa mudou com o tempo, o que devemos considerar é se a vimos como ela é desde o início. O mais provável é que a resposta seja um “não”. Durante o início de qualquer relacionamento, criamos uma imagem que nos faz perceber uma beleza, perfeição e maravilha incomparáveis.

Ninguém é perfeito, isso nós deveríamos assumir. No entanto, essa imagem da outra pessoa que criamos em nossa mente, resultado de uma profunda paixão, passa a fazer parte da nossa realidade durante esse tempo. Assim, acabamos acreditando em nossa própria mentira, ignorando qualquer atitude que nos incomoda ou que não nos agrada. Na verdade, essa é uma das razões pelas quais muitas pessoas repetem padrões de relacionamentos prejudiciais.

“Melhor ser livre. Melhor estar sozinho e sair para um passeio nesse monte de nada, do que continuar se agarrando a falsas ilusões e acordar mais tarde em um punhado de sonhos desfeitos…”.
-Edwin Vergara-

A história de João

João estava muito confuso e cansado. Tinha dúvidas entre continuar com o relacionamento ou terminá-lo completamente. Tudo explodiu. De repente, parecia que nada lhe agradava na outra pessoa. Suas reclamações, suas manias… Tudo o contorcia. Ele queria ver a situação a partir de outra perspectiva para ver o que realmente acontecia, mas era incapaz de fazer isso.

O que aconteceu com João foi que no começo tudo era maravilhoso. Via seu parceiro como um ser lindo, perfeito, responsável e muito bom. No entanto, com o tempo e sem saber muito bem por que, tudo foi transformado. A pessoa por quem ele se apaixonou teve dias muito ruins que, para João, foram insuportáveis. Mudanças de humor, reclamações absurdas…

A parceira de João não estava confortável com o relacionamento ou não sabia como administrar o que acontecia do lado de fora, como o seu estresse no trabalho. No entanto, o problema era que, quando João falava com seus amigos sobre essa situação, parecia se referir a duas pessoas totalmente diferentes. Tanto que, na realidade, nem existiam. Eles não eram reais.

João não via sua parceira como ela era, ele nunca a viu. No início, a ilusão que ele tinha com o relacionamento só lhe permitia ver alguém perfeito. Seus sentimentos impediram que ele visse qualquer defeito. Agora, ele não estava vendo sua parceira como ela era. Suas emoções o pararam novamente. João nunca soube com quem ele realmente estava.

Estar apaixonado por uma ilusão impede que você veja a outra pessoa como ela é.

Aprender a ver os outros como eles são é difícil, mas não impossível. É verdade que com um amigo geralmente não temos tantas expectativas quanto com um parceiro? O mesmo vale para os irmãos, se os tivermos. Nós vemos essas pessoas como elas são, com suas luzes e sombras.

No entanto, quando começamos um relacionamento com outra pessoa, geralmente vemos apenas suas luzes. Mas, com o tempo, nos concentramos apenas em suas sombras. Isso causa uma bagunça e faz com que o relacionamento seja transformado de maneira muito dramática.

O importante é estarmos cientes de que quando nos apaixonamos, a imagem do outro é distorcida em direção à perfeição. Saber que isso acontece e levar isso em conta durante esse período abre a porta para a outra realidade, aquela em que a pessoa é um conjunto de luzes e sombras. Além disso, é importante ter em mente que assim como o outro tem certas atitudes e comportamentos que amamos, também haverá outros que não compartilhamos.

Não devemos nos culpar por termos nos apaixonado por uma ilusão. Muitas das nossas crenças sobre o amor romântico fazem com que isso aconteça dessa forma. Mas, no momento em que percebemos isso e estamos conscientes, podemos fazer algo para mudar. Você já se apaixonou por uma ilusão alguma vez?

FONTEA Mente á Maravilhosa
COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS







COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia