Trabalhar mais de 55 horas por semana aumenta o risco de morte, diz estudo da OMS

Resiliência Humana
trabalhar-mais-de-55-horas-por-semana-aumenta-o-risco-de-morte-diz-estudo-da-oms

Trabalhar mais de 55 horas por semana aumenta o risco de morte, diz estudo da OMS

Trabalhar mais de 55 horas por semana aumenta o risco de morte por doença cardíaca e derrame, de acordo com um estudo da Organização Mundial da Saúde (OMS) e da Organização Internacional do Trabalho (OIT).

A OMS reconheceu que “muitas empresas foram obrigadas a reduzir suas atividades para economizar dinheiro e as pessoas que continuam na folha de pagamento tiveram que adotar jornadas de trabalho mais longas”.

Esta análise global de mortes e danos humanos associados a longas horas de trabalho foi intensificada à medida que a pandemia de coronavírus acelerou as mudanças na jornada de trabalho daqueles que permaneceram em seus empregos. No entanto, de acordo com o portal Milenio, o estudo publicado na revista Environment International não se refere à pandemia, mas aos anos anteriores. Os autores sintetizaram dados de dezenas de estudos com centenas de milhares de participantes.

“Trabalhar 55 horas ou mais por semana representa um grave perigo para a saúde” , destacou a Dra. María Neira, diretora de Meio Ambiente, Mudanças Climáticas e Saúde da OMS.

“É hora de todos nós, governos, empregadores e trabalhadores, finalmente reconhecermos que longas horas de trabalho podem causar mortes prematuras”, acrescentou ao portal.

O estudo conclui que trabalhar 55 horas ou mais por semana está associado a um risco 35% maior de derrame e 17% de morte por doença cardíaca isquêmica, em comparação com uma pessoa que trabalha entre 35 e 40 horas por semana.

A OMS e a OIT estimam que 398.000 pessoas morreram de derrame e 347.000 de doenças cardíacas em 2016 devido ao trabalho de pelo menos 55 horas por semana.

Entre 2000 e 2016, o número de mortes devido a doenças cardíacas relacionadas a longas horas de trabalho aumentou 42 por cento, subindo para 19 por cento para acidentes vasculares cerebrais.

A maioria das mortes registradas ocorreu em pessoas de 60 a 79 anos que trabalhavam 55 horas ou mais por semana quando tinham entre 45 e 74 anos.

“Embora se saiba que cerca de um terço do total estimado de morbidades relacionadas ao trabalho seja atribuído às longas jornadas de trabalho, a realidade é que é o primeiro fator de risco para doenças ocupacionais”, resumiu a OMS.

“Não encontramos nenhuma diferença entre os sexos no que diz respeito ao efeito das longas jornadas de trabalho sobre a incidência de doenças cardiovasculares”, disse Frank Pega, especialista da OMS em entrevista coletiva.

Mesmo assim, a morbidade é particularmente elevada entre os homens, com 72% dos óbitos por essa causa, visto que representam grande parte dos trabalhadores no mundo.

A situação é mais grave entre as pessoas que vivem nas regiões do Pacífico Ocidental e do Sudeste Asiático, onde os trabalhadores informais são forçados a trabalhar longas horas, explicou Pega.

Aumento do trabalho durante o confinamento

A OMS estava preocupada com o aumento do número de pessoas que trabalham longas horas, que atualmente representa 9 por cento da população mundial.

E a pandemia não deve fazer muito para reverter a tendência. Pelo contrário.

“O teletrabalho se tornou a norma para muitas atividades, muitas vezes confundindo as fronteiras entre casa e trabalho. Além disso, muitas empresas foram forçadas a cortar ou interromper suas atividades para economizar dinheiro, e as pessoas que mantêm sua folha de pagamento são demitidas. Por mais tempo horário de trabalho”, disse Tedros Adhanom Ghebreyesus, Diretor Geral da OMS.

Ele advertiu que “nenhum trabalho vale o risco de derrame ou doença cardíaca. Governos, empregadores e trabalhadores devem concordar em estabelecer limites que protejam a saúde dos trabalhadores”.

Citando um estudo do National Office for Economic Research em 15 países, Pega indicou que “o número de horas de trabalho aumentou cerca de 10 por cento durante o confinamento.”

O teletrabalho dificulta o desligamento dos trabalhadores, disse Pega, que recomendou a organização de períodos de descanso.

*DA REDAÇÃO RH. Foto de Yasmina H no Unsplash

strong>VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia