Tire a laranja podre do meio das boas e aproveite apenas o lado bom que a vida tem te oferecido.

Idelma da Costa
tire-a-laranja-podre-do-meio-das-boas-e-aproveite-apenas-o-lado-bom-que-a-vida-tem-te-oferecido

Tire a laranja podre do meio das boas e aproveite apenas o lado bom que a vida tem te oferecido.

A grande verdade é que nunca seremos 100%.

Vocês já ouviram o ditado popular: “sorte no amor, azar no jogo”, ou vice-versa.

Pois é.

Quanto mais eu vivo, mas percebo que é bem assim.

Quando estamos felizes e realizados profissionalmente, podemos esperar que algo não irá bem na vida pessoal, principalmente na vida amorosa.

Quando estivermos passando por períodos de turbulência na vida profissional, podemos esperar felicidade na pessoal, especialmente a amorosa.

É sempre assim… Ainda bem, não é mesmo?

Quando um lado não está bom podemos contar com o outro lado que vai de vento em poupa para dar um suporte para não desanimarmos de vez e para dar aquela equilibrada básica.

Se um setor da vida não está lá essas coisas,não dê importância em demasia, pensando apenas negativo.

Dê o seu melhor e deixe-o de lado.

O tempo se encarrega de ajeitar as coisas naturalmente sem precisar do desgaste desnecessário.

Não coloque mais peso do que já existe.

Dê um tempo dos assuntos negativos e aproveite o lado que vai de vento em polpa.

Faz bem! E como faz!

Aprenda a separar uma coisa da outra.

Tire a laranja podre do meio das boas e aproveite apenas o lado bom que a vida tem te oferecido.

Sempre haverá a laranja podre e é fundamental que você saiba como proceder.

A ordem é para sermos felizes e pronto.

Se para isso precisarmos de um tempo de isolamento e recolhimento para fortalecimento até as coisas se ajustarem e daí?

Você tem esse direito.

Para se sentir bem com tudo o que você pensa não ser bom, buscar um meio para o equilíbrio é fundamental, mesmo que todos fiquem sem entender.

Só você sabe o tamanho da sua dor e mais ninguém.

Aliás, apenas você sentirá na pele.

Para superar os desafios inerentes à vida, vale qualquer sacrifício.

É necessário para conseguirmos seguir em frente.

Não é brinquedo não.

Não se preocupe, se o meio que você escolheu não ser o ideal.

Você não tem a obrigação de ser perfeito sempre, principalmente numa fase de adaptação ao “ruim”.

Poupe suas energias para vencer os obstáculos que aparecerem pela frente.

Buscar a paz interior no período de tumulto externo é de suma importância.

É ela que te sustentará.

Aproveite para fazer uma faxina espiritual, jogando para fora tudo que tem guardado há “séculos”.

Se precisar falar algumas verdades, diga.

Se precisar se silenciar, faça isso.

Se precisar meditar, medite.

Se precisar de ajuda de algum profissional, procure.

Se precisar se afastar, afaste.

Se precisar chorar, chore.

Cultive o amor próprio. Isso não é ser egoísta. E não se esqueça de aproveitar o lado bom.

Dê o seu devido valor, pois é esse que fará com que a vida faça sentido.

Com relação ao lado ruim, apenas confie.

Vai passar.

Fé e pensamento positivo de que tudo acontece para o nosso bem.

No final, tudo se ajeita, mesmo que ficamos no início, revoltados e sem entender.

Momentos bons e ruins fazem parte.

É a vida.

Descomplique.

Mude o foco.

O simples fato de estarmos vivos já é o nosso maior presente.

Seja grato e ponto final.

Procure sempre viver com alegria e paz no coração e para isso a consciência tranquila é o que conta.

O resto é resto.

Vida que segue.

*Foto de Omid Armin no Unsplash

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Idelma da Costa
Idelma da Costa, Bacharel em Direito, Pós Graduada em Direito Processual, Gerente Judicial (TJMG), escritora dos livros Apagão, o passo para a superação e O mundo não gira, capota. Tem sido classificada em concursos literários a nível nacional e internacional com suas poesias e contos. Participou como autora convidada do FliAraxá 2018 e 2019 e da Flid 2018.