Terminar um relacionamento e reconciliar repetidamente: um hábito positivo ou prejudicial?

Devemos deixar claro que é melhor deixar alguns relacionamentos enterrados no passado.

Resiliência Humana

Por: Jennifer Delgado

Crônica de uma Morte Anunciada. Assim, Gabriel García Márquez teria definido a relação de Miley Cyrus e Liam Hemsworth. O casal, que se conheceu durante as filmagens de “The Last Song”, quebrou infinitamente. Sua história de amor e desgosto já dura dez anos, uma década cheia de idas e vindas, reconciliação que poderia ter chegado ao fim – ou talvez não.

Seu modelo de relacionamento, no entanto, não é único. Eles dizem que onde havia chama, cinzas permanecem, por isso não deveria ser surpreendente que idas e vindas sejam relativamente comuns em casais. 37% dos casais que vivem juntos e 23% dos casamentos reconhecem ter quebrado e reconciliado, de acordo com um estudo publicado no Journal of Social and Personal Relationships. Esse tipo de relacionamento é conhecido como casais intermitentes ou cíclicos. A pergunta de um milhão de dólares é: eles estão esperançosos ou estão apenas prolongando a agonia?

As razões mais comuns para separação e reconciliação

Cada casal é diferente. Mas as razões que levam à ruptura não diferem muito. Os casais intermitentes são separados pela distância emocional que foi estabelecida, porque um dos membros violou a confiança do outro ou por uma incompatibilidade geral manifestada através de lutas freqüentes, de acordo com um estudo publicado na revista Social Psychological and Personality Science. A infidelidade foi a causa da ruptura em 38% dos casos.

No entanto, apesar das emoções negativas e da deterioração do relacionamento, 49% das pessoas que consideraram a separação continuaram a experimentar sentimentos contraditórios sobre sua decisão. Essa ambivalência prevê a possibilidade de se reconectar após uma separação.

Esse mesmo estudo revelou que geralmente retomamos um relacionamento porque somos otimistas e esperamos que nosso parceiro mude, devido ao investimento emocional que fizemos, aos compromissos familiares assumidos e ao medo da incerteza decorrente da separação. De fato, 66% das pessoas reconheceram que mantêm seu relacionamento como um casal devido à intimidade e dependência que desenvolveram ao longo do tempo.

O custo de ciclos de rupturas e reconciliações

Tomar uma segunda chance – ou uma terceira – nem sempre é prejudicial, a menos que problemas sérios tenham ocorrido no relacionamento, como comportamento abusivo. O problema surge quando as razões para a reconciliação não são adequadas.

Não é conveniente retomar um relacionamento apenas porque não temos vontade de ficar sozinhos, porque temos medo de não encontrar outra pessoa ou porque sentimos falta dos hábitos construídos juntos. A desculpa de que um mal conhecido é melhor do que um bom conhecimento não nos levará muito longe em um relacionamento.

Há pessoas que se sentem tão desconfortáveis com as mudanças e incertezas que, embora o relacionamento tenha acabado mal, eles preferem retornar ao conhecido. Assim, eles caem em um ciclo tóxico de rupturas e reconciliações. Na verdade, os casais intermitentes reconhecem que experimentam um maior grau de incerteza sobre o futuro de seu relacionamento e se sentem menos satisfeitos, em comparação com aqueles que mantêm um relacionamento estável, de acordo com uma pesquisa realizada na Universidade Estadual do Kansas.

Cada ruptura e os problemas que a precedem implicam que o casal mergulhe em estágios cíclicos de conflitos marcados por tensão e angústia emocional, algo que acaba prejudicando o nível psicológico e físico, causando grande desgaste pessoal. Brigas e discussões também muitas vezes deixam feridas emocionais que ardem e podem levar muito tempo para cicatrizar.

Além disso, cada separação pode ser um golpe para a pessoa, deixando-o com um gosto de fracasso na boca que pode prejudicar sua autoestima. Quando essas separações e reconciliações se tornam a norma, podemos sentir que vivemos numa montanha russa emocional, como se não tivéssemos controle sobre o que acontece, o que cria uma incômoda sensação de incerteza e insegurança.

Devemos ter em mente que, se o relacionamento não funcionou na primeira vez, algo precisa mudar para que funcione pela segunda vez. Se nada mudar, os mesmos conflitos que originaram a separação reaparecerão, o que levará a um círculo vicioso no qual corremos o risco de nos prejudicar mais.

Todas as segundas chances não são ruins

Embora a coisa mais sensata seja geralmente ficar longe de uma velha chama que decidimos extinguir, algumas pessoas decidem se dar uma segunda – ou terceira chance. Sempre que há amor e compromisso com a mudança, a reconciliação pode funcionar ou mesmo fortalecer o casal. Celebridades como Justin Timberlake e Jessica Biel ou Pink e Carey Hart deram a si mesmas segundas chances que parecem ter se concretizado, formando uma sólida família.

Se você está considerando dar ao seu ex-parceiro uma segunda chance, é importante que você seja totalmente honesto consigo mesmo. Examine seus motivos. Avalie porque você quebrou o relacionamento e o que mudou. Pergunte a si mesmo o que será diferente desta vez e fale sobre isso com o seu parceiro. Expresse seus medos e dúvidas, assim como seus sonhos e expectativas.

É essencial que cada membro entenda e esteja disposto a trabalhar para resolver os problemas que causaram a ruptura. Também é importante que ambos estejam dispostos a perdoar os erros uns dos outros e a se libertar do ressentimento. A vontade de perdoar, crescer e evoluir deve prevalecer.

Uma reconciliação pode funcionar se ambas as pessoas tiverem o tempo necessário enquanto foram separadas para trabalharem em si mesmas e resolverem seus problemas, inseguranças e conflitos. Se já passou tempo suficiente desde o rompimento e ambos mudaram, o cenário é mais promissor. Afinal, os casais mais resilientes e unidos não são aqueles livres de conflitos e problemas, mas aqueles que souberam usá-los como catalisadores de mudanças positivas.

Volte, volte, volte … Até quando?

Liberar-se de um relacionamento infeliz não é uma tarefa simples e se torna mais difícil quando existe uma dependência – seja qual for o tipo. De fato, tudo indica que, uma vez estabelecido um ciclo de rupturas e reconciliações, é muito difícil sair dele.

48% dos casamentos que se separaram e reconciliaram já haviam feito isso enquanto saíam. Isso revela que os ciclos de rupturas e separações durante o namoro ou a convivência predizem o mesmo comportamento no casamento. É provável que esses ciclos se repitam porque o casal transformou a evasão em sua ferramenta para “enfrentar” os problemas.

Não há dúvida de que às vezes é necessário levar tempo. Tempo para refletir, ficar sozinho e esclarecer ideias e sentimentos. Mas se as separações se tornam a norma e geram um profundo mal-estar emocional, há um problema básico que precisa ser resolvido de uma vez por todas.

Devemos deixar claro que é melhor deixar alguns relacionamentos enterrados no passado. Tal é o caso de relações tóxicas ou abusivas, uma vez que esses obstáculos tendem a ser mais difíceis de superar, a menos que você tenha a ajuda de um profissional. Uma separação dói. Sim. Mas muitas separações doem ainda mais.

Antes de retornar com seu ex, é conveniente que você tenha compromissos consigo mesmo. Você pode precisar se encontrar novamente e passar um tempo sozinho. Assim, você pode ter certeza de que não retoma o relacionamento por simples hábito, dependência ou medo da solidão. Somente quando você é uma pessoa completa, você pode amar completamente. Nas palavras de Carl Gustav Jung, ” sua visão ficará mais clara somente quando você puder ver dentro do seu coração “. E para isso você precisa de tempo com você.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS







COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia