Terapia do perdão: quem não perdoa com o tempo, sofre para sempre.

Resiliência Humana

Muitos anos atrás, soldados foram feitos prisioneiros pelas tropas inimigas. Os soldados passaram anos em uma pequena cela, onde quase não tinham espaço para caminhar. Durante esses anos, eles se tornaram grandes amigos, falaram frequentemente de suas famílias e se apoiaram para sobreviver.

De vez em quando, um dos guardas os tiraria da cela e os levaria a uma sala de interrogatório, na qual eles às vezes recorriam a métodos não convencionais, para tentar revelar informações relevantes sobre seu exército.

Os soldados nunca confessaram, mas passaram anos infernais, sofrendo ridiculismo e humilhação, bem como todos os tipos de falhas. Esse guarda tornou-se o seu pior pesadelo.

Um bom dia, a guerra entre os dois países terminou e eles foram liberados. Os dois soldados deram um abraço um grande adeus e cada um seguiu seu curso.

Depois de dez anos, os soldados se encontraram de novo. Um estava visivelmente recuperado, quase feliz. Os dois homens conheceram suas vidas.

No entanto, eles não podiam deixar de lembrar os anos que haviam passado juntos em cativeiro. Um deles perguntou:

– Você perdoou aquele guarda?

– Sim, isso me custou, mas finalmente consegui virar a página – o velho soldado respondeu que ele parecia mais feliz.

– Não consegui, continuo gritando. Eu o odiarei enquanto vivo!

– Então ele ainda o tem preso – limitou-se a responder com tristeza o companheiro.

Esta história reflete perfeitamente quem prejudica o ódio e o ressentimento . E nos mostra como perdoar nos liberta.

Raiva e ressentimento se voltam contra aqueles que os sentem

Me desculpe Esta breve palavra contém todos os nossos anjos e demônios internos. Infelizmente, seu uso ao longo dos séculos levou a interpretações erradas do seu significado, ao ponto que muitas pessoas nem querem ouvir sobre sua existência.

Aqueles que não querem aprender a perdoar reagem com indignação, rejeição e raiva com a simples idéia de perdão. Claro, você não pode forçar ninguém a perdoar. Mas estar ancorado em raiva, ressentimento e raiva não é um “castigo” para aqueles que nos feriram, mas para nós mesmos. Buda disse: ” Agarrar na raiva é como se agarrar a um brasão quente com a intenção de jogá-los em outro; mas você é quem queima “.

Uma meta-análise de 25 estudos realizados no University College London revelou que existe uma forte correlação entre raiva e hostilidade mantida ao longo do tempo e risco de ataques cardíacos. Essas emoções também foram associadas a outros problemas de saúde, como o câncer.

Não é estranho. Outro estudo realizado na Universidade da Califórnia, em que 332 pessoas foram seguidas por cinco semanas, descobriu que o nível de estresse era diretamente proporcional à quantidade de ressentimento e raiva, enquanto diminuiu quando as pessoas perdoavam.

Outro estudo conduzido por esses mesmos psicólogos com 148 pessoas descobriu que aqueles que acumularam mais estresse da vida tinham pior saúde mental. Curiosamente, pessoas que foram capazes de perdoar, embora também tenham vivido experiências difíceis, não tiveram má saúde mental. Isso significa que o perdão é capaz de apagar o impacto negativo do estresse e da angústia gerados por alguns eventos.

Perdoar não é excusar ou minimizar o ato negativo

Muitas pessoas entendem o perdão como um ato através do qual o evento prejudicial é desculpado ou minimizado. Alguns até pensam que significa esquecer o que eles fizeram para nós. Nada está mais longe da realidade.

Perdoar significa lembrar exclusivamente a ofensa de um novo ponto de vista que não desperta tais sentimentos negativos, liberando o assaltado em nossa mente e permitindo que o dano não seja perpetuado dentro de nós. Perdoar não é um ato de libertação para quem cometeu o mal, mas para a pessoa que sofreu.

Na verdade, perdoar não é mesmo necessário “reconciliar” com a pessoa que nos infrinja. Não se trata de se tornar seu amigo. O perdão é um ato íntimo que nos permite recuperar o controle sobre nossas vidas e o bem-estar que perdemos porque fomos vítimas dessas emoções negativas.

As 6 regras da terapia de perdão

1. Perdoar não é o mesmo que esquecer. Perdoar não significa esquecer o que aconteceu. Uma pessoa que foi vítima de abuso, que foi abandonada ou que causou grandes danos, não esquecerá o que aconteceu e não precisa fazê-lo porque ele pode usar essas experiências como “combustível” para construir a resiliência.

2. Perdoar não é minimizar a experiência. Perdoar não significa dizer ” O que aconteceu está bem, não foi tão ruim depois de tudo “. Na verdade, perdoar é necessário supor que o que aconteceu foi terrível e nos deixou cicatrizes. Mas também significa deixar aquelas cicatrizes curar em vez de despejar sal continuamente sobre a ferida.

3. Perdoar não é um sinal de fraqueza. O perdão não é um sinal de fraqueza, ingenuidade ou insensatez, é um grande sinal de inteligência e maturidade, porque isso significa que, apesar de tudo, você decidiu continuar, não deixando o passado condicionar o seu futuro.

4. Para perdoar, não é necessário que o agressor se desculpe. Os agressores nem sempre reconhecem o dano que causaram, mas essa não é uma razão para ficar preso no ódio. Perdoar não é necessário receber um pedido de desculpa ou compensação. O perdão é um ato interno que nos beneficia, não precisamos daquele que nos prejudicou para se arrepender.

5. O perdão é um processo. O perdão não é tudo ou nada, branco ou preto. É um processo e, como qualquer processo, pode ter retrocessos e altos e baixos. É possível que de vez em quando a raiva se eleve e talvez alguns danos não possamos perdoá-los completamente, mas em uma escala de 1 a 10, podemos abordar um 7 ou um 8, o que é suficiente para certos atos atrozes.

6. O perdão é para sua saúde e bem-estar. Mantendo a raiva e o ressentimento é tóxico para você. Isso leva a depressão, raiva crônica e amargura. Perdoar não é um ato que você faz por quem te machucou, mas por seu próprio bem. Não perdoe o outro para fazer um favor, mas para se fazer um favor.

Os 4 passos da terapia de perdão

Quando não podemos perdoar um evento negativo que nos aconteceu, começamos a alimentar sentimentos de vingança, raiva e dor emocional. Muitas vezes, um processo de vitimização é desencadeado juntamente com pensamentos ruminativos sobre o evento. A terapia de perdão tenta parar esse processo nocivo.

1. Expresse as emoções. Seja qual for o dano que você tenha sido infligido, você deve saber que é perfeitamente compreensível e normal para você se sentir mal. Você pode experimentar sentimentos diferentes, de raiva a tristeza ou dor. Não é conveniente que você tente reprimir e esconder esses sentimentos, mas que você os expressa. O que é reprimido continua a afetá-lo do inconsciente, gerando mais sofrimento e raiva.

A técnica da cadeira vazia é uma excelente ferramenta para tirar todas essas emoções. Ele consiste em sentar na frente de uma cadeira vazia e imaginar que a pessoa que te machucou está lá. Diga-lhe tudo o que quiser, do dano que ele causou e por que ou como se sente sobre isso. Geralmente é uma técnica muito catártica e, se você mantiver muito ressentimento, você pode aplicá-la várias vezes.

2. Compreenda o porquê. O cérebro é um maníaco de controle, então quando eles nos machucam, sempre tentamos dar uma explicação. O problema é que, em muitos casos, seguindo nosso raciocínio, não o entenderemos. Às vezes, essa busca por explicação pode se tornar um processo insalubre que se volta contra nós.

Em muitos casos, devemos simplesmente aceitar que não existe nenhuma explicação além das hipóteses. Há eventos terríveis que acontecem porque estávamos na hora errada no pior lugar possível. Aceitar essa explicação é o primeiro passo para fechar esse capítulo sombrio de nossa vida.

3. Reconstruir a segurança. Perdoar é essencial ter uma quantidade razoável de segurança, o que significa saber que este ato não ocorrerá novamente. Claro, nunca podemos ter certeza de 100%, mas se abrigarmos muito medo, acharemos impossível perdoar. Às vezes, reconstruir a segurança não é um processo que depende de condições externas, mas de nós mesmos, e depende da reconstrução de nossa autoconfiança.

4. Deixe ir. Este é geralmente o passo mais difícil. É uma decisão que deve ser tomada conscientemente e que, de certo modo, implica prometer-nos que não nos manteremos rancor pelo que aconteceu. Deixar ir também significa desistir do papel da vítima e recuperar a força. Para isso, é fundamental abandonar a raiva que sempre mantemos, para evitar que a raiva continue a exercer uma influência nociva em nossa vida.

O total perdão implica aceitação e compreensão

Perdoar é um processo complexo que exige transformações profundas nas concepções que temos sobre o evento. Estas são mudanças importantes que afetam tanto as áreas cognitivas quanto afetivas.

Na verdade, o perdão completo, de acordo com Bob Enright, psicólogo da Universidade de Wisconsin e um dos primeiros a investigar o ato de perdão, não significa simplesmente virar a página e seguir em frente. Isso vai muito mais longe porque envolve ver a pessoa que nos danificou como um ser multidimensional cujas ações estavam erradas. A escritora Emma Goldman disse que ” antes que possamos nos perdoar, temos que entender-nos “.

O perdão integral não só oferece tranqüilidade emocional, mas também compreensão em relação à pessoa que nos magoa. A partir desse ponto de vista, o evento negativo deixa de nos ferrar e podemos recuperar o equilíbrio emocional que perdemos antes de perdoar.

Fontes:
Toussaint, LL et. Al. (2016) Perdão, estresse e saúde: um estudo de processo paralelo dinâmico de 5 semanas. Ann Behav Me d; 50 (5): 727-735.
Toussaint, L. et. Al. (2016) Efeitos da exposição ao estresse ao longo da vida na saúde mental e física na idade adulta jovem: como o estresse se degrada e o perdão protege a saúde. J Health Psychol ; 21 (6): 1004-1014.
Chida, Y. & Steptoe, A. (2009) A associação de raiva e hostilidade com futura doença cardíaca coronária: uma revisão meta-analítica de evidências prospectivas. J Am Coll Cardiol ; 53 (11): 936-946.
Wade, NG (2014) Eficácia das intervenções psicoterapêuticas para promover o perdão: uma meta-análise. J Consult Clin Psychol ; 82 (1): 154-170.
Reed GL & Enright, RD (2006) Os efeitos da terapia de perdão na depressão, ansiedade e estresse pós-traumático para as mulheres após o abuso emocional do esposo. J Consult Clin Psychol ; 74 (5): 920-929.
Fonte: Rincon psicologia

FONTERincon psicologia
COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS





COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia