Ter filhos o deixa mais feliz, principalmente quando eles se mudam, diz pesquisa

Resiliência Humana

Quando se trata de quem é mais feliz, pessoas com filhos ou pessoas sem, a maioria das pesquisas apontam para as pessoas que não tem filhos. Mas um novo estudo sugere que aqueles que tem filhos são mais felizes do que os que não tem, mais um pouco mais tarde, quando seus filhos se mudam e se tornam fontes de diversão social em vez de estresse.

Por Alice Klein

A maioria das pesquisas sobre a felicidade dos pais se concentrou naqueles cujos filhos ainda moram em casa. Eles tendem a mostrar que as pessoas com filhos são menos felizes do que os que não possuem porque têm menos tempo livre, sono e dinheiro.

Christoph Becker, da Universidade de Heidelberg, na Alemanha, e seus colegas se perguntaram se a história poderia ser diferente para pais cujos filhos saíram de casa. Para descobrir, eles analisaram dados de uma pesquisa européia que perguntou a 55.000 pessoas com 50 anos ou mais sobre seu bem-estar emocional.

Eles descobriram que, nessa faixa etária mais avançada, as pessoas com crianças tinham maior satisfação com a vida e menos sintomas de depressão do que as pessoas sem filhos, mas apenas se seus filhos tivessem saído de casa.

Retornando o favor

Isso ocorre porque, quando as crianças crescem e se mudam, elas proporcionam enriquecimento social aos pais, menos o estresse diário de cuidar delas, diz Becker.

Eles também podem retribuir, prestando assistência e apoio financeiro aos pais, diz ele. “Portanto, o papel das crianças como cuidadoras, apoio financeiro ou simplesmente como contato social pode superar os aspectos negativos da paternidade”, diz ele.

A imagem é semelhante nos EUA, diz Nicholas Wolfinger, da Universidade de Utah.

Recentemente, ele analisou 40 anos de dados da Pesquisa Social Geral dos EUA e descobriu que pais de ninho vazio com idades entre 50 e 70 anos tinham 5 a 6% mais chances de relatar serem muito felizes do que aqueles com crianças ainda em casa.

Se os pais recusarem a ideia de esperar que seus herdeiros se mudem para maximizar sua potencial felicidade, eles poderão se mudar para um país com melhor condições socioeconômicas, diz Wolfinger.

Um estudo de 22 países realizado em 2016 descobriu que os pais com filhos em casa eram na verdade um pouco mais felizes do que os que não tem se morassem em lugares como Noruega, Portugal e Suécia que pagam licença parental, subsídios generosos de assistência à infância, férias e licença médica.

Referência científica : PLOS One , DOI: 10.1371 / journal.pone.0218704.t001

*Via News Cientist. Tradução e adaptação REDAÇÃO Resiliência Humana.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS







COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia