Ter compaixão por si mesmo não o torna mais fraco; pelo contrário, fortalece você

ter-compaixao-por-si-mesmo-nao-o-torna-mais-fraco-pelo-contrario-fortalece-voce

Ter compaixão por você mesmo, por que isso é importante?

Ter compaixão por si mesmo não o torna mais fraco; pelo contrário, fortalece você. Porque se você aprender a se tratar com bondade, se você se perdoar quando precisar, e aprender a falar consigo mesmo com carinho, você será capaz de lidar melhor com as dificuldades e complexidades da vida.

Ter compaixão por si mesmo está longe de ser um ato de egoísmo. Cada um de nós é obrigado a praticar aquele autocuidado que permite, por exemplo, perdoar os erros do passado e do presente, dar-nos ânimo nos momentos difíceis ou nos tratar com o respeito que merecemos.

Já que ninguém vem a este mundo com esta competição de fábrica, é importante aprender como cultivá-la.

Boccaccio disse no Decameron que nada nos torna mais humanos do que sentir compaixão por nossos semelhantes. De alguma forma, tanto cultural quanto socialmente, fomos instilados com a ideia de que essa dimensão sempre vai de dentro para fora.

É verdade que é preciso ter pena de quem sofre e que vivenciar esse sentimento nos torna mais nobres. No entanto, há um detalhe igualmente importante.

A compaixão também deve se projetar para si mesmo. Fazer isso é saudável, catártico e até mesmo necessário. Há quem o defina como uma espécie de “narcisismo saudável”, mas seja o que for, esta área psicológica vai muito além do amor próprio porque lhe dá sustentação, impulso e sentido.

Vamos mergulhar um pouco mais fundo neste tópico.

Ter compaixão por si mesmo, a chave para o bem-estar psicológico

Uma coisa é amar a si mesmo e outra é amar a si mesmo. Nem todos os amores são saudáveis, porque abundam egos e autoconceitos excessivos que os colocam num narcisismo nocivo em que só existe um e mais ninguém.

Da mesma forma, não nos enganamos se dissermos que o que mais se valoriza no dia a dia são as pessoas que se tratam sem o necessário respeito e carinho.

Viajar pelo mundo com uma autoestima desgastada dá lugar às sombras da depressão e outros problemas psicológicos. Por outro lado, homens e mulheres incapazes de controlar a conversa interna negativa , acusadora e prejudicial estão sempre se afastando do sofrimento mental. Eles perdem oportunidades, se envolvem em relacionamentos infelizes e raramente alcançam a realização pessoal.

Ter compaixão por si mesmo não é um ato de fraqueza.

Às vezes, é difícil cedermos a esse sentimento porque associamos a compaixão à pena , àquele sentimento muitas vezes vazio, passivo e compreendido entre a tristeza e a ternura por algo ou por alguém.

Nós distorcemos esta dimensão até sentirmos algum desconforto quando sentimos por nós mesmos. É necessário, portanto, reformulá-lo e dar-lhe o significado que ele merece.

Por que devemos desenvolver um pouco mais de compaixão por nós mesmos?

Kristin Neff definiu o termo autocompaixão e descreveu sua utilidade para o bem-estar psicológico. Seu trabalho de pesquisa sobre esse construto o equipara à prática da atenção plena e cujos benefícios para a saúde mental são amplamente apoiados pela ciência.

Ter compaixão de si é, antes de tudo, aceitar a imperfeição do ser humano, é assumir que somos falíveis, que erramos e saber responder a eles com ternura e carinho.

A necessidade de desenvolver esta competência de bem-estar é múltipla:

A Duke University (Estados Unidos) mostrou algo interessante em um estudo: pessoas que aplicam a autocompaixão no dia a dia têm boa inteligência emocional e maior satisfação com a vida.

Por outro lado, também foi demonstrado que a autocompaixão está correlacionada com uma menor incidência de depressão e ansiedade . Este último é um fato relevante que vale a pena contemplar.

Essas pessoas capazes de ser respeitosas e afetuosas consigo mesmas nos momentos difíceis constroem um diálogo interno que não julga, que não critica e que nos permite aceitar-nos como somos.

Da mesma forma, também é interessante notar que as pessoas que praticam a autocompaixão não caem nos labirintos da preocupação excessiva , em reflexões negativas que reduzem o bem-estar psicológico. (Krieger, Altenstein, Baettig, Doerig e Holtforth, 2013).

Componentes de autocompaixão

A literatura e as pesquisas sobre autocompaixão cresceram exponencialmente nos últimos anos. Já sabemos que capacitar pacientes com depressão na autocompaixão melhoraria seu progresso e recuperação progressiva .

Estudos como o realizado na Universidade de Zurique, por exemplo, falam da utilidade de incluí-lo na terapia cognitivo-comportamental.

Por sua vez, é interessante ter em mente aqueles elementos que dão forma e corpo ao exercício da autocompaixão. São os seguintes:

-Ser capaz de falar gentilmente um com o outro.

-Julgue-nos positivamente.

-Esteja ciente de que os seres humanos não são perfeitos ou invulneráveis.

-Conheça nós mesmos e nossas necessidades.

-Entenda que sofrimento, erro ou perda fazem parte da vida.

-Ter compaixão de si mesmo implica saber apreciar e amar a nós mesmos como merecemos.

-A atenção plena ou atenção plena, por sua vez, nos permite desenvolver essa dimensão de forma mais eficaz.

Ter compaixão por si mesmo nos impede de depender dos outros

Ter compaixão por si mesmo não é compassivo ou nos perceber como fracos ou frágeis.

É genuinamente valorizar a nós mesmos porque entendemos o quanto valemos e o quanto merecemos. Por sua vez, significa ser tolerante com nossos erros e abraçar nossas feridas internas para nos encorajar e seguir em frente.

Há também um detalhe igualmente interessante que devemos considerar.

A autocompaixão aumenta a independência para validar emoções, necessidades e autoestima.

Quando sabemos o que merecemos, não somos mais totalmente dependentes da atenção dos outros e, embora apreciemos isso, não somos mais tão dependentes do nosso ambiente.

Para concluir, permitir-nos ser imperfeitos e continuar a amar uns aos outros em todas as situações e circunstâncias é um exercício de saúde que vale a pena praticar.

Hoje é um bom dia para iniciar este caminho.

*DA REDAÇÃO RH. Com informações LMM. *Foto de Aziz Acharki no Unsplash

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia