Tá insatisfeito? Mude! Só não fica reclamando por favor!

Fabiano de Abreu

Tá insatisfeito? Mude! Só não fica reclamando por favor!

Eu vejo a mudança como uma atitude relacionada a insatisfação. Seja ela em potência maior ou menor. Às vezes, alguma coisa incomoda, e nem sabemos o que de fato, está errado.

Você olha no espelho e acha que é o cabelo, quer mudar, acha que enjoou, cansou daquela cara que você vê todo dia.

Enjoou do cabelo ou enjoou da própria vida?

A insatisfação pode ser um sinal de queda de estima por si mesmo.

O cabelo diferente, repaginado, pode ajudar, ou fazer tudo desabar de vez. Se não gostar do corte, a culpa será do coitado do cabeleireiro que receberá toda a sua fúria, que revela simplesmente o seu verdadeiro estado emocional.

Porque quem está feliz e de bem consigo, continua feliz até sem cabelo!

A autoestima se revela de acordo com as emoções que alimentamos dentro de nós.

A conquista de um novo cabelo pode te trazer uma nova emoção, boa ou ruim, mas é imprescindível que se produza constantemente uma sensação de valorização de si mesmo com metas e planos de vida bem estabelecidos, não com atos desesperados e inconstantes. Sem metas e planos, a vida desanda, e a autoestima também.

A falta de autoestima nos faz tomar atitudes muitas vezes impensadas e que possivelmente nos arrependeremos.

Pode ser que no ímpeto da necessidade de mudar, você tome uma atitude por demais radical e venha a piorar a situação.

Se o problema que faz a sua insatisfação com a vida ser constante é dinheiro, por exemplo, uma jogada arriscada, sem planejamento, pode fazer com que você se afunde mais ainda. Da mesma forma, ficar com medo de agir fará crescer a sua angustia, o levando possivelmente, a uma crise existencial aguda.

Alguns, para tentar se desvencilhar desse sentimento de escassez, fazem dívidas homéricas, comprando artigos desnecessários, e começam a se comportar de maneira extremamente descontrolada financeiramente. Ao invés de buscar um equilíbrio, e perceber que o problema não é a falta de dinheiro, mas a forma como lidam com ele.

O fato é que ficar reclamando não ajudará em nada.

Quem reclama demais não abre os ouvidos para os bons conselhos.

Quem se encontra insatisfeito acaba por se viciar em pequenas alegrias momentâneas, que por durarem pouco, causam dependência. Dependentes, sempre caem de novo no mesmo problema que os deixou insatisfeitos.

A mudança é um refúgio para o ego, mas deve ser pensada e planejada de maneira consciente.

Todo problema tem uma solução! A gente precisa buscá-la onde está o problema e entender o seu motivo.

Precisamos viver a vida com a consciência de que tudo tem uma razão! Viver a vida com a consciência de que tudo tem um motivo.

Devemos praticar a observação no sentido de tentar desvendar os motivos das coisas! Pra mim, essa é uma boa arma para solucionar os problemas.

Se perguntar o por quê de estar se sentindo assim é o primeiro passo para desvendar o que te aflige. O segundo é se perguntar: O que eu quero da minha vida? O que está errado de fato?

Fazer essas perguntas constantemente, sem o ar de reclamação, mas com o olhar observador para a própria vida, é o melhor caminho para que possamos estabelecer as mudanças certeiras que nos trarão a satisfação que tanto almejamos.

COMPARTILHAR




COMENTÁRIOS




Fabiano de Abreu
Fabiano de Abreu Rodrigues é psicanalista clínico, jornalista, empresário, escritor, filósofo, poeta e personal branding luso-brasileiro. Proprietário da agência de comunicação e mídia social MF Press Global, é também um correspondente e colaborador de várias revistas, sites de notícias e jornais de grande repercussão nacional e internacional. Atualmente detém o prêmio do jornalista que mais criou personagens na história da imprensa brasileira e internacional, reconhecido por grandes nomes do jornalismo em diversos países. Como filósofo criou um novo conceito que chamou de poemas-filosóficos para escolas do governo de Minas Gerais no Brasil. Lançou o livro ‘Viver Pode Não Ser Tão Ruim’ no Brasil, Angola, Espanha e Portugal.