Solidão não é estar sozinho, é estar vazio! Sêneca

Resiliência Humana

A solidão é um dos males do nosso tempo. E tentamos vencê-la recorrendo a todos os meios e remédios possíveis.

Mergulhamos num frenesi de estímulos para esquecer a solidão.

“Ansiamos por distração, um panorama de visões, sons, emoções e excitações em que o maior número possível de coisas deve ser acumulado no menor tempo possível ” , disse Alan Watts.

Mas a solidão sempre volta, nos persegue quando baixamos a guarda porque não podemos fugir de nós mesmos.

E quando esses estímulos saem, quando não estamos mais cercados de pessoas, nem assistimos televisão, fechamos o livro e o celular é desligado, ficamos sozinhos conosco e o que vemos – ou talvez o que não vemos – nos assusta ou nos condena ao mais profundo aborrecimento. É por isso que Sêneca disse que “a solidão não é estar sozinho, é estar vazio “.

Solidão como escolha vs. solidão imposta

Não há solidão única.

A solidão imposta é aquela que não buscamos ou queremos e que está relacionada a sentimentos negativos de tristeza, melancolia e / ou vazio interior.

Esse tipo de solidão desencadeia as mesmas reações fisiológicas que a dor, a fome ou a sede. Porque o nosso cérebro percebe que ser separado da comunidade, socialmente isolado, é uma emergência.

Se continuarmos a descer naquela espiral de solidão e não aprendermos a gostar de nossa companhia, provavelmente acabaremos no abismo da depressão.

No entanto, a solidão escolhida não é prejudicial, muito pelo contrário. A solidão é uma condição sine qua non para a introspecção, para nos encontrarmos e esclarecer nossas idéias e sentimentos. É por isso que Sêneca também diferenciou as solitudes:

“Temos a tendência de proteger os aflitos e os apavorados, para que não abusem da solidão. Nenhuma pessoa impensada deve ser deixada sozinha; nesses casos, ele apenas planeja más intenções e cria padrões de perigos futuros para si ou para os outros, porque seus desejos mais básicos entram em ação; a mente mostra o medo ou a vergonha que costumava reprimir; estimula sua audácia, agita suas paixões e estimula sua raiva ”.

Este filósofo acreditava que nem todos podem ficar sozinhos – ou que não podemos estar sozinhos em todas as circunstâncias da vida.

Se estamos maduros, temos um bom equilíbrio mental e temos um mundo interior rico, desfrutar da nossa própria empresa nos fará felizes porque podemos manter o controle e discernir o que é bom para nós.

No entanto, se estamos passando por um período de altos e baixos emocionais que nos impedem de distinguir o benéfico do prejudicial, é melhor ter esse olhar externo que nos ajuda a colocar tudo em perspectiva.

O vazio interior que causa a sensação de solidão

Nas “Cartas ao Lucílio”, Sêneca narra que Crates, um discípulo do próprio Estilbón, vendo um homem que se afastava, perguntou-lhe o que estava fazendo sozinho.

Ele disse: “Eu não estou sozinho, eu ando comigo mesmo”.

Ao que Crates respondeu: “Tenha cuidado, porque você vai na companhia de um homem mau”.

Assim, Sêneca chama a atenção para o fato de que nunca estamos completamente sozinhos, porque quando o quadro social cai, quando ficamos sem estímulos para nos entretermos – ou nos drogarmos – ficamos com nós mesmos. E se nos sentimos sozinhos nesses momentos, isso significa que estamos em má companhia.

A experiência da solidão implica uma desconexão das pessoas para mergulhar num estado de inibição social que nos força a olhar para dentro.

Às vezes, olhar para dentro pode ser assustador porque não gostamos do que vemos ou simplesmente não nos achamos interessantes o suficiente.

Essa, sem dúvida, é a pior solidão porque nasce de um vazio irremissível onde a paz interior não tem lugar.

Sentir-se vazio é um sentimento estranho e desconfortável.

Algumas pessoas percebem isso como uma espécie de entorpecimento emocional e intelectual, onde o tédio se sente em casa. Não há dúvida de que o sentimento de vazio não é agradável.

É provável que nos sintamos insatisfeitos, confusos e até chateados. No entanto, tentar preencher esse espaço com estímulos externos só vai aprofundar ainda mais o buraco interior, condenando-nos a uma solidão não solicitada.

Esse vazio geralmente vem da falta de sentido na vida e, claro, da perda de conexão consigo mesmo.

Quando você vive muito externamente, a ligação com o interior é perdida.

Então corremos o risco de perder a voz, de olhar para dentro e descobrir que não há nada de interessante para se manter.

Como disse Watts, “quando a vida está vazia em relação ao passado e sem propósito em relação ao futuro, o presente está cheio de vazio”.

Qual é o antídoto?

Primeiro de tudo, conheça a si mesmo.

Não é por acaso que esse era o imperativo gravado nas portas do templo de Apolo em Delfos.

O segundo passo essencial é alimentar nosso mundo interior.

Somente quando paramos de escapar de nós mesmos podemos ter certeza de que nunca mais ficaremos sozinhos.

*Via Rincon Psicologia. Traduzido e livremente adaptado por REDAÇÃO Resiliência Humana.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS







COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia