Ser corajoso é aprender a juntar os seus pedaços para se tornar mais forte!

Resiliência Humana

Ser corajoso é aprende a juntar os seus pedaços para se tornar mais forte!

Por Gema Sánchez Cuevas

A vida nem sempre é fácil. De fato, quase nunca é simples ou pelo menos parece. O que acontece é que a maior parte do nosso sofrimento está oculta dentro de nós com a intenção de escondê-lo aos olhos dos outros. Somente nós sabemos a localização exata de nossas feridas e quão vulneráveis ​​elas nos tornam; Somente nós podemos as curar, pegando cada um de nossos pedaços quebrados para ficarmos mais fortes.

Porque, apesar de viver uma experiência que nos quebra por dentro é, sem dúvida, um dos transes mais difíceis que temos de enfrentar, também representa uma oportunidade de nos conscientizar, reestruturar a maneira como entendemos o mundo e, depois de passado o tempo, nos reconstruirmos novamente.

A questão é: como fazer isso ?!

“Quando não podemos mudar a situação que enfrentamos, o desafio é mudar a nós mesmos.”-Viktor Frankl

O peso do sofrimento

Ninguém está a salvo do sofrimento. Aquele inquilino estranho que ocasionalmente explode em nossas vidas sem aviso prévio ou convite. E apesar do fato de que na maioria das vezes tentamos fugir dele ou escondê-lo no porão mais escuro para esconder sua presença, isso não impede que isso nos afete … é quando mesmo aquele canto escuro que banimos, continua a se exercitar. Uma influência que, por outro lado, agora nos permite ver menos, pois a escuridão nos impede de identificar ou antecipar seus movimentos.

Quanto mais tempo nosso sofrimento passa à sombra, mais poder ele terá sobre nós.

Alguns compõem seus sentimentos negativos com sorrisos falsos, outros realizam mil e uma atividades para não deixar um minuto livre para fazê-los refletir e outros podem mentir para si mesmos com a intenção de consertar seu desconforto. E dentro disso, alguns ou outros, também somos, em tempo hábil ou como assinantes do costume.

O problema é que, devido a muitos obstáculos que queremos colocar, o sofrimento, mais cedo ou mais tarde, subirá ao palco com a intenção de nos quebrar. Ou através de dor física ou emocional.

Quer queira ou não, o sofrimento faz parte da vida. O perigo é quando se torna tão pesado e adota tantas formas que acaba se prolongando no tempo e acabando sendo um estilo de vida, borrando-nos em uma cor cinza escura, quase preta.

De fato, a maior parte do sofrimento que sentimos (nem tudo) se desenvolveu a partir de uma experiência de dor, que ainda é a experiência de perder algo ou alguém que amamos. Assim, quando não aceitamos essa perda, resistimos e insistimos para que as coisas sejam de outro modo, estamos cedendo, sem saber, ao sofrimento; um sofrimento que é ao mesmo tempo dor e refúgio quando chove no meio do duelo e a água nos arrasta da tristeza até os ossos.

A morte de um ente querido, a ruptura de nosso relacionamento, a decepção de um amigo ou uma demissão são exemplos de perdas que nos machucam e que, a longo prazo, nos fazem sofrer como se nos apunhalassem uma adaga diretamente em nosso coração . As feridas que, se não nos importamos, nunca pararão de sangrar até que se tornem pedaços quebrados difíceis de serem atingidos.

O alvorecer da resiliência

Embora seja verdade que algumas pessoas desenvolvam distúrbios ou dificuldades reais como resultado de seu sofrimento, na maioria dos casos não é assim. Alguns são capazes de emergir fortalecidos após essa experiência traumática. Uma experiência que lhes causa dor, mas que também os faz crescer e da qual eles, de alguma forma, obtêm lucro.

Um estudo realizado por Wortman e Silver afirma que existem pessoas que resistem ao ataque da vida com força inesperada. A razão está na resiliência , através da qual eles conseguem manter um equilíbrio estável sem que a experiência traumática e dolorosa afete muito o desempenho e a vida diária.

Isso nos leva a pensar que somos mais fortes do que pensamos. Que mesmo quando nossas forças vacilam, há um pequeno raio de luz que nos ilumina para que possamos pegar nossos pedaços quebrados para que possamos recuperar. É o alvorecer de nossa resiliência, o momento exato em que nossas tristezas e o peso do sofrimento cedem lugar ao poder curador de nossas forças para resistir e refazer-nos novamente.

«O mundo está cheio de sofrimento, mas também de superá-lo»-Helen Keller

Portanto, não se trata de ignorar o que sentimos, mas de aceitá-lo como aprendizado da vida e passar por ele com os olhos abertos, para que um hábito possa ocorrer, assim como acontece na escuridão.

Mesmo quando a vida nos atinge com grande intensidade e é capaz de nos quebrar, a capacidade de nos sentirmos fortes nos ajuda a superar o que estamos vivendo e a reconstruir nossa identidade, pegando nossos pedaços partidos um a um.

Essa é a resiliência, uma das mais belas capacidades que temos e que todos devem nos ensinar na escola. Aprenda a curar nossas feridas, tratá-las com amor e extrair delas o seu maior aprendizado. Mas como fazer isso?

Pegue seus pedaços quebrados para se reconstruir

Como vimos, florescer após uma tempestade de dor é possível, mas não é simples. É um processo complexo e dinâmico que, como aponta o psiquiatra Boris Cyrulnik, implica não apenas a evolução da pessoa, mas também o processo de estruturação de sua própria história de vida.

Dessa maneira, existem alguns fatores que, se os encorajarmos, aumentarão nossa resiliência e nos ajudarão a pegar nossos pedaços quebrados para reconstruir como:

1- Autoconfiança e nossa capacidade de lidar.
2- Aceitar nossas emoções e sentimentos.
3- Ter um propósito significativo na vida.
4- Acreditar que você pode aprender não apenas com experiências positivas, mas também com experiências negativas.
5- Ter apoio social.

Além disso, como Calhoun e Tedeschi apontam que, dois dos autores que mais pesquisaram sobre crescimento pós-traumático, sofrimento e dor fazem com que experimentemos mudanças não apenas no nível individual, mas também em nossos relacionamentos e filosofia de vida.

Enfrentar experiências de dor nos assusta, mas escapar de tudo o que faz doer é prolongar nosso sofrimento, que sofrerá uma mutação de maneira mais perigosa.

A verdadeira coragem é continuar apesar do medo, continuar quando nosso corpo treme e se quebra por dentro.

Na vida se refaz mesmo quando aceitamos que precisemos de algum tempo para assimilar o que aconteceu e ficar a sós com o nosso sofrimento.

Nesta solidão nasce a pausa que nos permite entendê-la, trata-se de continuar caminhando em grandes passos ou em pequenos passos. Porque a pessoa que menos cai não é mais forte, a mais forte é a pessoa que consegue se levantar fortalecida após a queda.

*Tradução e adaptação REDAÇÃO RH. Com informações La Mente es Maravillosa
*Foto: jakpost

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia