Sem resistência, somente aceitação: Wu Wei – A arte da não-ação (para quando tudo estiver muito difícil)

Bruna Stamato

Admiro mesmo quem “mata um leão por dia” para “sobreviver”, é uma prova que a vontade de viver do indivíduo é maior que as angustias e problemas que ele enfrenta e isso é, sem dúvidas, admirável.

Mas, quando analisamos a vida por uma visão um pouco menos “fechada” da sociedade atual em que vivemos, acabamos percebendo que “matar um leão por dia” não é algo benéfico e por isso mesmo, não deve ser romantizado.

Aliás, sofrimento nenhum deve. Essa ideia de que o sofrimento purifica o espírito não passa de um pretexto para a prática deliberada da autossabotagem, na real mesmo, ninguém veio a este mundo para sofrer.

Embora as desventuras sejam parte inerente da VIDA, se punir e incorporar o sofrimento como algo natural e inevitável é a pior técnica de masoquismo que eu conheço.

O termo “sobreviver” também não é agradável, uma vez que não nascemos para ter uma “sobrevida”, ou seja, um prolongamento penoso da vida além de certo ponto. Sobreviver não basta aqui nesse plano, é necessário EXISTIR e viver com felicidade e liberdade de escolha a nossa jornada terrestre.

Ninguém vem parar aqui nesse mundo por mero acaso. Se estamos aqui é porque nos foi dado o DIREITO, devemos fazer bom uso da Lei Universal do Usufruto, já que somos herdeiros diretos do Criador! Tudo que existe na Terra está à nossa disposição.

Pela visão Taoista (Taoismo pode ser considerado uma religião chinesa, onde tem como fundamento o Equilíbrio absoluto,o Yin e o Yang, que nos diz que nós, seres humano devemos viver em harmonia com a natureza e o cosmos pois somos parte de Tudo e do Todo), então, na visão Taoista, “matar um leão por dia” é considerado anti-natural.

Vai contra o fluxo natural da vida.

Se você enfrenta muitos obstáculos e está há muito forçando uma porta que não se abre, então é porque essa porta não é a certa para você.

Claro que, se você quer chegar ao topo de uma montanha, você terá que enfrentar a escalada.

Ir a lugares onde a maioria não vai exige esforços que a maioria não faz, porém, a escalada é a parte natural, o medo é parte natural, algumas pedras rolando também, mau tempo, pode ser que você pegue chuvas e com certeza irão te acontecer imprevistos, porém, se esses imprevistos só te prejudicam e não beneficiam em absolutamente nada, se rolam pedras o tempo todo, se o Sol não abre e a tempestade é constante e se a escalada já está perdendo a beleza e o sentido de ser, daqui a pouco nada adiantará chegar ao topo. Você terá se perdido de quem é ao lngo do caminho.

Porque o caminho se mostrou antinatural. Trabalhemos então com a hipótese do Universo (Deus, Allah ou como queira chamar), por alguma razão, não achar que é o seu momento ideal para chegar lá em cima. Ele vai te mostrar isso.

Cabe a cada um de nós ter a sensibilidade para discernir se é o nosso momento AGORA, não é à toa que dizemos no “Pai Nosso” – E seja feita a vossa vontade, assim na Terra como no Céu.

Às vezes o tempo Dele não é tão sincronizado com o nosso, como gostaríamos.

E então, nos restam sempre duas escolhas: Relutar, chorar, espernear e ficar de mal de Deus ou trabalhar o nosso imediatismo e a CONFIANÇA no Todo.

A arte de soltar (como se fala no famoso Efeito Zenão tão difundido pela Física Quântica) é fundamentada no Princípio do Confiança Original, que nos diz que assim como confiamos totalmente em nossos pais ou tutores quando somos pequenos e que muitas vezes estendemos tal sentimento à vida adulta, também devemos confiar atavicamente no Criador, pois somos parte fundamental e inseparável do Criador de Tudo.

Mas, desconfiar é um ato genuinamente humano!

Se seu pai estiver lá embaixo de uma ponte te dizendo “Vem, pula, está uma delícia” mas você tiver fobia de água ou altura, você vai relutar e não vai pular, não porque você não confie NELE, no seu pai, mas porque você não confia EM VOCÊ, você acredita que não consegue fazer aquilo e essa crença vai governar a sua vida. É desta forma que vivemos. Desconfiando de tudo baseado em nossas percepções pessoais, não em “verdades universais”.

A arte da “não-ação” nos diz isso, que pular é uma decisão de cada um, mas que, se cairmos num rio, nem sempre a melhor atitude é nos debatermos e nadarmos contra a correnteza, às vezes é melhor seguir o fluxo para se agarrar em algo e voltar à margem mais ali na frente.

Quando falamos em não-agir, muita gente pergunta “Mas então é só isso? não preciso fazer nada?” e a resposta é: NÃO! Não é isso!! *risos*

Nós devemos idealizar e desejar com todas as nossas forças o que queremos, fundamentando nossos pensamentos; então, esses pensamentos irão criar SENTIMENTOS; esse sentimentos geram EMOÇÃO e é essa emoção que devemos emanar fortemente ao Universo e então sim, entregá-la nas mãos do Criador.

Sem resistência, sem “porém”, sem “acordos” e principalmente, sem DÚVIDAS. Pois quando confiamos 100% em algo ou alguém, não nos preocupamos com esse algo ou alguém. E a pré-ocupação é uma bomba atômica para os desejos.

Então, confie no Universo. Somente com alegria e gratidão, sem se preocupar, sem gerar sentimentos negativos de ansiedade, angustia e incerteza. O Uni não falha.

Nós é que falhamos em entrar na frequência correta dos nossos desejos, ao nos depararmos com a ESPERA. Somos seres imediatistas e que achamos que controlamos o tempo, temos a necessidade de dividir anos em meses, de encerrar ciclos, de olhar no relógio, mas o TEMPO é muito relativo e o Universo é um tanto anacrônico, ele não se atenta muito ao nosso tempo terreno!!!

Experimente praticar o Wu Wei. Faça uma oração, entregue suas angustias e desejos ao Universo e então SOLTE e vá se concentrar em viver o seu HOJE da melhor forma possível.

O passado foi um presente que deu certo, pois se estamos aqui agora, é porque ontem deu certo. Aproveite seu presente e viva com a alegria de já ter conquistado os maiores sonhos do seu coração.

Se o caminho tá difícil por demais, aceite o caminho Dele, sem resistência, somente aceitação; mesmo que não entenda de primeira.
Confiar é agradecer por antecipação.

Bruna Stamato

(GRATIDÃO!)

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS







COMENTÁRIOS




Bruna Stamato
"Mãe, mulher, geminiana, maluca e uma eterna sonhadora!"