Sei que não é da sua conta, mas eu gostaria que você soubesse. Tô com outra pessoa.

Resiliência Humana

Sei que não é da sua conta e que talvez não seja nem de seu interesse, mas eu gostaria que você soubesse. Tô com outra pessoa.

Assim, na lata.

No início, eu realmente achei que me sairia bem e que ficaria mais fácil com o tempo. Eu pensei que a sua falta que antes me sucumbia fosse diminuir quando eu tivesse alguém pra esquentar os meus pés no frio.

Eu estava errada. Totalmente. Como no dia em que eu teimei com você que 0675 era a placa do carro do meu pai e não 0678 como você dizia ser. Tá aí. Você tinha razão. Eu errei isso também.

Só pra você saber, não ficou mais fácil. Ficou pior.

Anos atrás eu parafraseei no meu caderno do ensino médio uma frase que até então nunca tinha me feito sentido. Ela dizia que estar com alguém errado é lembrar em dobro a falta que faz alguém certo. Hoje eu entendo a Tati.

Ele conversa sobre negócios com meu pai, compreende a superproteção da minha mãe e se dá bem com todas as minhas amigas. Ele me manda mensagem durante o apurado expediente de trabalho, é sempre genuíno e carinhoso e pergunta o que eu quero escutar quando eu entro dentro do carro.

E é aí que eu sinto a sua falta.

Ele não acha graça nas músicas da Taylor Swift que eu colocava pra escutar nas viagens que eu e você fazíamos e nem se diverte com as minhas caras e bocas.

Ele não se emociona comigo nos filmes de romance, aqueles que a gente amava e colocava pra repetir mil vezes, mesmo que sabíamos de cor e salteado o final. Você chorava comigo todas as vezes.

Ele não enche a cara comigo da mesma forma que a gente fazia. Como aquela vez que a gente bebeu tanto que quando chegamos em casa sentamos no chão do banheiro chorando porque a gente se amava demais.

Eu te amei tanto, puta merda.

Ele não come esfiha de chocolate do Habib’#s. aquelas que a gente comprava em dezenas pra acompanhar a maratona do nosso seriado favorito. Você nem gostava tanto assim de chocolate e eu fui descobrir só depois. Você comia porque eu gostava.

Eu sinto falta de brigar com você. De me perder no meio da tempestade mas encontrar a calmaria e o paraíso cinco minutos depois.

Ele não dá bola pras minhas maluquices.

Sinto falta do frio na barriga que eu sentia toda vez que você aparecia na minha casa, mesmo que já tenha se passado anos desde a primeira vez que você deu as caras por aqui.

Ele é o estereótipo exato de quem consegue arrebatar e atrair todas as pessoas ao seu redor. e me atrairia.

Se eu não amasse você.

Se eu não te sentisse em cada toque dele, em cada beijo, em cada suspiro, em cada palavra dita com tanto carinho e dedicação.

Eu queria te contar porque sei que você me entenderia.

Acho que você seria a única pessoa que me compreenderia por mantê-lo por perto enquanto eu não tenho a mínima intenção de permanecer.

Sei que você também se sente assim.

É engraçado a forma como a gente tenta preencher nossos vazios com outras pessoas e sempre acabamos no mesmo lugar toda sexta de madrugada.

A sua cama ainda tem o mesmo cheiro.

Eu só queria te lembrar de que a vida é feita disso.

Eu amei você com todo o meu coração e sei que você me amou também. É arriscado dizer isso quando se tem ainda vinte e poucos anos, mas você foi o amor da minha vida.

Foi a coisa mais louca, anestésica e extasiante que eu já senti em toda a minha existência, e eu preciso – de verdade – te agradecer por isso.

Eu fui muito feliz em todo esse tempo que a gente caminhou juntos.

Agora eu tô com ele e tá tudo bem também. Eu só queria que você soubesse.

A minha risada nunca mais foi a mesma e meus dias também não.

Sinto muita falta sua. As pessoas perderam a graça, mas eu preciso assumir o risco. Eu preciso dar o segundo passo.

Eu não aprendi a amar outra pessoa além de você e eu preciso tentar.

Eu preciso seguir em frente porque eu não aguento mais enxergar todo o universo preto e branco só porque eu não tenho mais você.

FONTEI Can Be Your Cocaine
COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia

COMENTÁRIOS