Se você quiser mudar, concentre-se no que permanece o mesmo

Geralmente pensamos na mudança como uma pausa, uma revolução, uma transformação radical.

Resiliência Humana

Geralmente pensamos na mudança como uma pausa, uma revolução, uma transformação radical. O problema é que, às vezes, essa concepção de mudança assusta e, longe de nos encorajar a mudar o que deve ser mudado, paralisa-nos, mantendo-nos dentro dos limites de nossa zona de conforto. Uma solução para enfrentar as mudanças com menos estresse e ansiedade é focar no que permanece o mesmo.

Medo e incerteza geram grande resistência à mudança

A resistência à mudança, muitas vezes tem origem no medo e incerteza. Quando nos concentramos em tudo o que vai mudar, podemos experimentar uma espécie de vertigem psicológica que nos leva a voltar ao apego, ao que é seguro e familiar. Como resultado, rejeitamos a mudança, mesmo que estejamos cientes de que ela é necessária. Preferimos a certeza da miséria a miséria da incerteza.

O medo do desconhecido é tão intenso que obscurece nossa razão, fazendo com que os medos ditem nossas decisões. A perspectiva de ter que abandonar muitas das coisas que sabemos, sem saber ao certo o que nos espera, nos faz agarrar à nossa zona de conforto, aquele espaço onde nos sentimos seguros porque é composto de hábitos e coisas conhecidos, embora não Seja o melhor espaço onde podemos estar.

Continuidade como forma de mitigar os impactos das mudanças

Qualquer mudança, por mais radical que seja, sempre contém sementes do passado. Quando a mudança que está à frente é assustadora, focar no que permanecerá o mesmo, naquelas coisas que não mudarão e permanecerão um fio comum em nossas vidas, nos ajudará a lidar com a angústia.

Os psicólogos da Universidade de Amsterdã testaram essa ideia e descobriram que, quando nos concentramos na continuidade e na nossa essência, em coisas que não mudam, é mais fácil aceitar a mudança e abraçar a incerteza que está surgindo no horizonte. Em um de seus experimentos, eles recrutaram 208 estudantes. Metade recebeu uma carta do reitor comunicando mudanças importantes no currículo. A outra metade recebeu uma carta informando-os das mesmas mudanças, mas ao mesmo tempo transmitia uma visão da continuidade da identidade.

Os pesquisadores avaliaram seu apoio à mudança e seu senso de identidade. Eles descobriram que a mudança foi percebida mais positivamente e recebeu mais apoio quando foi apresentada, focando naquelas coisas que permaneceriam idênticas. Pelo contrário, quando a mudança gerou grande incerteza, os alunos ficaram mais relutantes em aceitá-la.

Como encontrar continuidade na mudança?

Se você precisa implementar uma grande mudança em sua vida e as transformações que estão por vir geram ansiedade ou angústia, concentre-se no que permanece o mesmo. Busque a continuidade da mudança porque, por mais radical que seja a transformação, sempre existem aspectos que permanecem praticamente inalterados.

Se você vai mudar de emprego, em vez de pensar em ter um novo chefe, pense nas habilidades e conhecimentos da posição atual que você pode usar em seu novo emprego. Se você vai se transferir da cidade, em vez de se concentrar nos amigos que deixa, concentre-se nas rotinas que você pode manter e que fazem você se sentir bem e seguro.

Afinal, trata-se de entender que existem muitas maneiras de expandir a zona de conforto. Há quem prefere se lançar no desconhecido e quem prefere explorar o novo passo a passo. Algumas mudanças não precisam ser espetaculares, apenas acontecem. ” Não importa o quão lento você vá, desde que não pare “, como Confúcio disse.

Fonte:

Venus, M. et. Al. (2018) Visões de mudança como Visões de continuidade. O Academy of Management Journal; 62 (3).

Texto originalmente publicado no Rincón de la Psicología, livremente traduzido e adaptado pela equipe da Revista Resiliência Humana.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia