Se você quer que seu filho se torne um bom ser humano, dê limites a ele desde cedo.

Quase sem perceber, as regras e limitações das crianças são marcadas quase desde o nascimento. Modelar suas necessidades de sono, alimentação e brincadeiras, de acordo com os ritmos da casa é uma das primeiras maneiras de desafiar as normas.

À medida que a criança cresce, ensinar “limites” torna-se mais complexo.

Outros tipos de emoções aparecem, e eles descobrem na empatia, algo essencial para traçar as regras de comportamento baseadas no respeito ao outro.

Especialistas concordam que é essencial estabelecer limites para certos comportamentos.

“Vivemos em uma sociedade tremendamente difícil, que tem suas regras. Se não os acompanhássemos, geraríamos situações desconfortáveis ​​em nível social”, explica a psicóloga Silvia Álava.

Em seu livro Queremos crianças felizes. O que nunca fomos ensinados. (J de J editores), diz que “as crianças precisam de regras e limites, e quando não as têm, ficam muito perdidas, não sabem o que têm que fazer, o que se espera delas, e duvidam do caminho que eles devem escolher.

É importante que os pais saibam o que são “regras ou limites saudáveis”, algo que permite à criança agir com respeito, mas sem limitar seu desenvolvimento.

“A total ausência de limites é tão ruim quanto ter muitos limites. Eles precisam explorar, descobrir, inventar… tudo isso implica um certo nível de risco. Se limitarmos (o comportamento deles) tanto que as crianças entendam que tudo tem regras que não podem ser descumpridas, estamos restringindo seu próprio desenvolvimento”, escreveu Abel Domínguez, psicólogo e diretor da Dominguez.

Encontrar o equilíbrio e evitar transmitir frustrações, são dois aspectos fundamentais para estabelecer bons limites.

“Regras e limites não se anulam, simplesmente ajudam a adquirir o autocontrole , algo necessário na vida. Estamos dizendo aos menores o que pode e o que não pode ser feito”, diz Álava em seu livro.

De fato, se uma criança crescesse sem saber como restringir seu comportamento, o resultado poderia ser fatal.

“Se ela cresce sem que eles sejam colocados, pode se tornar um sociopata, que não leva em consideração os desejos e direitos dos outros e busca apenas satisfazer seu hedonismo”, alerta Domínguez.

Não adianta ter uma longa lista do que pode e do que não pode ser feito, pois pode até ser contraproducente. “Os limites têm que ser claros, breves e adequados à idade. Muitos limites restringiriam a liberdade da criança.”, recomenda Álava, que lembra que toda vez que uma regra é definida, deve-se explicar sua razão de ser.

Além disso, todas as regras devem ser consistentes com os comportamentos que os pequenos percebem.

“Impor não funciona; Toda vez que uma regra é estabelecida, sua razão de ser deve ser explicada”
Silvia Álava

Apresentá-los como algo que nos ajuda a todos a ter uma convivência, melhorará a aceitação de quem os recebe. “Com os adolescentes é preciso introduzir sentimentos para que adquiram uma cultura emocional. ‘Estou decepcionado com o que você fez e agradeceria se não o fizesse’ ou oferecer alternativas aos comportamentos que eles desenvolveram”, explica a psicóloga.

No nosso dia a dia todos experimentam frustração, satisfação, alegria ou tristeza. É uma oportunidade e uma obrigação como pais preparar a criança ou o jovem e ensiná-los a gerir a frustração.

É um processo pelo qual eles aprenderão a se autorregular. No entanto, Álava alerta que em nenhum momento é necessário estabelecer uma punição exemplar, mas sim, expor as consequências lógicas, tanto comportamentais quanto emocionais, caso a regra não seja seguida.

“Nunca é necessário castigar a criança para que ela aprenda ou fazer qualquer coisa para que ela se sinta mal ou a insultar de alguma forma. Por exemplo, se ela te desrespeitou, você pode dizer: ‘Espere um pouco, preciso de um tempo, porque você me fez sentir mal’. Mas em nenhum momento você deve puni-lo”, explica a especialista.

“É uma oportunidade e obrigação como pais, estabelecer limites saudáveis, preparar a criança e ensiná-la a administrar os sentimentos e emoções, mostrando a ela como eles se sentem”. Iara Fonseca

*DA REDAÇÃO RH. Foto de Jonathan Borba no Unsplash.

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

RECOMENDAMOS









Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia