Se você quer mudar sua vida, pare de culpar os outros

Resiliência Humana
se-voce-quer-mudar-sua-vida-pare-de-culpar-os-outros

Se você quer mudar sua vida, pare de culpar os outros

Todos nós experimentamos circunstâncias que nos fazem querer culpar os outros, algum tipo de deus, vida ou o que quer que seja – qualquer um, menos nós mesmos.

Temos um relacionamento difícil e a culpa é deles se não conseguirmos nos conectar com eles.

A vida dá um soco ruim em nós e é um karma ruim.

A fila no balcão é irritantemente longa e culpamos a equipe por não ser suficientemente eficiente.

Nossa última postagem no Instagram recebe menos curtidas, então elas devem ter mudado o algoritmo novamente.

Responsabilize-se

Embora seja importante ir com calma e simplesmente aceitar o fato de que as coisas às vezes simplesmente não funcionam da maneira que você esperava, você também precisa se responsabilizar e assumir a responsabilidade por sua própria vida.

Você é responsável por seus relacionamentos, por seu “mau karma”, por deixar uma longa fila incomodá-lo, por não conseguir o envolvimento nas mídias sociais que você gostaria.

Porque se você não é responsável, não vai cuidar dos seus problemas. E se você não é, então quem é?

Depois de entender isso completamente, você pode decidir tomar uma ação para consertar o que precisa ser consertado ou deixar ir e seguir em frente, não de um local de raiva, mas de um local de humildade.

Às vezes, não há muito que você possa fazer para mudar suas circunstâncias, mas o que você pode fazer é mudar a maneira como percebe as coisas e seus sentimentos em relação a elas.

Não importa o que, você sempre pode decidir sua atitude em relação à vida. Então, de certa forma, você está sempre no controle.

Ficar preso nunca é sua culpa, mas ficar sempre preso é sua responsabilidade.

Por que culpamos os outros

A culpa é um dispositivo muito comum para escapar da responsabilidade e proteger-se da dor, apontando o dedo para outras pessoas.

Mas o alívio que sentimos ser apenas temporário, pois isso nos impede de encontrar ativamente soluções para nossos problemas.

Como o monge budista Ajahn Chah disse uma vez:

“Culpar alguém por seu sofrimento é como ter um problema na cabeça e coçar o traseiro. Então agora você tem dois problemas pelo preço de um.”

E lá estamos novamente, arranhando o mesmo velho buraco, culpando alguém que nos prejudicou, alguma força maior ou a sociedade em geral, se as coisas não saírem do jeito que queríamos, quando tudo o que precisamos é de uma pequena mudança em nossa mentalidade.

Como assumimos a responsabilidade

Culpar não funciona. Isso leva ao sofrimento inevitável.

Ao projetar responsabilidades externas, deixamos-nos sentir impotentes. Se nunca nos sentimos responsáveis, não tomamos medidas para mudar as coisas que estão sob nosso controle.

Portanto, as circunstâncias indesejadas persistem e o ciclo de frustração continua.

Quando percebemos que apontar o dedo não ajuda, é natural virar a culpa para nós mesmos.

No entanto, isso apenas nos faz sentir incompetentes e prejudica nossa auto-estima a longo prazo. Não é sustentável e não é saudável.

A ideia aqui é simplesmente deixar de lado a palavra culpa, liberar qualquer negatividade nela, e apenas assumir nossa responsabilidade e aceitar a situação como ela é. Isso nos dá a força para seguir em frente.

Ao assumir uma responsabilidade honesta e humilde, quebramos o ciclo da culpa e percebemos que somente podemos mudar a situação porque é a nossa situação.

Da próxima vez que estiver preso à incerteza, lembre-se de que você é uma força poderosa da natureza e que ela passará enquanto você assumir total responsabilidade por ela.

Porque é assim que você se fortalece e avança: assumindo total responsabilidade por sua própria vida.

Ficar preso nunca é sua culpa, mas ficar sempre preso é sua responsabilidade.

*Foto de gryffyn m em Unsplash

*Tradução e adaptação REDAÇÃO RH. Com informações Thought Catalog.

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia