Se cair sete vezes, levante oito

Resiliência Humana

Não desista, você ainda está na hora de alcançar e começar de novo, aceitar suas sombras, enterrar seus medos, liberar o lastro, levantar voo novamente.

Não desista da vida, continue a jornada, siga seus sonhos, desbloqueie o tempo, corra os escombros e descubra o céu.

Não desista, por favor, não desista, mesmo que o frio queime, embora o medo morra, mesmo que o sol se ponha e o vento esteja silencioso. Ainda há fogo em sua alma, ainda há vida em seus sonhos.

Abra as portas, retire as fechaduras, deixe as paredes que protegem você, viva a vida e aceite o desafio. Recupere risadas, ensaie uma música, abaixe sua guarda e abra suas mãos, abra suas asas e tente novamente, celebre a vida e retorne aos céus.

(…)

Porque todo dia é um novo começo, porque esta é a hora e a melhor hora, porque você não está sozinho, porque eu amo você.

-Mario Benedetti


O sol sempre sobe

Muitas vezes é difícil levantar depois de uma queda. Nosso corpo dói, nossas pernas tremem e não conseguimos acompanhar. No entanto, apesar do sofrimento, podemos sempre procurar um ponto de apoio em nosso interior.

Todos nós temos razões para ressurgir como monótonos, solitários ou dolorosos como a nossa vida é. Pessoalmente, mesmo que o frio esteja queimando, ser forte é a melhor opção.

Mario Benedetti nos ilustrou fortemente neste poema de que somos todos capazes de progredir, que a entrega nunca é uma opção real, mesmo que isso aconteça centenas de vezes em nossa mente.

E isso é resiliência, RESISTÊNCIA. Para isso, é bom criar um lema como “persista, insista e resista” ou lembre-se de poemas como o que apresentamos anteriormente.

Isso irá nos ajudar a superar em tempos difíceis, para nos lembrar que, se somos fracos é porque nós podemos ser fortes, para tirar as lições aprendidas com quedas, ter a força e a coragem suficiente para se livrar do que nos aprisiona e não nos machucar mais.

Aceite a vida com suas vantagens e desvantagens

De qualquer forma, sofremos mais do que o necessário. Isso acontece porque estamos errados na maneira como agimos em face da adversidade. Ou seja, nós os confrontamos quando o que temos que fazer é aceitá-los e vivenciá-los. No final do dia, depois da tempestade sempre vem a calma.

Isto é, por que lutamos contra a tristeza quando se trata de nos dizer algo? Não é normal ficar triste quando você perdeu o emprego? E ficar com raiva quando algo é injusto?

Quando algo fica feio em nossa vida, é apropriado dar um passo e pisar nos freios. Obviamente, isso é bastante difícil, considerando que aprendemos a lutar contra o que não nos faz sentir muito bem.

Ser feliz não é um sentimento, é uma decisão


Há prazer e felicidade. Renuncie o primeiro a possuir o segundo

Buddha Gautama


A felicidade não é exterior, é interior; portanto, sua felicidade depende de você. Claro, o que acontece ao seu redor pode ou não ajudar, mas no final do dia a última decisão é sua.

De fato, ser feliz implica sofrimento, é uma condição estranha, porque só o forte resiste a isso. Quão irônico, certo? A verdade é que não é tão estranho pensar que a felicidade implica plenitude, que é um equilíbrio emocional que também precisa de tristeza e obstáculos.

Não seremos mais felizes em ter mais sensações de prazer, porque senti-lo através do corpo não nos oferece mais felicidade. Nem seremos porque temos menos problemas na vida, para resolvê-los rapidamente ou para preencher nossa carreira de triunfos.

A felicidade supõe um reencontro consigo mesmo que vai além da satisfação. Não teremos esse sentimento a menos que esteja aceitando e experimentando o que acontece ao nosso redor. É por isso que precisamos ouvir a dor da queda, porque será a única maneira de se levantar, mesmo que as feridas nos tenham deixado tocados.

Texto originalmente publicado no Rincon del Tibet, livremente traduzido e adaptado pela equipe da Resiliência Humana.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS







COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia