Saber que tudo passa, faz melhor o que já é bom e menos mau o que não presta

André J. Gomes

Passa, sim. Você e eu sabemos que tudo isso vai passar. O que é bom e nos faz felizes, o que é ruim e nos entristece. Tudo passa.

Todo instante bonito vem com um recado na brisa, ventando mansinho e dizendo “eu estou passando, aproveite”.

Toda hora de angústia traz em sua dor um conforto gentil, soprando nossas feridas como quem nos pede calma, que daqui a pouco elas cicatrizam e passam.

Encaremos a vida, minha gente, esse ofício de aproveitar o que nos faz bem e caminhar para longe do que nos faz mal. Cada prazer e toda delícia passam.

Todo mal e cada agonia, também.

Pensar sobre isso me faz desconfiar de que nenhuma queda de braço vale a pena, que todo bate-boca e cada peleja por razão não passam de soberba inútil, jogo infecundo que ninguém ganha e em que todos perdem.

Em qualquer peleja fútil perdemos amigos, sossego, tempo. Esse tempo precioso que também passa.

Minha alegria carece de apreço. Merece atenção.

Passa rasgando o céu feito foguete e some no sem-fim de estrelas.

Sabê-la impermanente, passageira, me faz amá-la e respeitá-la de todo jeito, em cada instante de seu tempo, até que a vida nos separe.

Assim, entender que minha tristeza também vai embora a faz mais frágil.

Já não tenho medo de ser triste porque sei que não vai ser para sempre, nem sinto culpa da minha alegria porque compreendi que ser feliz é questão de merecimento.

Tudo passa.

O que nos fere e o que nos cura, o que alegra e o que entristece.

A nós só nos resta viver a vida com vontade e com amor.

Saber que ela é assim, tão finita quanto bela, faz melhor o que já é bom e menos mau o que não presta. Vivamos, pois!

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS







COMENTÁRIOS




André J. Gomes
http://www.revistaletra.com.br/ Jornalista de formação, publicitário de ofício, professor por desafio e escritor por amor à causa.