A RESILIÊNCIA DAS MULHERES É A SUA ARTE DE DAR A VOLTA POR CIMA!

Jackson César Buonocore

A resiliência é uma força interior que nos assegura enfrentar situações adversas da vida. Nascemos com essa energia e podemos direcioná-la para suportar grandes abalos, transformando as experiências negativas em aprendizado.

Essa é à força da resiliência das mulheres brasileiras. Elas desempenham a notável função em ceder seus talentos e inteligência na construção de uma Nação mais justa e igualitária, apesar dos árduos contratempos colocados pela sociedade.

São inegáveis as adversidades que fazem parte do dia a dia das mulheres deste País, tais como: violência doméstica, sexismo, machismo, subemprego, separações traumáticas e tantos outros problemas. Na perspectiva patriarcal esses infortúnios seriam incapacitantes.

Enganam-se, descaradamente, quem ainda defende a lógica patriarcalista, em razão de que a resiliência das mulheres é surpreendente: “é a arte de dar a volta por cima,” pela sua capacidade singular de utilizar os recursos internos e externos, de driblar os obstáculos no trabalho, na família, nos relacionamentos, sobretudo, na sociedade.

Porém, como as mulheres extraem essa coragem? É porque elas aprenderam a construir soluções criativas retiradas da historia de lutas de cada mulher. Quem ganha com isso? Sãos os filhos, as famílias, as empresas, as comunidades e o Estado, pois o ânimo fecundo das mulheres transforma o mundo um lugar decente e feliz de se viver.

Entre as mulheres resilientes estão advogadas, engenheiras, jornalistas, administradoras, economistas, geógrafas, ambientalistas, psicólogas, servidoras públicas, operárias, donas de casa e de tantas outras profissões e estilos de vida. São mulheres brancas e negras, lutadores e responsáveis, que têm uma dupla ou tripla jornada de trabalho, uma vez que desempenham os papéis de esposas, noivas, namoradas, companheiras, mães, avós, filhas, irmãs, sobrinhas e tias.

Um dos exemplos extraordinários, como muitos outros, de resiliência é a história da cearense Maria da Penha Maia Fernandes, farmacêutica bioquímica, que foi vítima das constantes agressões do então marido, onde sobreviveu a duas tentativas de assassinato por parte de dele. A luta de Maria da Penha deu o nome à Lei n° 11.340, de 2006, que instituiu mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra as mulheres.

Sabemos que a vida é atravessada de circunstâncias difíceis em um País injusto e desigual como o nosso, que desqualifica a existência de milhões de brasileiros, devido aos traumas, econômicos, sociais e psicológicos.

Portanto, as mulheres brasileiras nos contemplam de exemplos inspiradores – de como nos recuperar – desses percalços, visto que a resiliência delas é como disse o escritor português, José Saramago: “Das habilidades que o mundo sabe, essa é a que ele ainda faz melhor: dar voltas!”

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Jackson César Buonocore
Sociólogo e Psicanalista

COMENTÁRIOS