Realidade muito comum: “Estou com medo de enlouquecer!”

Resiliência Humana
realidade-muito-comum-estou-com-medo-de-enlouquecer

Realidade muito comum: “Estou com medo de enlouquecer!”

Eu estou ficando louco?

Medo, sensação de perder o controle, pensamentos obsessivos e negativos … Muitas pessoas se perguntam isso com frequência. O que está por trás dessas experiências?

O medo de ficar louco é uma realidade cada vez mais comum. Longe de ser irônicos com essa situação, devemos nos conscientizar do que significa ter a sensação de estar perdendo o controle de si mesmo.

Sentir que o medo está dominando nossa vida e que nosso próprio corpo é dominado por mil sensações diferentes, aterroriza e imobiliza.

Assim, o que está na maioria dos casos por trás dessas experiências e situações é a ansiedade.

Porém, não é por isso que vamos minimizá-la, pois os transtornos de ansiedade são exaustivos, alteram completamente a qualidade de vida das pessoas e, às vezes, podem levá-las a situações extremas. Também não podemos ignorar que nos últimos anos (e meses) essas situações estão aumentando.

“Diga-me … estou ficando louco?” Esta é possivelmente uma das perguntas mais frequentes em terapia psicológica. É hora de entender que, como disse Viktor Frankl, uma reação anormal à uma situação anormal é normal. Ou seja, há momentos em que sentir medo, preocupação, insegurança ou mesmo pânico está além da compreensão.

Vamos cavar um pouco mais fundo.

Medo de enlouquecer: por que? O que explica essa situação?

“Louco” é uma palavra que carrega consigo um grande estigma e que há décadas tentamos erradicar do mundo da psicologia. Porém, na linguagem popular não faltam pessoas que usam esse termo para designar alguém que se comporta de maneira diferente, que reage de maneira inusitada ou que, com coragem e decisão, vive uma vida de acordo com seus desejos.

Agora, embora entendamos que esta palavra não se ajusta a nada em particular e é altamente lamentável, ela é usada quando alguém sente que está perdendo o controle. É basicamente o pensamento mais recorrente entre aqueles que sofrem de um transtorno de ansiedade. Nós o analisamos.

O medo de ficar louco e sua relação com a ansiedade

A maioria das pessoas com ansiedade acaba, mais cedo ou mais tarde, supondo que há algo errado com seu cérebro. “Por que todo mundo leva as coisas com tanta calma e eu acabo caindo em um buraco negro de preocupação?

O que há de errado comigo?

Os pensamentos que acompanham esses estados psicológicos são autodestrutivos e difíceis de dominar.

Essas realidades se tornam ainda mais intensas quando, por exemplo, surge o primeiro ataque de pânico.

É então que o medo se intensifica, quando a mente fica obcecada pelo medo de reviver aquela sintomatologia extrema em que não há respiração, o coração dispara e a pessoa acredita que está para morrer.

A sensação de irrealidade que acompanha esses estados (e causada por um aumento da adrenalina) intensifica essa sensação, a de perder a cabeça.

Ver que não consegue se controlar nem perceber que seu corpo e mente dispara todos os alarmes. Será mesmo que eu estou ficando louco?

Por outro lado, esses tipos de pensamentos também costumam ser comuns nos transtornos obsessivo-compulsivos . Assim, estudos como o realizado na Concordia University, no Canadá, por exemplo, influenciam nesse mesmo fato.

A necessidade de verificar, por exemplo, cinco a dez vezes que fechamos a luz da casa ou não podemos sair sem antes realizar certos comportamentos ou rituais coloca a pessoa em um estado mental quase desesperado. O medo de ficar louco ou de acreditar que já está louco é recorrente e até compreensível.

Que outras dimensões podem nos fazer acreditar que estamos perdendo nossa sanidade?

Na realidade, o medo de “perder a cabeça” quase sempre acompanha estados de ansiedade. No entanto, também pode haver outros gatilhos que devem ser considerados. São os seguintes:

Passe por momentos de estresse muito intenso em que surjam falhas cognitivas. Assim, fatos como perceber que esquecemos certas coisas, que não podemos nos concentrar ou que temos cada vez menos paciência e que as emoções nos prendem, podem desencadear esse pensamento.

Ter familiares que sofrem ou já sofreram de transtornos mentais.

Às vezes, podemos ficar obcecados com a ideia de que também sofreremos com eles.

Por outro lado, há outro fato importante a ser considerado. Há quem não deixe de se observar, atento a tudo o que o seu corpo vivencia ou o que a mente sente . Em seguida, ele faz uma pesquisa na Internet para descobrir o que pode estar por trás desses sintomas. O medo de contrair doenças ou, ainda mais, de sofrer de certos distúrbios psicológicos é outro fator que alimenta essa crença.

Da mesma forma, estágios intensos de mudança também intensificam o medo de enlouquecer. Mudar de casa, de emprego, de ter um filho … Tudo isso nos coloca diante de grandes desafios.

O que fazer diante da angústia persistente por perder a cabeça?

Você não pode ficar obcecado com a ideia de ter uma doença cardíaca e não ver um cardiologista . Nem é ilógico ficarmos obcecados por termos um carcinoma na pele e não irmos ao dermatologista.

Portanto, é igualmente contraditório acreditar que estamos perdendo a sanidade e não procurar um psicólogo.

O medo de enlouquecer é uma ideia irracional que deve ser redirecionada . Não somos loucos, estamos passando por uma situação pessoal e emocional complexa que se enquadra na normalidade.

Quer soframos de um transtorno de ansiedade ou de qualquer outro problema psicológico, devemos ter clareza sobre um aspecto. Ansiedade, depressões, fobias, ataques de pânico, etc. eles não são manifestações de loucura. São estados pelos quais todos podem passar e que têm tratamento.

Qualquer medo ou ideia obsessiva é enfrentado entrando em contato consigo mesmo , com o que é necessário e nomeando cada processo. Pouco a pouco, assumiremos o controle de nossa mente e de nosso comportamento.

Portanto, sejamos claros, a loucura como tal não existe. Existem necessidades específicas que exigem atenção específica e personalizada. Todo problema mental ou emocional, transtorno ou desafio tem uma resposta terapêutica. Não hesite em solicitá-lo.

*Tradução e adaptação REDAÇÃO RH. Com informações La Mente es Maravillosa
*Foto de Olhar Angolano no Unsplash

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia