Quero deixar de lado o que não volta mais.

Sil Guidorizzi

Quero uma frase bonita estimulando meus dias. Quero o desapego, quero meu emocional mais ajustado, quero deixar de lado o que não volta mais.

Quero dizer, quero sentir, quero buscar, quero não ter que me justificar.

Atravesso portas, abro janelas, diminuo os passos, reflito.

Já ouvi o necessário, já fiz o que podia, já não sou mais aquela menina que se deixou levar.

Volto quando puder, quando quiser, quando estiver mais distraída.

Agora quero a proximidade do tempo, quero Deus no peito, quero apagar pequenos trechos do meu diário particular.

Na alma levo o necessário, levo a coragem que me abriu os braços, a força que ressuscitou o coração.

Não devo nada a ninguém. Não preciso levantar a voz, apontar o dedo, ou sangrar de novo.

Recuperei o fôlego, acertei os passos, busquei fé e luz pra compartilhar meus dias.

Não vivo de me gabar ou de espalhar as dores que suportei. Felicidade é coisa que também existe, abrigo é onde o profundo reside.

Renascer faz parte, viver é preciso.

Tenho tentado do meu jeito. Não preciso agradar, não preciso mudar as coisas de lugar. Estou aprendendo a transitar nas minhas fraquezas e a repetir aqui dentro que minhas inseguranças são passageiras.

Empresto-me pro tempo, me alio ao bem, me sinto em paz. Desejo que cada um também se encontre através da autoconsciência.

Por vezes é preciso parar e fazer uma análise íntima e introspectiva de si mesmo (a).
A vida não é só julgar ou culpar. Ela é feita de coisas que vão mais além.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS







COMENTÁRIOS




Sil Guidorizzi
Sou Paulista, descendente de Italianos. Libriana. Escritora. Cantora. Debruço-me sobre as palavras. Elas causam um efeito devastador em mim. Trazem-me â tona. Fazem-me enxergar a vida por outro prisma. Meu primeiro Livro foi lançado em Fevereiro de 2016. Amor Essência e Seus Encontros pela Editora Penalux. O prefácio foi escrito pelo Poeta e Jornalista Fernando Coelho. A orelha escrita pelo Poeta e jornalista Ivan de Almeida. O básico do viver está no simples que habita em mim.