Quem não está emocionalmente abalado, que atire a primeira pedra em Will Smith.

A premiação do Oscar 2022 nos proporcionou um momento de reflexão. Fomos todos levados a analisar o comportamento, um tanto quanto, reativo e agressivo, de um ídolo, que sempre nos proporcionou momentos de inspiração, mas que, depois de enfrentar uma pandemia, a doença da esposa e a sucumbir emocionalmente a pressão do mundo, se deparou com as sombras que existem em seu interior.

Will Smith, é um excelente ator que teve a oportunidade de interpretar papeis extraordinários, de figuras icônicas a personagens heróicos, mas a verdade, é que ele é um ser humano, assim como nós, com suas qualidades e defeitos.

Não é justo cobrar que um ser humano, sempre faça escolhas acertadas, sempre tenha atitudes conscientes e positivas. Porque o ser humano é falho e, na maioria das vezes, precisa errar para aprender com os seus erros.

Em seu discurso, após receber o prêmio tão aguardado de melhor ator, Will disse que está se sentindo muito pressionado com o chamado de amor que tem recebido. Falaremos disso aqui.

É inegável que, o erro, o fracasso e a inconstância emocional, nos ensinam mais do que o sucesso e a glória. Will aprendeu mais sobre o amor, em um dia de descontrole, do que já havia aprendido em toda a sua vida. O mundo está emocionalmente abalado, quem não estiver, que atire a primeira pedra.

Os nossos erros, quando são reconhecidos por nós, se transformam em lições grandiosas.

Se não fosse assim, todos nós gozariamos de um sucesso avassalador para que, assim, pudéssemos evoluir mais rápido. Mas não é isso que acontece.

Estamos trilhando um caminho cheio de obstáculos pela vida, e precisamos sempre estar atentos ao nosso comportamento, porque ele nos revela, as emoções, pensamentos e sentimentos que estamos alimentando, inconscientemente.

Inevitávelmente, tenha certo que, se você está agindo de maneira reativa, você não está equilibrado emocional, mental, e nem espiritualmente. Procurar ajuda na primeira situação reativa, é o melhor a se fazer. Mas se você negar a si mesmo essa ajuda, em uma próxima oportunidade, a besteira que você vai fazer, poderá ser maior e até irreversível.

Will, talvez, já estava consciente de que está emocionalmente abalado com tudo o que vem acontecendo em sua vida. Talvez, antes do tapa, não tivesse percebido o quanto o desamor do mundo o estava afetando e o quanto ele precisa de ajuda para enfrentar tudo o que vem acontecendo.

Muitas vezes, achamos que precisamos ser fortes e proteger quem a gente ama e não nos permitimos ser vulneráveis e receber cuidados. Acontece que nenhum de nós é super-herói, todos precisamos de cuidados.

E quando caminhamos pela vida, com muitos compromissos, com o olhar voltado para fora, a gente se perde de si mesmo, e não percebe o que está se passando dentro de nós.

Will precisou deixar aflorar a sua agressividade, enquanto o mundo o assistia, para perceber que precisava olhar para a sua saúde mental e emocional.

Se ele não parar para olhar pra isso, uma doença física pode se manifestar em um futuro próximo. Porque doenças só se manifestam em nosso corpo físico, quando já estamos doentes, emocional, mental ou espiritualmente.

“Ah, mas foi só um tapa merecido”, alguns dizem, mas a questão não é se o outro merece ou não, a questão é, o que nos levou a essa reação emocionada?

Será que se ele estivesse bem emocionalmente, reagiria igual?

Acredito que, com tanto conhecimento que Will tem, ele jamais se comportaria daquela maneira se estivesse emocionalmente equilibrado. Pelo contrário, ele traria uma resposta positiva, daria uma lição de moral e valores a todos nós. E é exatamente isso que Deus quer de Will, quando o provoca em público, porque não basta escutar o chamado de amor, é preciso agir com amor, e é exatamente isso que Will vai aprender com essa história toda.

A nossa agressividade é um reflexo das necessidades não atendidas.

Todas as pessoas que estão sendo dominadas pela agressividade e pela raiva, estão negligenciando as suas necessidades essenciais e priorizando outras coisas, que em verdade, não são essenciais em sua vida.

Quando nos deixamos levar por situações e coisas que não são essênciais, perdemos a noção do que realmente importa, agimos assim, reativamente, e nós mesmos, passamos a não nos reconhecer.

Começamos a nos sentir ameaçados por situações e pessoas, olhamos para tudo como provocação e sentimos que o mundo seria muito melhor se algumas pessoas não existissem.

O problema é que, mesmo aquelas pessoas que nos fazem mal, são nossos irmãos, são nossos semelhantes, são reflexos do que já fomos um dia, ou do que poderemos ser, se não nos tornarmos conscientes de quem somos.

Nós só desejamos o mal do outro, ou fazemos mal, quando estamos inconscientes da nossa própria sombra. Dessa forma, acabamos olhando apenas para a sombra dos outros, e acreditamos que devemos fazer justiça com as nossas próprias mãos.

O que a gente não entende, quando estamos emocionalmente desequilibrados, é que nos sentimos motivados a defender com unhas e dentes o que para nós, é importante, mas fazemos isso, de uma forma equivocada, porque estamos desconectados da fonte do amor. E esses atos impensados, servem justamente para isso: Para nos alertar que estamos caminhando insconsientes e que precisamos retornar ao centro de amor que existe em nós.

Porém, mesmo que o chamado do amor esteja vibrando em nossos corações, a rigidez dos pensamentos, a negação dos sentimentos, e o desequilíbrio das emoções acabam nos levando a cometer atos desconectados desse amor.

Para mim, foi exatamente isso que acontecei com Will. A certeza de que somos feitos de luz e sombra, e a sabida necessidade de unificar e acolher todas as suas partes, o levou a expor a sua vulnerabilidade e a ofuscar o seu momento de glória. Afinal, como eu já disse aqui, o erro nos ensina mais do que a glória.

O fato é que não devemos reagir as provocações que nos fazem, devemos refletir, ponderar e respirar fundo para sempre trazer uma resposta positiva a quem nos ofende.

Mas como cobrar uma atitude consciente de quem está sofrendo internamente, lutando contra as suas próprias sombras, mesmo sabendo que a sua missão é promover o amor?

Uma pessoa que tem uma reação agressiva, não deve ser apedrejada em praça pública, porque estaremos pagando a ela, na mesma moeda de desamor e incompreensão. O que essa pessoa precisa é de acolhimento e empatia, porque todos nós já tivemos os nossos momentos de fúria e rompantes de agresividade, que logo depois, nos arrependemos.

Will precisa de amor, de compreenssão, de aceitação e de apoio, não um apoio que passe a mão na cabeça e diga: “É isso Will, você fez certo em estapear aquele ignorante’, não, não é esse tipo de apoio que ele precisa.

Ele precisa de compreenssão profunda, de ajuda para aprender a acessar esse amor que ele mesmo sabe que está sendo chamado a trabalhar e promover.

O que muitas pessoas não sabem é que quando recebemos esse chamado de amor, mas não estamos, ou achamos que não estamos prontos para ele, a nossa resistência e negação inconscientes, nos levam a situações como essa, de humilhação pública, para que, diante da vergonha, paremos de resistir, e aceitemos esse amor, conscientemente, de forma consensual.

Will precisa acolher as suas sombras para deixar a sua luz incidir no mundo, não a luz do astro dos melhores filmes do mundo, mas a luz do amor que vive dentro dele. Mas com tudo isso que vem acontecendo no mundo, a revolta interna parece ser incontrolável, e é justamente essa revolta, que dificulta o acesso ao amor.

Uma reação emocionada e destemperada revela muito sobre o que devemos começar a trabalhar em nós.

E é essa lição que Will, com sua atitude, conseguiu nos ensinar.

Os momentos em que nos sentimos verdadeiramente envergonhados com a nossa atitude, são os que mais nos desafiam a tomar consciência do que devemos melhorar em nós.

Deus sempre usa aqueles que estão em evidência para nos ensinar algo, é importante, em vez de julgar a atitude que ele teve no palco do Oscar, olhar para si mesmo, e acolher a lição que Deus quer enviar para toda a humanidade, no momento em que o mundo estava acordado para assistir.

Will recebeu o chamado do amor, como todos nós estamos sendo convocados por ele, mas entre o chamado do amor e a prática, existe uma linha tênue que precisa ser ressignificada.

De que forma?

Olhando para as nossas sombras, acolhendo e aceitando que também temos um instinto bélico em nós e parando de apontar os erros nos outros, como se, só os outros, tivessem sombras escondidas a serem iluminadas.

Todos nós temos sombras, e precisamos estar conscientes delas, para que possamos agir com inteligencia emocional nos momentos que nos desafiam.

Para que a gente possa escolher a luz, em vez de deixar que o pior de nós, nos controle.

Você está emocionalmente abalado?

Envie um DM para @escritoraiarafonseca, busque ajuda com as pessoas certas. E eu sei que posso te ajudar.

*DA REDAÇÃO RH. Texto de Iara Fonseca, jornalista, escritora, editora de conteúdo dos portais Resiliência Humana, Seu Amigo Guru, Homem na Prática e Taróloga. Para agendar uma SESSÃO DE AUTOEXPANSSÃO com a Iara, mande um direct para @ESCRITORAIARAFONSECA

*Foto: Divulgação/ Reprodução Oscar 2022.

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

RECOMENDAMOS









Jornalista, escritora, editora chefe e criadora de conteúdo dos portais RESILIÊNCIA HUMANA, SEU AMIGO GURU e HOMEM NA PRÁTICA. Neurocoaching e Mestre em Tarot. Para contratação de criação de conteúdo, agendamento de consultas e atendimentos online entrem em contato por direct no Instagram @escritoraiarafonseca .