Quem engole muito, no final afoga: Os riscos de silenciar emoções

Resiliência Humana

Por: Ricón de la Psicología

“Quem engole muito no final se afoga “, diz um velho ditado que você provavelmente já ouviu falar na ocasião. Freud também nos alertou para os perigos de silenciar sentimentos dizendo: “As emoções reprimidas nunca morrem. Eles são enterrados vivos e virão à luz da pior maneira.

De fato, às vezes a sabedoria popular encontra apoio na ciência. Em certos casos, reprimir nossos sentimentos e pensamentos, por medo de ofender os outros ou de sermos vulneráveis, pode acabar causando danos a nós mesmos. As emoções que se acumulam nos ferem em silêncio, tornam-se fantasmas que danificam nosso corpo e mente.

Se você não expressar o que sente, não será capaz de se defender

Se você não expressar seu desconforto, é provável que a pessoa que está machucando você não esteja totalmente ciente das consequências que suas palavras ou atitudes têm em você. Muitas vezes esperamos que sejam os outros que percebem que estão ultrapassando os limites, que adivinhem nossos sentimentos e pensamentos.

Aqueles que nos rodeiam não são cartomantes e, embora seja verdade que eles possam intuir algumas coisas, às vezes eles podem ser auto absorvidos em si mesmos para perceber o impacto negativo que suas palavras ou comportamentos têm. Portanto, cabe a nós notar que eles estão nos causando danos. Precisamos encontrar um equilíbrio entre aqueles momentos em que é mais sábio silenciar e aqueles em que é necessário falar para defender nossas necessidades e proteger nosso equilíbrio emocional.

Emoções reprimidas tornam-se problemas psicossomáticos

Mente e corpo formam uma unidade, por isso não é estranho que emoções e sentimentos reprimidos acabem se expressando através de problemas psicossomáticos. Um estudo muito interessante realizado na Universidade de Aalto revelou como diferentes emoções impactam nosso corpo, gerando diversas reações. A raiva contida, por exemplo, tem sido associada ao dobro do risco de ter um ataque cardíaco, o que não é estranho, pois se olharmos para a figura abaixo, pode-se ver que as manifestações da raiva estão concentradas parte superior do corpo.

Sabe-se também que o estresse desencadeia a produção de cortisol, hormônio que gera processos inflamatórios muito prejudiciais às células do nosso corpo e que estão na base de doenças tão graves quanto o câncer.

De fato, um estudo clássico realizado na Universidade de Stanford revelou que pessoas com tendência a suprimir suas emoções, classificadas como “personalidades repressivas”, reagem com uma ativação fisiológica maior a situações desafiadoras do que pessoas que sofrem de ansiedade.

Em geral, as pessoas com tendência a silenciar seus sentimentos correm maior risco de aparecer na forma de sintomas psicossomáticos, desde tensão muscular e cefaleia até problemas gastrointestinais, dermatológicos ou ainda mais graves. Sério e complexo. A calma do repressor tende a passar uma grande fatura à saúde.

Alívio emocional: expressar seus sentimentos é fundamental para o seu bem-estar
Por muito tempo considerou-se que era de mau gosto ventilar as emoções. De fato, quando crianças, aprendemos que não devemos chorar ou ficar com raiva. Como resultado, muitos adultos nunca aprenderam a administrar de forma assertiva seus estados emocionais, eles simplesmente os reprimem.

Neurocientistas da Universidade de Wisconsin apreciaram que os cérebros daqueles que desenvolveram uma “personalidade repressora” funcionam de maneira relativamente diferente. Na prática, mensagens perturbadoras ou perturbadoras levam muito mais tempo para passar de um hemisfério para outro. No entanto, o mesmo não acontece com mensagens neutras ou positivas, o que indica que é uma reação aprendida ao longo do tempo.

No entanto, o alívio emocional é fundamental para o nosso bem-estar psicológico e físico. Falar sobre como nos sentimos ou como os outros nos fazem sentir, sem medo, nos permitirá desenvolver relacionamentos interpessoais mais maduros e autênticos, enquanto nos ajuda a estabelecer limites saudáveis.

Como conseguir isso?

Esteja ciente de suas emoções e sua causa. Se uma pessoa sempre reprimiu suas emoções, é provável que seja difícil aprofundá-las. Mesmo assim, é essencial que você aprenda a identificar o que sente, que você diferencie a raiva do ressentimento, por exemplo, e seja capaz de detectar o que faz você se sentir assim. É um exercício profundo de autoconhecimento para o qual você precisa expandir seu vocabulário emocional conhecendo a ampla gama de emoções e sentimentos.

Suponha que tudo tenha um limite. Os limites não são negativos, muito pelo contrário, pois permitem que outras pessoas saibam até onde podem ir. Se você não definir limites em seus relacionamentos interpessoais, é provável que outros acabem aproveitando sua bondade ou sua capacidade de suportar tudo sem dizer nada, apertando cada vez mais a corda. É importante que esses limites garantam a satisfação de suas necessidades. Dizendo o que você acha que não tem que prejudicar os outros. Defender seus direitos não implica prejudicar os outros. Idealmente, você aprende a dizer o que pensa e sente em relação ao outro, mas assumindo uma postura firme.

Encontre uma maneira assertiva de desabafar. Você nem sempre pode dizer aos outros diretamente o que sente. No entanto, isso não significa que você deva silenciar essas emoções. Você pode conferir através de técnicas como a cadeira vazia, na qual você imagina que a pessoa com quem quer conversar está bem na sua frente. No entanto, você deve ter cuidado, porque os psicólogos da Universidade do Estado de Iowa provaram que algumas maneiras de ventilar as emoções podem ter o efeito oposto, fazendo com que você se sinta pior. A chave está em encontrar uma maneira de praticar o alívio emocional de uma maneira que lhe permita recuperar o equilíbrio perdido, escapando do controle que essas emoções exerceram de seu inconsciente.

Fontes:

Nummenmaaa, L. et. Al. (2014) Mapas corporais de emoções. PNAS; 111 (2): 646-651.
Davidson, RJ (2013) A vida emocional do seu cérebro. Nova Iorque: Plume.

Bushman, BJ (2002) Ventilar a raiva alimenta ou extingue a chama? Catarse, Ruminação, Distração, Raiva e Resposta Agressiva. Boletim de Personalidade e Psicologia Social; 28 (6): 724-731.

King, AC et. Al. (1990) A relação entre estilos de enfrentamento repressivo e defensivo e respostas da pressão arterial em homens e mulheres saudáveis ​​de meia-idade. J Psychosom Res; 34: 461-471.

 

 

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS







COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia