Quem deseja ver o arco-íris, precisa aprender a gostar da chuva. (O Aleph) Paulo Coelho

Karen Padilha

Sinto as coisas acontecendo como um foguete prestes a ser lançado no espaço com a maior força existente e junto dele minha jornada de vida até agora, e que, a qualquer momento ele retornará com as respostas para todos os meus questionamentos.

Minhas opiniões mudando rapidamente em questão de horas, minutos, segundos. Minhas crenças, meus sonhos, meus sentimentos, meus objetivos, pode se dizer assim, exatamente tudo o que considero real na minha vida terrena. Quando menos espero, algo muda.

Intermináveis questões sobre a existência de um modo geral e pessoal também, estão cada vez acumulando mais e mais.

Busco respostas, não as encontro.

Busco soluções, nenhuma parece cabível ou meu medo não me deixa decidir.

Busco mudar o modo de agir diante das situações , mas é como se não adiantasse, meu esforço deixou de ser reconhecido.

Tenho medo de finalmente tomar uma decisão, que nunca pensei que existiria a possibilidade de acontecer. E esse medo me deixa paralisada sem saber, sem respostas, sem ação.

Ao mesmo tempo em que as coisas mudam, elas me paralisam e não sei como agir.

Às vezes eu nem sei o que é que estou sentindo.

Esse sentimento de saber que algo deve ser feito ou pelo menos dito e não saber como fazer é horrível, são tantas coisas a se falar que parece que o silêncio é melhor, até mesmo confortável .

Esse silêncio que tomou conta da situação e está perdurando não é um silêncio qualquer, é um silêncio que quer dizer tanto, ensinar tanto.

Sinto que todo esse vazio de palavras, e de não saber o que está acontecendo seja para que eu aprenda exatamente o que eu não entendo e quando chegar o momento que ele tenha cumprido seu papel, então o silêncio se transformará em palavras, porém, palavras sábias que levarão tempo para serem pensadas e re-pensadas para serem ditas. Palavras que o silêncio me ensinou.

Não entendia muito bem quando me falavam que o silêncio em algumas ocasiões era necessário e não devemos fugir, precisamos aceitar e ter consciência de que alguma coisa será aprendida.

Demorei para entender, porque não entrava na minha cabeça a razão de que o silêncio seria a melhor resposta quando se tem muita coisa para falar, quando não sabemos o que fazer, quando não reconhecemos nossos próprios sentimentos ou até nós mesmos.

Quanto tempo o silêncio tem?

Isso não importa.

O importante é aceitá -lo e aprender.

A grande verdade que acredito firmemente é que, sempre estaremos em busca de algo, de verdades e se a vida fosse o oposto disso, sem nada para ser questionado, entendido, procurado e buscado não faria sentido ou não teríamos razões suficientes para viver.

Nietzsche disse que a vida só tem sentido enquanto temos motivos e razões para viver .

Um dos milhares sentidos da vida são as coisas que não conseguimos entender, nem explicar e por isso podemos dar o sentido que quisermos, o importante é TER SENTIDO.

”Algumas vezes temos de nos perder para descobrirmos quem realmente somos”. – Paulo Coelho.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS







COMENTÁRIOS




Karen Padilha
Sou Karen Padilha natural de Cotia-sp , formada em Introdução a Filosofia ( University of Edinburg – Londres), Introdução a Psicologia ( University of Toronto), Origens da vida no contexto cósmico (USP) e Inglês ( Mayfair School of English- Londres). Áreas como filosofia, psicologia e astronomia são fontes de inspiração para meus projetos. Recentemente acabo de publicar meu primeiro livro , ‘’ O que fizeram de mim? Reflexões sobre traumas e transformações” , pela editora novo século , na categoria de Talentos Da literatura Brasileira. Escrevo para o site ‘’ O Segredo’’, ‘’Kacosmic.com’’, ‘'Entrelinhas literárias’’ e ‘’ Academia do Aprendiz’’. Minha Página no facebook chama ‘’ YOUNIVERSE’’ , meu facebook pessoal ‘’ Karen Padilha’’ e meu instagram ‘’Karenppadilha’'.