Quanto mais você se preocupar em tomar a decisão “certa”, mais infeliz você se sentirá com o que decidir

Resiliência Humana

Quanto mais você se preocupar em tomar a decisão “certa”, mais infeliz você se sentirá com o que decidir!

Você sabia que todos os dias tomamos uma média de 35.000 decisões? 99,74% dessas decisões, no entanto, são tomadas pelo nosso inconsciente, de modo que nem sequer percebemos que estamos tomando uma decisão.

No entanto, os 0,26% restantes, as decisões sobre as quais refletimos, são mais do que suficientes para causar dores de cabeça, estresse e angústia.

Quando devemos conscientemente escolher entre diferentes opções, não queremos cometer um erro, queremos tomar a decisão certa.

Mas essa preocupação com o “direito” torna a tomada de decisão um processo estressante e aumenta as chances de nos sentirmos infelizes depois de tomar a decisão, seja qual for.

Na prática, quanto mais nos preocuparmos em tomar a decisão certa, menos corretos pareceremos ao que decidimos e mais insatisfeitos nos sentiremos.

Como você toma decisões? Você se concentra na avaliação ou na ação

Um estudo recentemente realizado na Universidade de Columbia analisou o estresse gerado pela tomada de decisão. Os psicólogos descobriram que tomar decisões é apenas estressante quando estamos muito preocupados em tomar a decisão certa.

Embora o mais curioso seja o fato de algumas pessoas estarem mais propensas a desenvolver esse tipo de preocupação.

Os pesquisadores apresentaram aos participantes uma série de tarefas nas quais tinham que tomar uma decisão, como comprar um presente de Natal para um amigo e determinar a ordem de prioridade de cinco tarefas diárias.

Eles também foram convidados a lembrar como tomaram as decisões mais importantes no planejamento de seu casamento ou como decidiram em quem votar nas eleições. Eles foram então solicitados a indicar como se sentiram durante o processo de tomada de decisão e como estavam satisfeitos com as decisões tomadas.

Assim, descobriram que cada pessoa segue um caminho diferente para tomar decisões, embora, de um modo geral, tenham descoberto dois grandes estilos de decisão.

– Tomada de decisão orientada para avaliação. Esse estilo de decisão refere-se a pessoas que se preocupam demais em escolher o que acham que é “certo”.

Essas pessoas tomam suas decisões com base em um processo de avaliação minucioso, ao ponto de serem frequentemente obcecadas em encontrar a “verdade absoluta” e fazer as coisas do “jeito certo”.

De fato, se você já se viu em uma encruzilhada e pensou que “preferiria estar certo de ser feliz”, é provável que você seja vítima desse estilo decisional.

Os pesquisadores descobriram que as pessoas que seguem esse estilo de decisão tendem a ser mais estressadas, consideram que tomar decisões é complicado e elas se sentem mais insatisfeitas com sua decisão.

– Tomada de decisão orientada para a ação. Este estilo decisional é baseado em movimento e mudança. Essas pessoas rapidamente tomam suas decisões e agem de acordo.

Eles não ficam presos no processo mental, mas tomam uma decisão e exploram esse caminho, conscientes de que, se não funcionar, podem tomar outro.

Enquanto as pessoas que se concentram na avaliação estão tão preocupadas em escolher corretamente que permanecem paralisadas, aquelas que são orientadas para a ação já estão no meio do caminho.

Qual estilo decisional é melhor?

Os pesquisadores dizem que quando se trata de decisões cotidianas, como escolher alimentos ou T-shirt, é mais apropriado para se concentrar na ação como isso vai acabar em breve e é mais provável que se sentem satisfeitos com nossa decisão e não dar muitas voltas .

A tomada de decisões com base na avaliação deve ser limitada àquelas decisões que envolvem um alto risco, como um investimento financeiro ou aqueles que alteram o curso de nossas vidas.

No entanto, devemos ter cuidado para não ficarmos presos na fase de avaliação, porque a inclinação para um estilo de tomada de decisão valorativa nos tornará mais propensos a angústia e estresse na tomada de decisões.

Pesando tantas opções, preocupar-se demais para tomar a decisão “certa” causa um grande desgaste mental e emocional, e pode nos deixar paralisados ​​no processo de decisão, para que a vida ou outras pessoas decidam em nosso lugar.

Superar a questão gera o que é conhecido como overthinking, e não garante que tomaremos a “melhor” decisão, simplesmente porque não existe tal coisa.

De fato, aqueles que dão tantas voltas antes de tomar a decisão, muitas vezes ficam pensando nas opções rejeitadas, e isso se torna uma fonte de insatisfação e infelicidade. Como evitar isso?

1. Assuma que a decisão correta, perfeita ou ideal não existe. Na vida, temos que tomar decisões com um alto nível de incerteza e com a escassa informação que temos.

Se você cometer um erro ou descobrir que não é o que você queria, apenas aprenda a lição e redirecione seu curso. Suponha que não haja erros, mas lições de vida.

Lembre-se das palavras de Phil McGraw:

” Às vezes você toma a decisão certa, às vezes você toma a decisão correta .”

2. Confie mais no seu instinto. Se 99,74% das decisões diárias são tomadas por nosso inconsciente, talvez devamos confiar um pouco mais em nosso instinto, ou naquilo que é conhecido como Inteligência Intuitiva . Isso não significa que você não deva pesar os prós e contras, mas também deve ouvir sua voz interior e agir.

Fontes:
Chen, CY et. Al. (2018) Sentir-se angustiado por tomar decisões: os assessores precisam estar certos. Jornal de Personalidade e Psicologia Social ; 115 (4), 743-761.
Moseley, H. (2017) Uma nova pesquisa destaca o potencial desbloqueado do cérebro humano. Pesquisa Lightspeed e Huawei .

***
** Texto originalmente publicado em Rincon Psicologia livrimente traduzido e adaptado pela equipe Resiliência Humana.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS







COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia