Quando você espera um amor que nunca vem …

Resiliência Humana

A espera deixa meu coração em pedaços. Acordei com a intensa sensação vívida de seus lábios gentilmente roçando os meus. Eu sorri enquanto saboreava o gosto familiar de madressilva tingido em seus lábios, mas quando meus olhos se abriram, você não estava lá.

Eu estava sozinha e deixei sua presença implorar como um alcoólatra anseia por um copo de uísque.

Todos os ossos do meu corpo doíam sem o seu toque, mas nada doía mais que o meu coração.

Fiquei sozinho com minha mente, lutando entre lembranças novas demais para compartilhar e a confusão de onde eu tinha ido.

À medida que os dias passavam lentamente, sem ouvi-lo, meu coração começou a despedaçar lentamente em dois.

“Você não vai voltar”, eu sussurrei em voz alta uma noite como se você pudesse me ouvir.

Eu esperava noite após noite, dia após dia, bater à minha porta e entrar na chuva, mas você nunca chegou.

Alguns dias depois, vi-me pensando na sua vida e fiquei espantado, sozinho, com meu espírito desolado do que havia acontecido com ela.

Algumas semanas depois, a espera já estava amarga demais, me vi testando o líquido salgado que vazava dos meus olhos. O sabor é aquele a que me acostumei. Foi o gosto da dor que me serviu demais.

E um mês e meio depois, às 22h38, aguardava a sua presença como uma criança aguarda um presente de Natal.

Seu pedido de desculpas veio, naquela noite, um minuto depois e, embora, naquela época, fosse tudo o que eu esperava, não era o suficiente.

Eu esperava mais, e a espera dói demais!

E aqui estou eu, cinco meses depois, esperando você entrar com a chuva, com o cheiro do perfume gravado na sua pele; Porque é isso que acontece com pessoas como eu! A minha paciência é uma virtude, mas nem sempre é recompensada.

Tradução e adaptação REDAÇÃO RH
Fonte: Flash News
Autor: Paola Céspedes

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia