Quando os nossos pais envelhecem passamos de protegidos à protetores

Assumir que nossos pais estão envelhecendo pode ser um processo complicado de aceitação para nós. De um dia para o outro, somos nós que devemos resgatá-los, resolver seus problemas e dar lugar ao maior ato de amor possível: cuidar deles.

Quando os pais envelhecem, perdendo gradualmente a autonomia, nossa realidade muda completamente. É preciso aceitar, mas nem sempre é fácil.

Dizem que é a lei da vida, que a dança do tempo tem aquelas reviravoltas imprevistas e que quem sempre nos carregava nas asas agora não aguenta mais nosso peso. É então que nossos heróis antigos perdem suas capas para cobrir nossas costas.

A responsabilidade é imensa, também aterrorizante.

Não é fácil lidar com essa fase em que, de repente, os papéis parecem mudar quase que por mágica: as crianças devem agir como pais e os pais devem aprender a se deixar ajudar. Porque, embora ainda sejam válidos em muitos aspectos, o pulso muitas vezes falha, a fadiga imobiliza e a saúde é mais caprichosa do que nunca.

Não é fácil para o pai ou a mãe supor que estão começando a ser falíveis. Porque o orgulho não definha, não se enche de rugas, mas prevalece com o mesmo ímpeto juvenil, recusando-se a aceitar a fragilidade do corpo e as mudanças do ciclo.

Afinal, quem passou a vida inteira resgatando os outros e carregando nas costas todo o peso do mundo não sabe delegar. Menos ainda como aceitar sua própria vulnerabilidade…

A criança interior que carregamos dentro de nós, geralmente, experimenta grande sofrimento e ansiedade quando vemos como nossos pais param de se defender sozinhos.

É um processo de mudança que não está isento de dificuldades que, por fim, acabamos por aceitar.

Nossos pais cuidaram de nós durante toda a vida. Cuidar deles quando não estão mais sozinhos é o maior ato de amor e honestidade.

As mudanças que devemos aceitar quando os pais envelhecem

Bons pais não são aqueles que dão vida, pais autênticos, são aqueles que dão amor.

Dessa forma, quando temos a sorte de crescer cercados por esse carinho e dedicação constante, dói ver como envelhecem. E essa percepção, essa idade já pesa sobre eles, é repentina e quase inesperada.

De repente, um dia eles quebram suas rotinas e param de fazer o que faziam todos os dias.

Pode ser que sua saúde lhes falhe pela primeira vez e o médico lhes diga que “os anos não passam em vão”.

Também pode surgir o esquecimento repentino, que devem parar de dirigir o carro ou que, quase sem saber como, descobrimos o quanto se tornaram frágeis.

Eles, que antes podiam lidar com tudo, inesperadamente se tornam figuras que precisam de mais ajuda do que podem oferecer .

Um artigo das Dras. Christine A. Price e Whitney A. Brosi, da Montclair State University, aponta para algo importante: Seremos uma sociedade cada vez mais envelhecida. É necessário, portanto, que aprendamos estratégias gerontológicas no ambiente familiar.

Não é fácil ver como nossos pais envelhecem, nem lidar com os fatores que acompanham esse processo. Por isso, é interessante analisar aquelas fases pelas quais costumamos passar quando os pais envelhecem.

Nossos pais têm sido fortes por nós durante toda a nossa vida. No final, chega um momento em que devemos ser fortes por eles.

1. O estágio da autossuficiência

Nossos pais passam quase todo o seu ciclo de vida aproveitando o estágio de autossuficiência. Eles são donos de sua vida, de seu corpo, de suas faculdades mentais e de suas próprias decisões.

É aquela hora em que eles estão sempre lá para nós, nos ajudando, nos guiando e nos resgatando…

Não importa que já estejamos vestindo roupas de adulto e não convivemos com eles, na mente deles ainda estamos seus filhos.

2. A relação de interdependência

É quando os pais ficam mais velhos que começam a precisar da nossa ajuda. Porque a velhice autêntica não tem nada a ver com idade ou rugas na pele, tem a ver com a perda de autonomia.

Quando chega aquela fase de interdependência em que eles precisam de nós para ir ao médico, para organizar seus medicamentos ou cumprir aquelas tarefas que estão além deles, é aí que tudo muda.

Se até pouco tempo atrás eram aquelas figuras oniscientes que cuidavam de tudo, em dado momento essa realidade dá uma volta de 180º.

E é verdade, uma parte de nós, aquela que continua a abrigar a criança que fomos, sofre e se estressa com essa mudança. Mas tome cuidado, porque o idoso também faz isso.

Nossos pais nem sempre nos pedem ajuda quando precisam. Eles não estão acostumados com isso e pode custar-lhes. Portanto, devemos estar atentos, próximos e intuitivos para antecipar essas necessidades.

3. Dependência

Cozinhar para eles, limpá-los, segurar-lhes a mão quando a tristeza ou o medo os dominam, fazê-los sorrir, acompanhá-los às consultas médicas…

Na velhice, quando os pais já são figuras dependentes, recebem dos filhos o mais puro amor que existe. Aquilo que é conferido através de dedicação constante, compaixão e carinho.

Embora seja uma fase difícil, podemos continuar a desfrutá-los e descobri-los de outra forma.

Devemos ter a coragem de aceitar o ciclo da vida. Ver nossos pais envelhecerem é um processo normal e uma etapa que devemos saber aproveitar para intensificar o vínculo de afeto com eles.

4. Gerenciamento de crises quando os pais envelhecem

O envelhecimento traz consigo momentos de crise que colocam à prova as nossas capacidades de gestão.

À medida que os pais envelhecem e atingem idades avançadas, é comum lidar com incidentes, doenças e diagnósticos inesperados. Ninguém nos prepara para aquela fase em que pode surgir qualquer coisa, desde demência até quadril quebrado.

No entanto, quando crianças, acabamos enfrentando qualquer situação, sendo fortes, como eles foram conosco.

Vamos tentar celebrar e aproveitar cada momento de nossos pais enquanto eles ainda estão conosco.

5. Fim da vida útil

Vamos celebrar nossos pais quando os temos conosco.

Vamos fazer isso todos os dias, seja falando com eles ao telefone ou passando tempo com eles sempre que possível. Porque os pais, como nós, são finitos, com a única exceção de que provavelmente se foram muito mais cedo.

Somos apenas breves inquilinos neste mundo onde apenas uma coisa é certa: a vida terminará em algum momento.

Vamos aproveitar as pessoas que amamos intensamente, principalmente aquelas que deram tudo por nós: nossos pais.

*DA REDAÇÃO RH. Com informações LMM.

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

RECOMENDAMOS









Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia