Quando as coisas dão errado, eu me lembro deste dia!

Resiliência Humana

Quando as coisas dão errado, eu me lembro deste dia!

Por Brenda Hill

“Não existe um problema sem um presente para você em suas mãos. Você procura problemas porque precisa dos presentes deles.”
~ Richard Bach

Eu queria visitar o Alasca quase toda a minha vida. Eu sempre quis ver as paisagens majestosas e a vida selvagem incrível. Então, como mãe solteira de meia-idade, com dois meninos de catorze e doze anos, fomos.

Seria uma viagem épica – viajar de nossa casa no Centro-Oeste para Anchorage, alguns dias para Denali e voltar, depois para a costa e um cruzeiro até Vancouver. Tanta coisa para ver, e eu finalmente estava lá! Fiquei emocionada ao experimentar tudo isso com meus filhos.

Os primeiros dias da viagem superaram minhas expectativas. A viagem de trem para Talkeetna foi incrível, o alojamento em que ficamos era perfeito, e uma manhã clara, conseguimos ver Denali! Eu praticamente podia ouvir os anjos cantando quando as nuvens se abriram e a montanha estava visível.

Após o trecho de Denali da viagem, retornamos a Anchorage para pegar um ônibus para Seward, onde íamos embarcar em nosso navio de cruzeiro e descer a costa para as maravilhas à frente. Tomamos o café da manhã e deveríamos almoçar em um centro de resgate de animais selvagens e depois embarcar em nosso navio. Foi um lindo dia de sol.

Mas apenas uma hora depois de Anchorage, todo o tráfego na estrada de duas faixas chegou a um ponto morto. Bem ali, no meio do nada, com a entrada Cook à nossa direita e as montanhas à nossa esquerda, paramos com todo o tráfego nas duas direções da estrada.

O motorista do ônibus soube que havia um terrível acidente à frente que envolvia sete veículos. Algumas pessoas foram transportadas de helicóptero de volta a Anchorage com ferimentos graves; alguns morreram. Foi realmente horrível.

Após a primeira hora de parada, os passageiros de nosso ônibus começaram a ficar ansiosos sobre quanto tempo ficaríamos presos e se o barco sairia sem nós, arruinando nossas férias.

O motorista nos disse que o engarrafamento tinha muitos quilômetros. Meus filhos estavam com fome do almoço e começaram a ficar estressados ​​por perder o barco. Eu sabia que eles estavam tentando descobrir minha reação e provavelmente alterariam meu humor. Se eu estivesse chateada, zangada ou ansiosa, eles também estariam.

Percebi naquele momento que o universo havia me enviado um teste! Eu acho que realmente ri de mim mesma.

Eu era uma pessoa interessada em espiritualidade desde a minha juventude, lendo, estudando e ponderando muito, sempre. Mas eu não esperava ser testada na frente dos meus filhos nas minhas tão esperadas férias dos sonhos.

Decidi naquele momento fazer algumas escolhas de acordo com tudo o que havia aprendido, e eis como elas se desenrolaram:

1. Aceitação do que é

Eu disse aos meus filhos que não sabia ao certo se perderíamos nosso cruzeiro, mas que, mesmo se o fizéssemos, encontraríamos uma maneira de salvar as férias. Eles estavam com fome e entediados – seus celulares não funcionavam aqui. O que devemos fazer, mãe? Como vamos passar o tempo?

Eu disse a eles que iria conversar com as pessoas, e elas deveriam também.

Eles resistiram a princípio.

Sobre o que vamos falar? Nós não conhecemos essas pessoas.

Mas fomos autorizados a sair do ônibus e ficar ao lado dele com os outros, assim fizemos.

Uau, estava lindo lá – água brilhando com a luz do sol, campos verdes na frente de montanhas deslumbrantes. E quilômetros de veículos parados!

2. Gratidão

Depois de algumas horas, os resgastes começaram a chegar no lado oposto da estrada, levando os veículos esmagados de volta a Anchorage. Um foi achatado; outro estava com o teto faltando. Horrível. Meus filhos e eu fizemos uma oração silenciosa por todas as pessoas que estavam nos carros e agradecemos por não estarmos entre eles. Nenhuma dessas pessoas esperava que seu dia terminasse assim.

3. Calma

Com o passar das horas, as pessoas estavam ficando com fome, com sede e mais ansiosas. A empresa de turismo enviou água e nós tínhamos um banheiro no ônibus, então estávamos bem. Os meninos estavam com fome, mas nós comeríamos novamente mais tarde.

Ouvimos histórias de pessoas nos outros ônibus gritando com seus motoristas, ameaçando, xingando e agindo mal. Ninguém no nosso ônibus estava fazendo isso, o que foi outro motivo para agradecer.

Antes de escurecer, nosso motorista nos disse que a linha de cruzeiro estava segurando o barco porque onze ônibus estavam presos no engarrafamento. Nós realmente não tínhamos mais nada com que nos preocupar.

Ficou escuro e a lua estava brilhando quando o ônibus começou a se mover novamente. Ficamos parados por dez horas! Os meninos adormeceram no ônibus e finalmente chegamos ao barco à meia-noite. Eles tinham um grande buffet para todos os que estavam presos e estávamos a caminho.

Às vezes, quando antecipamos algo por muito tempo, as coisas acontecem muito diferente do que imaginávamos.

Estou tão feliz por ter reconhecido um teste quando ele se apresentou. Agora, sempre que me vejo sendo testado, tento aplicar as lições que me serviram tão bem em um engarrafamento no ponto mais deslumbrante que você jamais poderia ficar preso.

Aceitação, gratidão e calma. A tríade perfeita para enfrentar momentos problemáticos e/ou de crises!

Abrace a situação pelo que é.

Encontre algo para apreciar.

Tente avaliar e manter as coisas em perspectiva.

As coisas geralmente não são tão ruins quanto parecem, ou poderiam ser piores do que foram, e mesmo quando muita coisa está além do nosso controle, sempre podemos controlar nossa atitude e como reagimos a elas!

*Via Tiny Buddha. Tradução e adaptação REDAÇÃO Resiliência Humana.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia