“Quando acabaram minhas desculpas, começaram meus resultados!”

Iara Fonseca

“Quando acabaram minhas desculpas, começaram meus resultados!”

Muitas vezes, durante a vida, sentimos que nadamos em águas profundas, e as constantes braçadas que damos, aparentemente, não nos fazem sair do lugar.

Batalhamos duro, por anos a fio, mas os resultados não chegaram como desejávamos. Possivelmente algum avanço fizemos, mas percebemos que estamos longe de onde deveríamos estar.

Angustiados, tememos nos afogar no pranto que nos despedaça a alma, mas sentimos que enquanto tivermos forças, o melhor é seguir nadando, pois se pararmos, certamente morreremos rapidamente, pois, afundaremos na escuridão em que se encontra nossa vida.

As desculpas que damos são variadas e estão diretamente relacionadas ao que cada um de nós precisa superar e aprender. Mas quando nos entregamos a elas, não superamos e nem aprendemos nada.

Dizemos que não conseguimos superar as ondas gigantes que se apresentam impiedosas!

Dizemos que não estamos preparados fisicamente para vencer a força que o mar exige!

Afirmamos que por ser tão fundo, e por nossos pés não alcançarem a areia fofa, estamos “coitados” lançados a deriva, a espera de que alguém nos salve do destino que não nos foi favorável.

Mas todas essas queixas que fazemos durante a travessia nos enfraquece cada dia mais, e nos faz reféns da nossa própria vitimização, quando o certo seria seguir nadando confiantes, boiar para recuperar as forças, e nos manter certos de que a nossa fé é capaz de abrir mares e escalar as mais altas montanhas.

Infelizmente, a nossa fé vacila, e não conseguimos acessar a mesma fé que Jesus nos ensinou quando dormiu calmamente em um barco durante uma forte tormenta, enquanto os apóstolos temiam o pior.

Nesse exemplo, somos nós os apóstolos de pouca fé, que desacreditados do amor de Deus, nos borramos de medo dos raios e dos trovões que constantemente relampeiam no horizonte.

Nos impressionamos facilmente com as nuvens que não se dissipam sozinhas, e esperamos que as coisas se resolvam como em um passe de mágica, sem que nenhum esforço precisemos fazer.

Quando então, desesperados, voltamos nossa mente e coração para o céu, e paramos de olhar para baixo como se desgraçados fossemos, um suspiro de força nos é concedido, e mais confiantes, conseguimos nadar um pouco mais, e mais um pouco, e mais e mais, até que os resultados de nossas mais íntimas orações começam a aparecer e, aos poucos, vislumbramos a praia, distante, porém, mais próxima do que antes.

Os resultados que ambicionamos sempre dependerão da nossa capacidade de cessar as desculpas que frequentemente damos aos outros e a nós mesmos, na intenção de nos isentarmos da responsabilidade, caso venhamos a nos afogar.

Acontece que, se nos afogamos, de quem seria a responsabilidade?

Sabido é que só se afoga aquele que entra em desespero, pois quem confiante é, se entrega a corrente e boia até que consiga recuperar o folego e suas forças se restabeleçam.

Em muitas ocasiões, extremamente difíceis pelas quais precisamos ser fortes e confiantes na vida, nos deixamos dominar pelo desespero, pela falta de fé de que dias melhores virão, e nesse descontrole interno, provamos a nossa descrença na proteção divina.

Seguimos queixosos, lamentando as vicissitudes da vida, criando desculpas para que não mais precisemos nadar rumo aos nossos objetivos. Como não confiamos mais em nada e nem em ninguém, e fingimos a nós mesmos que acreditemos na providencia do Alto, nem tentamos boiar, mas se tentarmos, por mantermos o corpo endurecido pelo medo, muita água engolimos, e o mal nos assola de vez.

Deprimidos com as falhas constantes, nos entregamos ao que entendemos ser “má sorte” e nos tornamos malogrados.

Com o passar dos anos, esquecidos de nós mesmos, e perdidos em “alto mar”, brilha enfim em todos nós a sagrada maturidade, e percebemos o tempo que desperdiçamos arrumando desculpas ao invés de criarmos soluções.

Uns finalmente acordam para o fato de que acomodados estavam, e decidem se perdoar e pedir perdão a vida pelo tempo perdido.

Começam a dar braçadas tímidas, mas seguem firmes mesmo com o físico um tanto quanto debilitado com o passar do tempo. Mas aos poucos, vão recobrando as forças, e algumas pessoas perseveram tanto que, mesmo com a idade mais avançada, adquirem uma força física que se equipara a de muitos jovens, e aqueles jovens sedentários, até superam.

Sabem que recuperar o que passou não é possível, mas que, com o tempo que lhes restam ainda podem realizar grandes e promissores resultados.

Outros se sentem estragados pela vida, inutilizados, e não conseguem perdoar a si próprios pelo mau êxito que tiveram!

Sentem-se fracassados, frustrados, malsucedidos, e esses sentimentos são venenos, que produzem internamente, através dos pensamentos derrotistas que os assolam.

O constante marear da fé nos impede de restabelecer as forças que, certamente, nos salvariam de nós mesmos.

Leia mais: Cuide dos seus sentimentos e das dores emocionais! Elas são tão importantes quanto às dores físicas!

Muitos pensam que Deus é um homem velho que mora nas nuvens como nas histórias em quadrinhos, e que a fé é basicamente, acreditar Nele e esperar, mas é aí que mora o grande perigo, e nascem as desculpas.

Esses que assim vivem e pensam, esperando os resultados chegarem por si só, desesperados, gritam a Deus que tenha misericórdia, e ao perceberem que a fé que acreditam ter não move as “tais montanhas”, e que seus gritos não ecoam nos “ouvidos” de Deus, esses mesmos crentes, apenas desistem, e se sentem injustiçados e abandonados pela seara divina.

O que muitos, infelizmente, não sabem, é que Deus de nada se assemelha as figuras que muitas religiões cristãs imaginam. Deus não é um homem, Ele(a), simples e tão somente, é tudo que existe, e está em tudo.

Deus é a própria vida!

E a fé se revela mais fraca ou mais forte conforme nos colocamos em ação! Ela nos fortalece ou simplesmente se anula, de acordo com as nossas boas ou más escolhas.

Para onde voltamos o nosso coração, para o medo invigilante, ou para a confiança amorosa?

Ao fazer tudo com amor, a fé é capaz sim, de remover qualquer obstáculo, mas o contrário acontece também. Ao fazer tudo com rancor e revolta, a fé desaparece em nós, mesmo quando dizemos que acreditamos piamente em Deus.

Porque para Deus, dizer não basta! Apesar das palavras terem muita força é preciso sentir, se colocar em ação benfeitora, e vibrar o bem dentro de si! Já que Deus é a força do amor em nós e em tudo que existe, para que a fé se frutifique e nos fortaleça verdadeiramente, ela tem que estar intrinsecamente ligada ao amor.

O que você vem fazendo da sua vida?

Ou seja, A nossa fé advêm do que, diariamente fazemos da nossa vida, ela é a força que extraímos “de não sei onde”, mas que está em tudo, que nos faz continuar dando braçadas cada vez mais assertivas rumo aos nossos objetivos: nos transforma em heróis capazes de nos salvar das trincheiras que nos colocamos enquanto, ainda ignorantes, acreditávamos que ‘alguém”, iria nos salvar.

Mas a fé é sentida de verdade naqueles que se tornam seus próprios heróis em vida.

Aqueles que não esmorecem, que não vacilam e nem ficam mareados com o balanço do mar revolto.

Aqueles que seguem tentando mesmo que a vida lhes apresente obstáculos cada vez maiores e aparentemente intransponíveis.

A fé é basicamente ACREDITAR EM SI MESMO, assim como acreditamos em Deus, mesmo quando tudo e todos dizem o contrário.

Quando as desculpas começam a alardear os pensamentos tentando justificar a falta de ação em nossas vidas, os resultados simplesmente desaparecem.

E mesmo que nossas desculpas sejam completamente plausíveis, basta que limpemos nossas lentes com um mínimo de amor para que percebamos que muitos em condições ainda piores que as nossas, conseguiram chegar a margem sãos e salvos.

Então por que nós nos afogaríamos? Porque somos homens de pouca fé!

Pensemos hoje e sempre sobre isso, e nos coloquemos em ação, com a mente e o coração focados no amor, nas margens verdes e nas águas calmas onde a nossa fé verdadeira habita, nos fazendo sentir seguros e amados.

Aos poucos, avistaremos “terra firme”, sentiremos a água já nas canelas, e nos sentiremos tão poderosos quanto Deus que habita em nós, porque nós O buscaremos dentro.

Perceberemos que só precisaremos confiar em nós, e agir com amor, sempre. Dia após dia!

Texto: Iara Fonseca
Frase título: Robson Hamuche
Foto: iStock

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Iara Fonseca
Jornalista, poeta, educadora social, fundadora e editora de conteúdo do Rede de Ideias: PRODUÇÃO DE CONTEÚDO. Seu interior é intenso, sempre foi, transforma suas angustias em textos que ajudam muito mais a ela própria do que a quem lê. As vezes se pega relendo seus textos para tentar colocar em prática aquilo que, ela mesma, sabe que é difícil. Acredita que viemos aqui para aprender a ser, a cada dia, um pouco melhor, para si mesmo, e para o outro!