Quais os limites entre Terapeuta e Cliente?

Susana Vieira Ramos
SSUCv3H4sIAAAAAAAEAOy9B2AcSZYlJi9tynt/SvVK1+B0oQiAYBMk2JBAEOzBiM3mkuwdaUcjKasqgcplVmVdZhZAzO2dvPfee++999577733ujudTif33/8/XGZkAWz2zkrayZ4hgKrIHz9+fB8/In7xb5yk6UeTrCmmHz1K+S/6uyjLddPWWVtUS/p4Z6Sf57OireoiK/EhPvsl/M1HTZu16yZvAEI/mmZtfkFt5UN93/TzPfk7NV/wl/QGffXRR9oZf9asJ/yZ+eiX2C/f+0355ftmKNlFvpxeO9zwynzdtnndtNX0rY9k2gG9e89CNeBAM35vNa/aqvPyzrtP3+3u3x/v3g/A4OOHB7FPHzzAp5E+zgl4WWQd+Ls7Dx4++JndnYOdT/Hv7kHs1VmdZ4umLRb5pqHd3w1HurcbgzUpLgYH++08K9v5+It82WZlKn8FME+q5TRfteusHL9u67xpgm9f5tWqzMdfFM00L8tsmVfrxqEgv/BUKpvVeZlnwnmKxUc7B1k+eXCQb+cHe7Pt/ex+tv3w3s797Z2HD+/vHjzMHk7zienzo/sP96aznU/3tum7yfZ+/mB/Ozu4t7N9//7+wb37nz44n+R2fj7af/hg79O9Wb59f3eab+9PD3a2s708257sTj/dyx8+vHd/KrQXWn309orYaeFLxWUxyyvv72w9K/hv7eGymmYlXrjnjXFKslgt+K3fOPkl/08AAAD//zUU4vOyAwAA

Hoje vamos refletir um pouco sobre a relação entre Terapeuta e Cliente. Por vezes, torna-se difícil estabelecer os limites da relação, principalmente no âmbito das terapias holísticas e alternativas, muito em voga nos tempos atuais, e que despertam o melhor que há em nós.

A realidade é que é muito complicado desenvolver a neutralidade no que diz respeito à socialização entre ambas as partes. Se por um lado o Cliente procura um apoio para os seus problemas e questões mais profundas, por outro lado o Terapeuta tem o desejo inegável de ajudar a curar o próximo. Contudo, há que definir uma fronteira nessa relação, ou então o trabalho de ambos pode ir por água abaixo. Nem o Cliente pode viver em função da opinião e das ações do Terapeuta ou esperar que este último esteja sempre disponível, nem o Terapeuta pode achar que vai curar e resolver as questões do outro. De outra maneira, cria-se uma relação de codependência, em que os envolvidos ultrapassam o bom-senso e o profissionalismo.

É certo que este é um meio em que se considera muito o lado humano e espiritual, mas não é por isso que não devem existir regras. É importante o Terapeuta ser afável, educado e prestável, mas não pode cair na armadilha de querer ser o amigo disponível para todos os clientes que o procuram sem ser no âmbito terapêutico. Enquanto Terapeuta, acho que é importante, após uma consulta, querer saber novidades do Cliente. É aceitável mandar uma mensagem ou fazer um telefonema, símbolo de preocupação e carinho pela pessoa. No entanto, é sempre um risco, pois pode ser-se mal interpretado. Será que é intrusão? Será que o cliente vai ou não gostar? Será que o Cliente vai pensar que é imposturice?

O excesso de preocupação e da confiança dada pelo Terapeuta pode gerar algumas situações que são prejudiciais a essa relação que deveria ser profissional:

1. O Cliente passa a procurar o Terapeuta por interesse, mandando-lhe mensagens ou fazendo telefonemas, ou seja, quando precisa de ajuda para resolver um problema;

2. O Cliente pode ficar a saber de mais da vida pessoal do Terapeuta e falar sobre isso a outras pessoas, prejudicando assim o seu trabalho;

3. O Terapeuta pode ficar constrangido na hora de cobrar a consulta, pois passou o limite da relação profissional;

4. O Cliente pode levar a mal o facto de o Terapeuta cobrar a sessão e pensar que este só quer dinheiro;

5. O Cliente pode ter ciúmes de outros clientes a quem o Terapeuta dá mais atenção;

6. O Terapeuta pode não conseguir desenvolver a neutralidade e objetividade que seriam expectáveis numa consulta;


7. O Terapeuta pode ficar frustrado por não conseguir resolver o problema do Cliente, pois está demasiado apegado;

Então, considerando as questões acima mencionadas, é importante considerar que:

1. O Terapeuta não pode estar sempre disponível fora do seu horário de trabalho;

2. O Terapeuta não deve tomar cafés com todos os clientes que precisam de conselhos ou de desabafar. Para isso, o Cliente deve marcar consulta e valorizar o trabalho do Terapeuta;

3. O Cliente não pode viver em função da opinião do Terapeuta e das suas orientações. Deve deixar a vida fluir e ser responsável pelas suas ações;

4. O Terapeuta tem que ser cordial e educado com todos os clientes e por vezes isso implica lidar com pessoas com quem não simpatize, como em todas as profissões que estão em contacto com o público. Um médico faz bem o seu trabalho e não se identifica necessariamente com os seus pacientes;

5. O Terapeuta não deve ficar desmoralizado quando as pessoas lhe ligam fora de horas para falar das suas vidas e nem sequer lhe perguntam se está tudo bem;

O papel do Terapeuta também é dar um ombro amigo quando é preciso e deve, sim, ajudar e orientar as pessoas no melhor caminho. No entanto, não pode levar os problemas dos clientes consigo para casa. Ele deve saber, como bom profissional, que não pode agradar a todos e que deve estabelecer limites relativamente aos vínculos com os seus clientes. Haverá com certeza situações em que surgirão amizades sinceras entre as duas partes, e isso é perfeitamente saudável. É importante estar-se disponível para ouvir fora do contexto das consultas, mas a outra parte tem que saber também valorizar e respeitar o trabalho do Terapeuta.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




Susana Vieira Ramos
Susana Vieira Ramos é Mestre de Reiki, com formação em Vidas Passadas, Leitura da Aura e Anatomia Energética. Iniciou o seu percurso profissional como professora de Português e Filologia Clássica, mas é no desenvolvimento pessoal e espiritual que realiza a sua missão de vida.

COMENTÁRIOS