Psicologia do perdão: o desprendimento de rancor para nos permitir avançar

Resiliência Humana

Por: Nos Pensées

A psicologia do perdão é também uma forma de desapego. Refere-se a qualquer ato de coragem pelo qual deixamos de lado a amargura que nos une e nos torna cativos para aceitar o que aconteceu e nos permitir avançar. É também uma reestruturação do “eu”, um caminho psicológico em que a reparação de danos e emoções negativas pode gradualmente encontrar, diariamente, a paz interior.

Sempre que procuramos uma bibliografia relacionada à psicologia do perdão, encontramos principalmente trabalhos e documentos relacionados ao crescimento pessoal, ao estudo da moralidade e até mesmo ao mundo da religião ou da espiritualidade. Agora, há algum estudo científico sobre o que é o perdão, como fazemos isso, e o que é necessário para que nosso equilíbrio físico e emocional aceite isso?

“Os fracos não podem perdoar. O perdão é um atributo do forte. ”
-Mahatma Gandhi

A resposta, claro, é “sim”. De fato, a “Associação Psicológica Americana” tem múltiplos trabalhos e pesquisas sobre o que é perdão ou não, assim como nossas sociedades e este mundo tão cheio de conflitos ao longo da história não sempre foi capaz de se mover nessa direção: uma dimensão que também é fundamental para o nosso bem-estar mental.

De fato, e é importante não esquecer, muitos de nós podem ter uma coluna deprimida, um relato para resolver, um evento do nosso passado afetando nossa felicidade atual, o que reduz nossa capacidade de construir uma experiência muito mais presente. satisfatória. Todos, de uma forma ou de outra, retêm uma pequena parte do ressentimento em relação a algo ou alguém que seria apropriado começar a curar…

Perdoe evitar “desgaste pessoal”

A melhor maneira de mergulhar nessa área da psicologia é diferenciar o que é perdão do que não é. O perdão, em primeiro lugar, não significa dizer que o que aconteceu de uma vez foi bom, se não foi. Não significa “aceitar” ou reconciliar-se com a pessoa que nos feriu; muito menos nos forçar a sentir-nos próximos a estes últimos ou sentir pena dela.

A psicologia do perdão, de fato, nos oferece as estratégias apropriadas para que possamos seguir os seguintes passos:

  • Aceite que as coisas aconteceram dessa maneira particular. Nada do que aconteceu neste momento em nosso passado pode ser alterado. Portanto, devemos parar de especular, perder energia, nosso estado de espírito e nossa saúde para imaginar como as coisas poderiam ter acontecido se tivéssemos agido de forma diferente, se tivéssemos feito isso em vez disso.

Perdoar é aprender a “deixar ir” para reinventar um novo “eu” que assume o passado, mas é forte para aproveitar o presente.

A psicologia do perdão nos diz que não somos obrigados a entender ou aceitar os valores ou pensamentos da pessoa que nos magoou. Perdoar não é oferecer clemência nem buscar justificativa para o que nos faz sofrer. Nunca devemos desistir da nossa dignidade.

  • É antes facilitar o luto do ressentimento, retirar gradualmente as camadas iradas, a intensidade do desespero e esse bloqueio que nos impede de respirar … Para isso, é necessário que deixemos de odiar quem ferido.

Por outro lado, há um aspecto importante que geralmente esquecemos. O perdão é a pedra angular de qualquer relacionamento, seja um relacionamento, amizade, etc. Lembre-se de que nem todo mundo vê as coisas da mesma maneira que nós; de fato, existem tantas percepções, abordagens e opiniões quanto há dias em um ano.

Às vezes percebemos certas ações como desprezo ou atos de desprezo quando na realidade é apenas uma questão de mera discordância ou mal-entendido. Assim, e a fim de parar de ver traições onde elas não existem, devemos ser capazes de expandir nosso senso de compreensão e nossa capacidade de perdão.

A psicologia do perdão, a chave para a saúde

O Dr. Bob Enright, da Universidade de Wisconsin, é um dos especialistas mais famosos no estudo da psicologia do perdão. Depois de mais de três décadas de análise de casos, realizando estudos e escrevendo livros sobre o assunto, ele conclui com algo que pode chamar nossa atenção. Todo mundo não pode fazer isso, não somos todos capazes de dar o passo para oferecer perdão. A razão para isso é considerar o perdão como uma forma de fraqueza.

Isso é um erro. Uma das melhores idéias que a psicologia do perdão nos oferece é que fazê-lo, dar o salto, além de nos permitir avançar com mais liberdade em nosso presente, nos dá a oportunidade de nos integrarmos ao nosso ser novo. Valores, novas estratégias para lidar com qualquer fonte de estresse e ansiedade.

Além disso, o Dr. Enright nos lembra que há muitas razões para dar o passo em direção ao perdão. O melhor de tudo é que seremos saudáveis. Existem muitos estudos que mostram a estreita relação entre o perdão e a redução da ansiedade, depressão e outras desordens que reduzem completamente a nossa qualidade de vida.

  • A pessoa que dia após dia permanece presa no ciclo da memória, nas garras do ressentimento e naquele ódio persistente do passado concentrado em um evento particular ou em uma pessoa em particular, desenvolve, além da infelicidade, o estresse crônico. Ninguém merece viver assim. Porque não há emoção mais tóxica que a raiva combinada com o ódio …

Então, vamos praticar algumas das seguintes estratégias para facilitar o caminho do perdão:

  • Perdoar não é esquecer, é aprender a pensar melhor entendendo que não somos obrigados a facilitar uma reconciliação, mas a aceitar o que aconteceu sem nos sentirmos “fracos” para dar esse passo. Perdoar é nos libertar de muitos fardos que não merecemos ter para a vida.
  • O ódio remove energia, vontade e esperança. Precisamos aprender a perdoar para sobreviver, viver com maior dignidade.
  • Escrita terapêutica e journaling podem nos ajudar.
  • Devemos também entender que o tempo, por si só, não ajuda. Deixar passar os dias, os meses e os anos não nos impedirá de odiar ou esquecer o que aconteceu. Não vamos esquecer o que sentimos hoje.
  • Perdão é um processo. Isso é algo que também devemos entender. Talvez nunca possamos perdoar completamente a outra pessoa, mas podemos descarregar muito de todo esse ressentimento para poder “respirar” um pouco melhor …

Para concluir, vemos que o campo da psicologia do perdão é muito amplo e que também tem uma relação muito próxima com o campo da saúde e do bem-estar. É uma disciplina que nos oferece estratégias fabulosas para aplicar em qualquer área de nossas vidas, em nosso trabalho e em nossos relacionamentos diários. O perdão é, portanto, uma das melhores habilidades e virtudes para se desenvolver como seres humanos.

Referências bibliográficas

Worthington, T. e Williams, David R. (2015). Desculpe e saúde. Madri: Akal

Prieto, U. (2017). Perdão e saúde: introdução à psicologia do perdão. Madri: Pontifícia Universidade Comillas

Enright, RD e Fitzgibbons, R. (2015). 9 Terapia do perdão. Amargo psicológico

Worthington, EL, Jr. e Sandage, SJ (2015). Perdão e espiritualidade em psicoterapia: uma abordagem relacional. Amargo psicológico

Paloutzian, Raymond F. (2010). Perdão e Reconciliação: Caminhos Psicológicos para a Transformação de Conflitos e Construção da Paz. Nova York: Série de livros sobre a psicologia da paz

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS







COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia