Projeção psicológica: Pessoas que nos culpam por suas sombras!

Resiliência Humana
projecao-psicologica-pessoas-que-nos-culpam-por-suas-sombras

Projeção psicológica: Pessoas que nos culpam por suas sombras!

“Não se ilumina imaginando figuras de luz, mas tornando a escuridão consciente”, escreveu Carl Jung.

No entanto, detectar e aceitar nossas sombras exige um árduo trabalho mental que muitas pessoas não querem – ou não podem – fazer porque não têm as ferramentas psicológicas necessárias.

Essas pessoas geralmente acabam lançando suas sombras sobre os outros. A incapacidade de lidar com alguns aspectos de sua personalidade ou da própria vida gera grande angústia e desamparo.

Como resultado, quando se sentem oprimidos pelas circunstâncias ou seu “eu” se sente ameaçado por sombras internas inaceitáveis, eles implementam mecanismos de defesa, como a projeção, para se proteger daquela angústia e evitar o sofrimento.

Projeção como mecanismo de defesa

A projeção é um comportamento defensivo que protege nosso “eu”, canalizando para os outros sentimentos, motivos ou impulsos que são inaceitáveis ​​para nós.

Quando acreditamos que certos pensamentos, sentimentos, impulsos ou comportamentos são negativos e não se enquadram na imagem que temos de nós mesmos – porque eles nos tornam uma pessoa indelicada, indigna, inferior ou má – negar sua existência é uma forma de evitar a dissonância cognitivas e o desconforto que podem gerar.

O conceito de projeção em psicologia vem de Freud, que se referiu a esse mecanismo pela primeira vez em uma carta de 1895. Nela, ele descreveu uma paciente que evitou enfrentar seus sentimentos de vergonha ao imaginar que seus vizinhos fofocavam sobre ela.

Assim, ela salvaguardou a imagem que tinha de si mesma e não precisou procurar o verdadeiro motivo de sua vergonha

Mais tarde, Carl Jung e Marie-Louise von Franz derrubaram a teoria da projeção psicológica como um mero mecanismo para proteger nosso ego.

Eles argumentaram que a projeção também é usada para nos proteger do medo do desconhecido. De acordo com esses psicanalistas, quando não entendemos algumas coisas – as nossas ou o mundo – tendemos a projetar ideias arquetípicas como parte de nossa resposta natural ao desejo de que o mundo seja um lugar mais previsível, controlável e padronizado.

Em qualquer caso, quando projetamos nossos sentimentos em outra pessoa, o que fazemos é fugir de nossas emoções mais terríveis.

Assim, o ato de projetar torna-se uma distração que permite ignorar o verdadeiro culpado, o problema interno que decorre da incapacidade de manejar com maturidade essas incongruências e sombras.

Exemplos de projeção psicológica na vida cotidiana

A projeção é um mecanismo bastante comum na vida cotidiana porque quando uma pessoa não tem confiança e maturidade para aceitar as partes de si mesma das quais ela não gosta, é muito mais fácil apontar o dedo para alguém e deslocar aqueles sentimentos desagradáveis .

Assim, a projeção psicológica pode ocorrer em uma ampla variedade de contextos, seja como um incidente isolado ou como um padrão que se repete regularmente em um relacionamento.

Normalmente, esse mecanismo é ativado para evitar explorar os sentimentos subjacentes. Por exemplo, uma pessoa pode nos acusar de nos comportarmos de forma egoísta ou de estarmos zangados quando na realidade é egoísta ou zangado.

Ele também pode nos acusar de estarmos trapaceando ou sendo desleais para mascarar sua própria deslealdade ou medo de ser abandonado com base na crença de que ele não é bom o suficiente ou adorável.

Na verdade, no relacionamento de um casal, a projeção psicológica é um mecanismo frequentemente ativado.

O ciúme com acusações infundadas de infidelidade, por exemplo, pode esconder que a pessoa está realmente atraída por outra pessoa e, em vez de admitir, acusa o parceiro ao projetar nele seus próprios impulsos e desejos.

Pessoas com tendências narcisistas ou manipuladoras também costumam recorrer à projeção.

Essas pessoas podem reclamar que estamos sempre exigindo atenção ou afirmar que sempre colocamos nossas necessidades em primeiro lugar, quando na verdade são elas que se comportam dessa maneira.

Também é comum que nos culpem pelo que deu errado para não se responsabilizarem, de modo que projetem sobre nós sua vergonha ou incapacidade.

A projeção é pão de hoje e fome de amanhã

A projeção não favorece ninguém, nem quem lança suas sombras, nem quem se torna reservatório delas.

A pessoa sobre quem as sombras são projetadas corre o risco de se tornar uma espécie de “guardião emocional” ou, na pior das hipóteses, um bode expiatório ou um saco de pancadas.

Se forem pessoas com hipersensibilidade emocional, provavelmente agirão como “ esponjas emocionais ” que absorvem toda a raiva, vergonha, tristeza ou ansiedade que os outros são incapazes de controlar.

Como resultado, eles carregarão a culpa dos outros nas costas, um fardo que no longo prazo será muito pesado e acabará enfraquecendo seu equilíbrio psicológico.

Na verdade, não é incomum que, em consequência de uma projeção contínua, acabemos por assumir a culpa, as inseguranças e os traços negativos dos outros, incorporando-os à nossa identidade.

Por exemplo, um pai que foi incapaz de seguir uma carreira de sucesso pode dizer ao filho: “Você não vai chegar a lugar nenhum” ou “Nem se dê ao trabalho de tentar”.

Ao projetar suas inseguranças em seu filho, ele pode internalizar essa mensagem, acreditar que nunca terá sucesso e, portanto, nem mesmo tentar.

Quem projeta também não sai ileso.

É verdade que os mecanismos de defesa são uma estratégia para mudar a forma como interpretamos uma situação ou como a sentimos, mas não mudam a realidade.

Na verdade, manter sentimentos e impulsos inaceitáveis ​​fora de nossa consciência resulta em um “falso eu” extremamente vulnerável.

Como disse Jung: “Aquele que você nega, o submete. O que você aceita transforma você ”. Precisamos aceitar as sombras para crescer.

Do contrário, se projetamos continuamente nossas inseguranças nos outros, o preço dessa proteção é a incapacidade de desenvolver resiliência e amadurecer.

Embora a projeção psicológica preserve nossa autoestima, tornando as emoções difíceis mais toleráveis, esse escudo protetor é na verdade muito fraco que pode acabar se quebrando quando menos esperamos.

Como detectar a projeção psicológica?

Identificar a projeção nem sempre é fácil, mas uma pista importante geralmente é uma reação emocional extraordinariamente forte e completamente desproporcional.

Quando detectamos que estamos exagerando – ou que alguém está exagerando -, eles podem estar projetando suas inseguranças.

Em um relacionamento, a projeção geralmente é capturada porque os conflitos não são resolvidos.

Você tem a mesma luta repetidamente, caindo em um loop eterno, porque uma parte não reconhece sua responsabilidade, mas continuamente a projeta na outra.

Ao projetar a culpa em alguém que não consegue lidar com isso, o laço se auto-alimenta.

Outro sinal que a projeção revela é quando nos sentimos chateados, irritados ou com raiva de alguém, mas não somos capazes de identificar de onde vem esse sentimento ou de que comportamento o originou.

Geralmente é porque identificamos naquela pessoa – inconscientemente – uma característica nossa que nos recusamos a reconhecer.

Pare o mecanismo de projeção

Quando detectamos a projeção, o mais conveniente é dar um passo para trás.

Se somos nós que projetamos, precisamos nos afastar do conflito para assumir um distanciamento psicológico da situação que nos oprime e nos angustia. Portanto, podemos pensar de forma mais racional.

Nesse caso, devemos analisar o conflito tentando focar apenas nos fatos.

Em seguida, devemos explorar os sentimentos que ele gerou e as reações que desencadeou em nós, desde as emoções vividas até os pensamentos que vieram à nossa mente.

Existe algo que nos incomoda?

Algum sentimento ou ideia que descartamos rapidamente?

É aí que devemos concentrar nossa atenção. Devemos nos perguntar o que isso realmente significa para nós e por que não podemos aceitá-lo.

No caso de alguém tentar lançar sua sombra sobre nós, o mais importante é estabelecer uma barreira que nos impeça de absorver esses medos, inseguranças e culpas.

Podemos responder claramente: “Não concordo com você” ou “Não vejo dessa forma”.

Assim podemos desviar a projeção e, com sorte, até motivar essa pessoa a refletir sobre sua perspectiva para que assuma a responsabilidade que lhe corresponde.

Fontes:

Gabbard GO, Litowitz, BE, & Williams, P. (2012) Textbook of Psychoanalysis . Nova York: American Psychiatric Publishing.

McWilliams N (2011) Psychoanalytic Diagnosis: Understanding Personality Structure in the Clinical Process . Nova York: Guilford.

Epstein S (1994). Integração do inconsciente cognitivo e psicodinâmico. Psicólogo americano ; 49: 709-724.

*DA REDAÇÃO RH. Com informações Ricon Tibet.*Foto de Guillaume de Germain no Unsplash

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia