Preste atenção nas suas dores e nas dos outros, mas não se afogue nelas!

Resiliência Humana

Acompanhar as suas dores e a dos outros de perto é um sinal de generosidade, mas afogar-se nas dores dos outros é falta de perspectiva.

Ajudar os outros a resolver seus problemas é um sinal de compaixão, mas carregar os problemas deles sobre nossos ombros é improdutivo. Experimentar as emoções dos outros é um sinal de empatia, mas deixar transbordar é inútil.

Existe um limite muito sutil entre ajuda útil e envolvimento excessivo que acaba sendo prejudicial a todos.

Conhecer esse limite – e não ultrapassá-lo – nos permitirá ajudar mais e melhor, porque preservaremos nosso equilíbrio mental e emocional, dando à outra pessoa a oportunidade de crescer e aprender com a experiência.

Quando ajudar não ajuda

” Dê a um homem um peixe e você lhe dará comida por um dia, ensiná-lo a pescar e você o alimentará pelo resto da vida “, diz um provérbio chinês.

Dar um peixe, no sentido metafórico, implica resolver um problema específico, mas, portanto, não contribuímos para erradicar as circunstâncias e / ou erros que causaram esse problema.

Se a pessoa não trabalha com atitudes, crenças ou modos de pensar que contribuam para o problema, é provável que ele reapareça com mais força. Isso cria um círculo vicioso em que quem resolve os problemas é “forçado” a ter cada vez mais peso e quem os gera libera cada vez mais suas responsabilidades.

Quando nos tornamos “solucionadores de problemas” e “carregadores das responsabilidades de outras pessoas”, é provável que mais cedo ou mais tarde acabemos sendo esmagados pelo peso deles.

Se não formos capazes de desenvolver uma preocupação empática, o que implica a capacidade de entender e experimentar os estados emocionais dos outros, mostrar uma preocupação genuína e poder ajudá-los sem comprometer nosso equilíbrio psicológico, acabaremos sofrendo da Síndrome do Desgaste da Empatia.

Isso significa que seremos infectados pelas dores da pessoa que pretendemos ajudar, mergulhando em sua própria frustração, raiva ou tristeza.

Por sua vez, levaremos conosco as mesmas preocupações, o que nos gerará uma grande angústia. Nesse estado, ninguém vence.

Como nossa falta de perspectiva de olhar além das atuais consequências do problema, sair da situação e buscar soluções assertivas, condena tanto a um estado de miséria quanto a um sofrimento conjunto no qual o “salvador” acaba precisando ser salvo.

Ajudar não é “resolver”, mas “acompanhar”

Muitas vezes esquecemos que ajudar não é sinônimo de resolver, mas sim acompanhar e apoiar. Não é um mero trocadilho. O significado que você atribui à palavra “ajuda” determinará sua atitude e influenciará os resultados obtidos.

Não há dúvida de que é difícil ver uma pessoa próxima lutando para resolver um problema ou até mesmo tomar decisões “ruins”.

É natural que queremos ajudá-lo. Queremos facilitar sua vida. Queremos resolver seus problemas e salvar seu sofrimento. Tudo isso parece uma boa ideia. Exceto quando não é.

Porque ajudar não implica resolver.

Não fique carregando as dores dos outros em seus ombros. Nem tire responsabilidades dos ombros deles. E nem salve-os do caminho que devem seguir para crescer como pessoas.

Ajudar é acompanhá-los nesse caminho para apoiá-los quando necessário.

É apoiá-los em suas decisões, mesmo que não as entendamos.

É ajudá-los a ampliar sua perspectiva quando não encontram uma solução. É ouvi-los sem criticar.

Desta forma você estará trabalhando com eles para desenvolver suas próprias ferramentas de enfrentamento. E, às vezes, ajudar também significa se afastar.

*Via Rincon Psicologia. Tradução e adaptação REDAÇÃO Resiliência Humana.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS







COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia