Por trás de todos os buscadores compulsivos de atenção, há uma angústia psicológica e solidão.

Por Valeria Sabater

Por trás de todos os buscadores compulsivos de atenção, há uma angústia psicológica e solidão. Eles são pessoas exaustivas, reis do drama na maioria das vezes.

É preciso entender e tomar consciência do que esse tipo de comportamento esconde.

Os caçadores de atenção compulsiva habitam qualquer um de nossos ambientes. Pode ser o colega de trabalho que está sempre lhe pedindo coisas, aquele amigo que age como o rei do drama, aquele que consegue tudo o que quer e que exige seu apoio quase a todo momento. São, como já sabemos, personalidades exaustivas que consomem a nossa paz e as nossas energias.

Quem busca a nossa atenção com recursos psicoemocionais jamais dirá em voz alta: “olhe para mim, estou aqui”.

No entanto, cada um dos seus comportamentos está orientado para esse objetivo, o de exigir presença, atenção e carinho para com eles. Assim, caso não o consigam ou não o alcancem no nível pretendido, podem surgir birras, ultimatos e comportamentos claramente desregulados.

Não é fácil cuidar da nossa própria vida quando perto de nós existe um obsessivo pretendente compulsivo por atenção, na verdade ele nos causa uma profunda angústia psicológica.

Nós o analisamos.

Caçadores de atenção compulsiva, como são eles?

Em média, consideramos o comportamento de busca de atenção desagradável e até socialmente negativo. Porém, boa parte da população pratica esse comportamento.

Há muitos que publicam foto no Instagram ou no Facebook em busca de alguns likes. Não hesitamos, por exemplo, em mostrar a outros o nosso novo celular e as suas sofisticadas funcionalidades.

Também gostamos de explicar como nosso carro é veloz na rodovia, descrevendo aquela experiência como o feito mais épico do mundo, na esperança de capturar o máximo de atenção.

É verdade, a maioria de nós gosta de chamar a atenção de vez em quando. No entanto, os que buscam atenção beiram o patológico e até mesmo o obsessivo.

Aparece pela primeira vez durante a adolescência, atingindo picos mais estáveis ​​no início da juventude.

Quase sem perceber, seus comportamentos dependentes e exigentes tornam-se mais tirânicos e histriônicos, causando múltiplas divergências e problemas em um ambiente que parece exausto e quase no limite.

Que características definem os buscadores de atenção compulsiva?

A busca excessiva de atenção é um componente central em certos diagnósticos de transtornos de saúde mental, especialmente no transtorno de personalidade histriônica e também no transtorno de personalidade borderline.

Portanto, ao definir suas características, é comum que os traços se sobreponham, sendo muito semelhantes aos que definem essas condições psicológicas.

v

São as seguintes:

-Eles se sentem desconfortáveis ​​nas situações em que não conseguem chamar a atenção de outras pessoas. Isso os coloca em um estado de grande aborrecimento e frustração.

-Não hesitam em usar comportamentos sedutores e até teatrais para chamar a atenção, para serem o centro das atenções em qualquer momento, por mais inapropriado que seja.

-Eles geralmente são muito superficiais. Eles não são capazes de estabelecer amizades sólidas ou relacionamentos de parceria. Todo relacionamento é instrumental, a fim de receber carinho, reconhecimento e admiração dos outros.

-Eles são, como dizem, os reis ou rainhas do drama. Tudo o que acontece com eles é mais relevante, mais sério ou mais notável. O que acontece conosco é irrelevante.

-Eles monopolizam as conversas, que muitas vezes acabam se transformando em monólogos.

-Eles são exigentes e dependentes. Não hesitam em exigir coisas constantemente, em esperar que outros resolvam qualquer problema, por menor que seja.

-Quando eles não conseguem o que querem, isso pode levar a acessos de raiva, explosões de raiva e frustração.

O que está por trás da atitude dos buscadores de atenção?

Já apontamos que uma das causas que podem explicar o comportamento dos buscadores compulsivos de atenção é um transtorno de personalidade. Assim, e na média, essa demanda constante por atenção, somada aos comportamentos sedutores e teatrais, estão por trás o transtorno de personalidade histriônica.

Agora, muitos daqueles que exibem comportamentos de busca de atenção são movidos por uma variedade de causas muito complexas.


Estes seriam alguns exemplos:

O comportamento de exibir e exigir atenção pode mostrar um episódio maníaco no contexto do transtorno bipolar. Tudo isso geralmente pode ser o resultado de um possível abuso sexual no passado, mas nem sempre.

Os buscadores compulsivos também podem mostrar o impacto do trauma psicológico que tiveram através da negligência na criação dos filhos.

Além do mais, temos estudos como os realizados no Centro de Estudos do Cérebro do Hospital Westmead, na Austrália, que mostram algo importante.

A desatenção na infância altera o funcionamento de regiões como a amígdala e o córtex pré-frontal medial. Isso faz com que vivenciem maior desregulação emocional, medos constantes, ansiedade e necessidade constante do que não tiveram na infância: atenção, reconhecimento, carinho.

Como esse comportamento é tratado?

Quando se trata de dar uma resposta psicológica a buscadores de atenção compulsiva, é necessário saber a origem desse comportamento. Algo que devemos entender em todos os casos é que quem reclama atenção não fica feliz. Essa falta decorre da angústia psicológica, do sentimento de solidão e também da possível ferida de um trauma subjacente.

É prioritário estar atento a essas realidades e saber o que está por trás de cada caso. Assim, neste tipo de paciente a terapia cognitivo-comportamental é eficaz . No entanto, o terapeuta deve cuidar bem de seu papel e posição para não se tornar aos olhos da pessoa aquele salvador ou figura que está ali para nutrir e reforçar suas necessidades.

O propósito terapêutico é claro nessas situações e é o que deve ser buscado:

– Neutralize seu estilo distorcido de pensamento e a necessidade de os outros considerarem você para se sentir realizado.

– Obtenha uma abordagem mais realista para cada situação.

– Gerencie melhor as emoções.

– Tenha mais controle sobre os pensamentos intrusivos.

– Apresente comportamentos e hábitos mais adaptativos.

– Ensine técnicas de resolução de problemas.

– Treinamento de habilidades de assertividade.

Para concluir, embora seja verdade que conviver com esse perfil de personalidade seja complexo e até problemático, devemos considerar a complexa anatomia psicológica por trás deles.

Buscar ajuda especializada e se comprometer a ajudá-los é a melhor opção em todos os casos.

*DA REDAÇÃO RH. Com informações LMM

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

RECOMENDAMOS









Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia