Por que você precisa assistir “Um sonho de mil gatos”. Uma história que ensina de forma lúdica como funciona o sistema de crenças.

Em agosto de 1990, Sandman #18 veio a público com a história “Um Sonho de Mil Gatos”. A protagonista é uma gata siamesa que, após ter sua ninhada morta pelos próprios humanos que a acolheram, tem um encontro com o “Gato dos Sonhos”. Ela exige saber o porquê tudo aquilo aconteceu. Ela queria entender se existia alguma regra universal que justificasse a morte de seus filhos e a escravidão felina imposta pelos humanos.

Para responder as suas perguntas, a divindade onírica conta uma história.

A história contada por Morfeus, em forma de gato, fala sobre um passado longínquo onde felinos gigantes reinavam na terra e o homem era a presa destes seres ancestrais, mas tudo mudou quando mil seres humanos sonharam com o mundo onde vivemos hoje.

Teoricamente, para que a raça dos felinos voltasse a reinar e se livrasse dos flagelos do dia-a-dia, pelo menos mil gatos deveriam fazer o mesmo.

Mas, há uma variável nesta história onde Gaiman traça uma ponte ligando o universo de Sandman com o do leitor.

O Gato dos Sonhos também explica à siamesa que a atual raça dominante remanejou todo o espaço-tempo, portanto nunca houve de fato um passado glorioso de felinos gigantes.

Isso, entretanto, não anularia o poder da empreitada dos mil sonhadores. Assim sendo, a gata sai mundo afora espalhando a boa nova que transformaria o universo a favor deles.

Mais próximo do final da história de Sandman, após uma comunhão ministrada pela gata siamesa, um gatinho devoto conversa com um vira-lata sobre os ensinamentos do culto.

Este segundo gato não abraça totalmente as lições. Não gosta da ideia de ser “obrigado” a fazer alguma outra coisa só porque outro gato falou. E isso é totalmente válido.

Ele ouviu a história, mas ela ressoou de uma forma diferente nele.

Isso indica que a empreitada dos mil gatos sonhadores dificilmente se concretizará, pois nós leitores puxamos esse cenário e o colocamos ao lado do nosso. Várias pessoas entram em contato com as mais distintas egrégoras. Nem todas são tocadas pelas sagradas palavras apresentadas.

Todavia, isso não torna a participação dos devotos menos importante.

O filme fala sobre modelos de vida. Caminhos espirituais dotados de virtudes e promessas de dias melhores.

O gatinho mais jovem consegue falar com a siamesa e diz com toda certeza do coração dele que acredita no evangelho. E ela responde dizendo que “então há esperança”.

A crença do devoto pode não mudar o mundo da forma magnânima que lhe foi prometida, mas sua base estabelece novos parâmetros para sua vivência.

Um sistema de crenças altera comportamentos, renova pontos de vista e torna o indivíduo mais confiante na procura do dia-a-dia, e isso vai além do que já conhecemos em forma de igrejas.

Um sistema de crenças pode surgir a qualquer um baseado em suas referências e opiniões sobre o mundo afora. Trata-se de um fenômeno que vive dentro e fora do espectro religioso “oficial”.

Portanto, leitor, eu o convido a se sentir confortável com o que acredita, pois assim como o gatinho da história, suas virtudes tornarão sua vida mais leve e, mais importante ainda, significativa.

*DA REDAÇÃO RH. TEXTO ESCRITO POR Victor Phols – é escritor iniciante. Quadrinhos, Heavy Metal e Monstros Gigantes são sua santíssima trindade. Publicado originalmente em Quadrinheiros.

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

RECOMENDAMOS









Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia