Por que suportamos os relacionamentos ou circunstâncias que nos prejudicam?

Resiliência Humana

Quem, em sã consciência, poderia aceitar algo que o machucasse? Seria normal escapar do que nos machuca – quanto mais cedo e mais rápido, melhor. E, no entanto, desafiando o bom senso, muitas pessoas continuam presas a relacionamentos tóxicos, permanecem em empregos que geram uma enorme dose de tensão e baixa satisfação e ainda estão ligadas a uma família que cataloga e trata como se Eles eram uma ovelha negra.

Para o próprio Freud, era um enigma que alguém pudesse agir sistematicamente contra seu próprio interesse e que suas escolhas não respondiam, pelo menos aparentemente, ao princípio do prazer ou da realidade. Para descrever esses casos, ele cunhou o termo “masoquismo moral”, referindo-se a um padrão geral de sofrimento a serviço de algum objetivo que outras pessoas acham difícil de entender.

A normalização do sofrimento

Em 1995, o psicólogo Theodore Millon descreveu um estilo de personalidade autodestrutivo, caracterizado por um padrão recorrente de escolha de pessoas e / ou situações que acabam levando à decepção, falha ou abuso, embora haja melhores opções disponíveis. São pessoas que, sem saber muito bem o porquê, sempre acabam estabelecendo relacionamentos prejudiciais ou se inscrevem em projetos condenados antecipadamente ao fracasso. Essas pessoas sofrem com o que Freud chamou de “compulsão à repetição”, que consiste em repetir os relacionamentos ou circunstâncias que evocam um passado doloroso.

No entanto, a verdade é que, além dessa tendência, todos podemos cair em uma adaptação autodestrutiva. Viktor Frankl, psiquiatra austríaco e prisioneiro dos campos de concentração nazistas, nos dá uma pista para entender o que acontece. Ele disse que ” uma reação anormal a uma situação anormal é um comportamento normal “.

Como seres humanos, temos uma capacidade incrível de se adaptar, mesmo às condições mais extremas. Em alguns casos, essa capacidade de adaptação pode ser a nossa salvação, mas em outros casos, pode nos fazer sofrer inutilmente. Assim, embora para um observador externo essa dose de masoquismo seja uma reação completamente anormal, para quem a vive é uma resposta “normal” a uma situação que não deveria estar acontecendo.

Quando uma situação é repetida constantemente, pode se tornar a única realidade para quem a vive. Uma pessoa que é maltratada, manipulada ou humilhada com frequência pode acabar normalizando esses comportamentos, assumindo que eles fazem parte de sua vida e, portanto, nada fazem para acabar com eles.

Quando são vivenciadas situações que geram sofrimento ou nos prejudicam, a primeira reação é dor e rebelião, mas se decidirmos permanecer nessa situação – por qualquer motivo – é provável que nosso inconsciente ponha em movimento um mecanismo psicológico para “nos proteger” do que acontece conosco.

Esse mecanismo age como uma cortina de fumaça, impedindo-nos de ver o que está acontecendo, impedindo-nos de sofrer mais de mudar a situação em que estamos imersos. Se o problema é o ciúme possessivo do casal, podemos começar a vê-lo como uma “demonstração de amor”. Se estivermos estressados com a quantidade de tarefas de trabalho, assumiremos isso como uma amostra de nossa “competência”.

Esse mecanismo de racionalização do que acontece conosco nos permite lidar melhor com uma realidade prejudicial que põe em risco o conceito que temos de nós mesmos, mas também nos impede de tomar as medidas necessárias para fugir dele. Isso se torna um círculo vicioso do qual achamos cada vez mais difícil escapar.

Do apego tóxico ao masoquismo moral: Por que suportamos os relacionamentos ou circunstâncias que nos prejudicam?

A dor e o sofrimento causados pela adaptação autodestrutiva ocorrem gota a gota, por isso pode ser mais “fácil” de suportar do que a dor dilacerante que grandes mudanças geralmente causam. A resistência à mudança e medo da incerteza são sentimentos muito poderosas que nos mantêm ligados ao conhecido, embora não exatamente o melhor ou mais saudável para nós.

Vale esclarecer que cair em uma espiral de adaptação autodestrutiva não implica que gostamos de sofrer, mas que muitas vezes se torna a única maneira que acreditamos ser possível alcançar um objetivo que, aos nossos olhos, é mais valioso ou evitar consequências que eles parecem ainda mais dolorosos. Por exemplo, uma pessoa pode suportar as humilhações do casal porque acredita que o intervalo seria ainda mais doloroso ou ele pode continuar vinculado a um trabalho dilacerante, porque a perspectiva de não encontrar outro emprego é ainda mais assustadora.

Portanto, as dinâmicas estabelecidas com a adaptação autodestrutiva são geralmente expressas em um continuum que varia de comportamentos anaclíticos a introjetivos. Pessoas com uma tendência mais anaclítica tendem a permanecer nessas situações prejudiciais para manter o apego, porque a perspectiva de perder o relacionamento ou certos benefícios é insuportável.

Aqueles que têm uma tendência mais introjetiva podem ficar presos nessas situações devido ao “masoquismo moral” referido por Freud, porque exaltam sua capacidade de tolerar o sofrimento e enfrentar as adversidades. Essas pessoas podem até se orgulhar de sofrer estoicamente o sofrimento, mas, na realidade, não o desfrutam, mas é apenas um mecanismo inconsciente para proteger seu frágil “eu”. Como sentem que não podem escapar e se sentem frágeis em sua condição, tentam projetar uma imagem de força, reformular a situação em que estão vivendo.

Como quebrar o círculo da adaptação autodestrutiva?

Quando estamos imersos em uma situação tóxica, é difícil analisá-la objetiva e imparcialmente. Ouvir as opiniões de outras pessoas pode nos ajudar a mudar nossa perspectiva para avaliar o que está acontecendo conosco de maneira mais racional.
Se você não tem ninguém ao seu lado para conversar, uma técnica muito eficaz é imaginar que um amigo está na sua mesma posição e você deve aconselhá-lo. O que você diria Portanto, você pode assumir a distância psicológica necessária para ver o que acontece com você.

Também é importante que você apoie sua autoestima. Quando caímos em um ciclo de adaptação autodestrutiva, é normal que nossa autoestima sofra. Em alguns casos, podemos até pensar que merecemos o que está acontecendo conosco, nos culpamos e nos desvalorizamos. Portanto, para sair do círculo tóxico em que nos encontramos, precisamos recuperar a confiança em nós mesmos, estar cientes de que, aconteça o que acontecer, seremos capazes de ficar mais fortes com essa experiência.

Fontes:

Millon, T. (1995) Distúrbios da personalidade: DSM-IV e além . Nova York: Wiley.

Ghent, E. (1990) Masoquismo, submissão, rendição – O masoquismo como uma perversão da rendição. Psicanálise Contemporânea; 26: 108-136.

Kernberg, O. (1988) Dimensões clínicas do masoquismo. Jornal da Associação Psicanalítica Americana; 36: 1005-1029.

 

Texto originalmente publicado no Ricón de la Psicología, livremente traduzido e adaptado pela equipe da Revista Resiliência Humana.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS







COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia