Por que pequenos conflitos acabam se transformando em pesadelos?

Resiliência Humana
por-que-pequenos-conflitos-acabam-se-transformando-em-pesadelos

Por que pequenos conflitos acabam se transformando em pesadelos?

Três sinais de que um parceiro pode ser incapaz de resolver um conflito pacificamente.

A discussão pode ser tão simples quanto aonde ir jantar, mas termina em uma discussão aos gritos.

Por quê?

Alguns parceiros podem ser incapazes de resolver conflitos.

Assumir um erro, compreender a perspectiva de um parceiro, e identificar um compromisso, são formas saudáveis ​​de resolver conflitos.

Um casal que conserta uma fenda rapidamente é geralmente mais feliz, mais em paz e capaz de manter a confiança.

Por outro lado, argumentos que constantemente se transformam em lutas de poder e terminam com um vencedor e um perdedor, pode indicar um problema.

Um parceiro que não tem habilidades como autoconsciência, mente aberta e empatia pode ser forte e rigidamente combativo.

Embora os mecanismos de defesa sejam universais e necessários, uma estrutura defensiva e arrogante pode impedir que a pessoa experimente as emoções incômodas, mas necessárias, que permitem uma resolução saudável.

Um parceiro que rotineiramente exibe três mecanismos de defesa durante uma briga; deflexão, projeção e postura da vítima, pode estar se protegendo do desconforto do insight, do remorso e da empatia.

Defender-se inconscientemente contra essas capacidades pode salvar o parceiro de um desconforto interno no momento, mas, a longo prazo, pode impedir que ele seja capaz de resolver ativamente os problemas em um relacionamento.

Por exemplo, digamos que Ron e Jane estão jantando com amigos. Jane diz ao grupo: “Acho que não iremos para o México; Ron não recebeu aumento ou bônus este ano.”

Ron, envergonhado de que seu assunto particular seja divulgado para outras pessoas, menciona isso para Jane no carro a caminho de casa. Jane reage com raiva, afirmando:

“Bem, é verdade, não é? Você é a razão pela qual não podemos ir para o México. Estou simplesmente declarando os fatos. Você estragou tudo para nós.”

Neste exemplo, Jane é muito defensiva e não possui empatia para poder se reconciliar.

Ela desvia a responsabilidade, se recusa a admitir que seu comentário foi prejudicial e não sente empatia por Ron.

Em vez disso, ela justifica seu comentário, o repete e devolve o cenário a Ron. Ela se posiciona como a vítima e acusa Ron de causar seu sofrimento em vez de reconhecer seu comentário insensível.

Alternativamente, se Jane for menos defensiva, ela pode se colocar na posição de Ron.

Possuindo autoconsciência, ela percebe que ela mesma está envergonhada por ela e Ron não poderem ir para o México. Tentando salvaguardar os dois, ela evita o constrangimento colocando publicamente a culpa em Ron.

Essa percepção é desconfortável, mas permite que Jane tenha empatia por Ron.

Jane ressoa com o desconforto de se sentir inadequada entre amigos.

Ela sinceramente pede desculpas e transmite uma compreensão autêntica de como ela impactou Ron. Ron aceita suas desculpas e pergunta a Jane se eles podem parar para tomar um sorvete.

Enquanto se delicia com um pedaço de chocolate duplo, Ron pergunta a Jane se eles podem economizar para a próxima viagem. Jane concorda e eles traçam um plano juntos para garantir férias no ano seguinte.

Nesta parte do exemplo, Jane é menos defensiva e permite que as emoções desconfortáveis ​​forneçam a ela dados adicionais sobre ela, Ron e o conflito.

Ela usa esse insight para fazer as pazes, para que ela e Ron possam seguir em frente com paz e felicidade.

Por outro lado, se um parceiro exibe três mecanismos extremos de defesa, como Jane fez na primeira parte do exemplo; desvio, projeção e postura de vítima, ele ou ela pode não ter a capacidade de resolver os conflitos normais que surgem em qualquer relacionamento.

Além disso, um parceiro que não tem as capacidades emocionais necessárias para resolver o conflito interpessoal de forma produtiva pode recorrer a tendências manipulativas para conseguir o que quer.

Intimidar uma pessoa com ameaças, infligir culpa, ter ataques e degradar uma pessoa até que ela se renda são tendências de um parceiro emocionalmente abusivo .

Um parceiro menos óbvio, mas igualmente deficiente, pode empregar táticas mais sutis.

Por exemplo, um parceiro que concorda no momento, mas guarda raiva porque as coisas não correram do seu jeito, pode mais tarde punir uma pessoa de forma passiva e agressiva.

Além disso, distorcer a interação e pintar uma pessoa como o “bandido” e, em seguida, transmitir o evento permite que um parceiro problemático “reúna as tropas” em seu favor pelas costas da pessoa.

Embora essas manipulações sejam evasivas e, se tratadas como incidentes isolados, possam ser facilmente varridas para baixo do tapete, é importante identificar um tema de defesa destrutiva em face de uma simples discussão.

Também é fundamental reconhecer que avaliar o grau de defesa de um parceiro pode ser confuso.

Frequentemente, um parceiro intensamente defensivo é atencioso, aberto e solidário fora do conflito.

No entanto, se um padrão de extrema defesa ocorrer durante as discussões, pode ser crítico encorajar o parceiro a ter acesso a aconselhamento . Caso contrário, a pessoa pode não se sentir confortável em abordar questões.

Ter a capacidade de falar livremente sobre sentimentos e opiniões com um parceiro é essencial para a felicidade de uma pessoa no contexto do relacionamento.

A capacidade de resolver conflitos solidifica a confiança, a proximidade e a alegria.

*Com informações PT. *Foto de Jonathan Borba no Unsplash

VOCÊ JÁ VISITOU O INSTAGRAM E O FACEBOOK DO RESILIÊNCIA HUMANA?

SE TORNE CADA DIA MAIS RESILIENTE E DESENVOLVA A CAPACIDADE DE SOBREPOR-SE POSITIVAMENTE FRENTE AS ADVERSIDADES DA VIDA.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS






COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia