Por que não gostamos que nos digam o que devemos fazer?

Resiliência Humana

Imagine que você seguiu uma dieta e pede ao seu parceiro para apoiá-lo e ajudá-lo a comer de uma maneira mais saudável. Depois de alguns dias, você janta em um restaurante e pede uma sobremesa muito saudável. Seu parceiro lhe diz: “Pensei que você estava de dieta!”.

É uma simples observação. É provável que eu tente apenas ajudá-lo, mas em vez de lhe agradecer por lembrá-lo de seus objetivos, você sente que a raiva está crescendo dentro de você. Você pensa: ” Como ousa me dizer o que eu posso comer?! ”

Se essa situação é familiar, você não é o único. Estamos todos preocupados em saber o que temos que fazer. É devido à reatância psicológica.

O que é reatância psicológica?

O conceito de reatância psicológica vem de um estudo realizado em 1966, quando o psicólogo Jack Brehm descobriu que, aos 2 anos de idade, somos frequentemente atingidos pelo proibido ou pelo difícil acesso.

Brehm descobriu que as crianças pequenas não demonstravam uma preferência especial por brinquedos que estavam ao seu alcance, mas demonstravam três vezes mais interesse naquelas colocadas atrás de uma barreira transparente.

Ao continuar estudando esse fenômeno, ele descobriu que, quando percebemos que nossa liberdade de comportamento está sendo ameaçada, desenvolvemos uma intensa resposta emocional, que ele chamou de reatância psicológica, que seria o resultado de uma limitação ou restrição – real ou imaginária – de nossas opções comportamentais e capacidade de tomar decisões.

A reatância psicológica geralmente ocorre quando sofremos grande pressão para aceitar um certo ponto de vista ou atitude. Como resultado, é gerada uma resistência que nos leva a reagir na direção oposta, reforçando o ponto de vista ou a atitude inversa. Basicamente, a reatância é uma estratégia de força contrária para manter ou recuperar nossa liberdade. Nós nos rebelamos. Puro e simples.

5 aspectos que intensificam a reatância psicológica

Às vezes, aceitamos muito bem as limitações ou proibições que surgem do meio ambiente ou de outras pessoas, mas outras vezes reagimos nos rebelando fortemente. De que depende a intensidade de nossa reação?

  1. Expectativa de liberdade. Para que a resposta da reatância psicológica seja ativada, é imperativo que estejamos cientes de nossa liberdade, que percebamos que temos o poder de tomar nossas decisões e que somos capazes de orientar nossas ações. Parafraseando George Orwell, até que tenhamos consciência de nossa força, não nos rebelaremos. Isso significa que, quanto mais livres nós pensamos que somos, mais intensa será a nossa reação quando alguém ou alguma coisa tentar limitar essa liberdade. Se aspiramos a decidir por nós mesmos e assumir as rédeas de nossas vidas, qualquer tentativa de decidir em nosso lugar ou limitar nossas opções será percebida como uma grande ameaça à nossa liberdade.
  2. Importância conferida à liberdade. Quanto mais importante é a liberdade para nós, mais ameaçados nos sentiremos e mais forte será nossa reação quando tentarem proibir algo ou ditar o que devemos fazer. Obviamente, a liberdade sob ameaça também deve ser levada em consideração. Em geral, quanto mais importante for a liberdade ameaçada, mais intensa será a reatância psicológica. Não é o mesmo que impedir que tomemos uma sobremesa – tanto quanto queremos – para decidir para nós qual carreira devemos estudar.
  3. Quantidade de liberdades ameaçadas. Se uma situação ameaçar liberdades diferentes, causará uma maior reatância. As implicações futuras de proibições ou limitações também influenciam nossa resposta emocional. As implicações de não comer uma sobremesa depois do jantar não são as mesmas que escolher uma carreira, à qual provavelmente dedicaremos grande parte de nossas vidas, por exemplo. Portanto, a reatância psicológica depende das consequências de nossa renúncia.
  4. Intensidade da ameaça. Todas as ameaças não acionam uma resposta de reatância psicológica. Quanto mais ameaçarmos nosso senso de liberdade, mais forte será nossa resposta. De fato, ameaças diretas geralmente resultam em rejeição mais intensa. Não é o mesmo que eles nos dizem com voz autoritária que não podemos comer uma sobremesa para sugerir que não devemos comê-la, pelo bem de nossa saúde. De fato, diferentes estudos descobriram que dizer às pessoas que são livres para decidir por si mesmas o que é bom para elas, depois de indicar um comportamento benéfico para elas, geralmente é suficiente para reduzir a reatância psicológica, uma vez que não percebemos uma sugestão como uma ameaça à nossa capacidade de decidir.
  5. Legitimidade da ameaça. A reatância também depende da legitimidade da fonte que ameaça nossa liberdade. Se a ameaça vem de uma fonte de autoridade que consideramos relevante, importante e significativa em nossas vidas, a reatância geralmente é menor. Em outras palavras, se é uma pessoa importante, que exerce alguma autoridade sobre nós, teremos mais chances de ouvir suas palavras sem reagir, ficando na defensiva.

Como reagimos à reatância psicológica? Luzes e sombras

Não há dúvida de que, dada uma importante limitação de nossa independência, a reatância psicológica é um mecanismo que nos leva a defender e preservar essa liberdade. Na luta pelo que acreditamos e, acima de tudo, pelo nosso direito de decidir, tomamos as rédeas da nossa vida e preservamos nossa identidade. No entanto, nem tudo é cor de rosa. A reatância psicológica também tem sombras.

As emoções que geralmente desencadeiam a reatância nem sempre nos ajudam a tomar as melhores decisões ou a alcançar nossos objetivos. Em alguns casos, eles podem até se tornar contraproducentes, provando ser uma reação imatura. Porque

Não podemos esquecer que a reação quando sentimos que nossas liberdades estão ameaçadas tem dois componentes: cognitivo e emocional. Quando pensamentos negativos são acionados, geralmente sentimos raiva, hostilidade, frustração e raiva. Esses sentimentos nos empurram para a ação. Sentimos que precisamos fazer algo para defender nossa liberdade.

Então podemos escolher caminhos diferentes. Podemos responder com uma restauração direta, caso em que tentamos recuperar a liberdade ameaçada desenvolvendo com precisão a conduta proibida, uma opção que muitas vezes cria mais conflitos e confrontos.

Uma alternativa é a restauração indireta, que consiste em executar um comportamento equivalente ao ameaçado, como por exemplo, não comemos sobremesa, mas pedimos um café com creme e licor extras, o que equivale a calorias. O problema com essa alternativa é que ela raramente é satisfatória.

Finalmente, uma terceira maneira é o que é conhecido como resposta subjetiva, que envolve a implementação de um mecanismo de reestruturação cognitiva da situação que desencadeou a reatância, como: encontrar os aspectos positivos das possíveis alternativas e mudar de ideia.

Como usar a reatância psicológica a nosso favor?

Os pensamentos e emoções negativos que frequentemente acompanham a reatância psicológica fazem valer a pena dedicar o tempo necessário para avaliar – com mais objetividade – quão ameaçadora é realmente a situação. Simplesmente precisamos levar alguns segundos, minutos ou até dias antes de reagir, a fim de avaliar os prós e os contras, repensando a experiência de uma maneira mais racional.

Alguns estudos descobriram que tentar nos colocar no lugar da pessoa que supostamente estão restringindo nossa liberdade e sentir empatia pode nos ajudar a reduzir a reatância psicológica. Isso não significa que faremos necessariamente o que ele nos pede ou aceitaremos que eles restrinjam nossa liberdade, apenas significa que podemos decidir, com maturidade e objetividade, o que é melhor para todos, inclusive para nós mesmos, rompendo as linhas do sequestro emocional que desencadeia a liberdade. reatância

Fontes:

Steindl, C. et. Al. (2015) Compreendendo a reatância psicológica. Novos desenvolvimentos e descobertas. Z Psychol; 223 (4): 205-214.

Bessarabova, E. et. Al. (2013) Reatância, restauração e estrutura cognitiva: estática comparativa. Pesquisa em Comunicação Humana; 39 (3): 339-364.

Steindl, C. & Jonas, E. (2012) Que razões o outro poderia ter? – Perspectiva em perspectiva para reduzir a reatância psicológica em individualistas e coletivistas. Psychology (Irvine, Califórnia), 3 (12A): 1153.

Shen, L. (2010) Atenuando a reatância psicológica: o papel da empatia induzida por mensagens na persuasão. Pesquisa em Comunicação Humana; 36 (3): 397-422.

Miller, CH et. Al. (2007) Reatância psicológica e mensagens promocionais de saúde: Os efeitos do controle da linguagem, da concretude lexical e da restauração da liberdade. Pesquisa em Comunicação Humana; 33 (2): 219-240.

Brehm JW (1966). Uma teoria da reatância psicológica. Nova York: Academic Press.

Texto originalmente publicado no Ricón de la Psicología, livremente traduzido e adaptado pela equipe da Revista Resiliência Humana.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Resiliência Humana
Bem-estar, Autoconhecimento e Terapia